sábado, 14 de maio de 2016

Lei é lei e precisa ser cumprida

A Igreja Luterana é uma igreja evangélica. Ou seja, uma igreja que fala do Evangelho. Que proclama o Evangelho.
Em termos bem simples, Lei e Evangelho são:
Lei, aquilo que Deus exige de nós.
Evangelho, aquilo que Deus fez e faz por e para nós.

Nós somos parte de uma igreja que não se envergonha, mas dá graças a Deus pelo evangelho, como diz Rm 1.16-17: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé.”
O justo é aquele que crê em Jesus Cristo. Não existe uma justiça própria, mas nossa justiça diante de Deus vem da fé em Jesus Cristo.
Nós não nos envergonhamos do evangelho.
Proclamamos. Vivemos o evangelho. E o evangelho fala que Deus quer salvar a todos. A mim e a todos que ainda estão longe de Deus.
De tanto ressaltar o Evangelho parece que esquecemos que Deus também nos deixou sua lei. Especialmente expressa nos 10 mandamentos.
Ouvimos tanto que Jesus Salva gratuitamente, que podemos confundir, achando que podemos viver de qualquer jeito e Deus ainda nos perdoará. Isto é confundir Lei e Evangelho.
O teólogo C. F. W. Walther, em seu livro Lei e Evangelho, diz:
“Distinguir devidamente entre lei e evangelho é a arte cristã e teológica mais difícil e elevada, a qual só o Espírito Santo ensina na escola da experiência.”
Se por um lado a Lei não salva ninguém, ninguém será salvo sem cumprir a Lei de Deus.
Vejamos:
Se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha; vós me sereis reino de sacerdotes e nação santa. (Êx 19.5-6)
Se ouvirmos a voz... Ou seja, se dermos atenção ao que o Senhor espera de nós. Deus nos salvou. Nos tirou do caminho da condenação e nos guia por esse caminho. Mas nós, se nos afastamos de Deus, estamos nos lançando novamente na condenação. E o meio de não ir para a condenação é viver sob a guarda dos mandamentos de nosso Deus. Os mandamentos são nossos protetores. Somos livres para seguir os mandamentos.
João diz ainda:
Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele. (Jo 8.21)
De nada adianta dizer que ama a Deus e não estar na sua presença.
De nada adianta dizer que ama a Deus e viver em pecado.
Isso é engano e a pessoa que viver assim, esta está condenada e nem sabe. Está se enganando, achando que no final, independente de como eu viva, o Senhor me dará a salvação...
Jesus morreu não para nós nos lançarmos novamente no pecado. Ele morreu para nos libertar do pecado e vivermos uma nova vida.
O Espírito Santo nos conduz por esse caminho de vida, que um dia terminará na vida eterna.
João ainda nos lembra:
Não vos deixarei órfãos (Jo 14.18)
Deus não nos abandonará jamais.
Mesmo que nós sejamos teimosos e nos afastemos do Pai, ele mandará seus mensageiros para nos buscarem. E tomara que consigam trazer-nos de volta. Pois se pecamos e não voltamos, arrependidos, para Deus, seremos condenados.
Mas se voltarmos para Deus, ele nos recebe de braços abertos e nos fortalece novamente.
O Espírito Santo é quem nos guia. Como Diz Romanos: Todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. (Rm 8.14)
Se nós nos deixamos guiar pelo Espírito Santo, aí sim somos filhos de Deus. E como o Espírito Santo nos guia?
Palavra, Batismo e Santa Ceia.
O Espírito Santo, por estes meios, nos mantém na fé em Jesus Cristo.
A Santa Ceia perdoa pecados.
A Palavra orienta para a vida e para a vida eterna.
O Batismo nos coloca na família da fé.
E a Palavra orienta, também pelos mandamentos, como diz Jesus em João: Se me amais, guardareis os meus mandamentos (Jo 14.15)
Vocês amam a Deus?
Se sim, vão procurar guardar os mandamentos.
Assim como o povo de Israel disse: Tudo que o Senhor falou faremos (Êx 19.8).
Esse povo, como sabemos, falhou...
Mas sempre que se arrependeu, o Senhor perdoou.
Nós também vamos falhar.
E temos a mesma promessa de Deus de que ele nos perdoará e nos conduzirá por bom caminho.
Por isso, não esqueçam da Lei de Deus. Ela nos mostra o que Deus espera de nós e do mundo todo. Busquem cumprir a lei de Deus em sua perfeição. Não aceitem menos que “perfeito”...
Mas lembrem-se sempre: nós vamos falhar, porque somos pecadores. E, quando falharmos, se arrependidos buscarmos o perdão, seremos perdoados por causa de Jesus Cristo, que deu sua vida para nosso perdão, vida e salvação.
Onde nós falhamos em cumprir a Lei, Jesus cumpre perfeitamente e nos dá a vitória sobre o pecado, o mundo e nossa própria carne. Somos salvos não por fazer o que a lei manda, mas por crer em Cristo, que nos salvou, cumprindo toda a lei em nosso lugar.

Amém.

domingo, 8 de maio de 2016

Mas e Barsabás? #chateado #sqn

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).
Sl 133 / At 1.12-26 / Ap 22.1-20 / Jo 17.20-26

O Senhor conhece o coração de todos

A Paz do Senhor esteja com vocês. Amém.
Nesta semana, na quinta-feira, a Igreja Cristã comemorou a Ascensão de Nosso Senhor Jesus. A Ascensão é a data de lembrar a subida do Senhor aos céus.
Um dia Jesus voltará de lá, mas só o Pai sabe essa data. Mas Jesus voltará. Naquele dia virá para condenar os infiéis e para levar os fiéis à vida eterna.
O texto de Atos 1, acontece logo depois de Jesus voltar pro céu. E mostra o começo da caminhada da Igreja, agora, sem a presença física do Senhor Jesus.
A Igreja precisa continuar e precisa se preparar para cumprir a missão que o Senhor deixou em Atos 1.8: “Porém, quando o Espírito Santo descer sobre vocês, vocês receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até nos lugares mais distantes da terra.” Confirmando o que tinha dito em Mateus 28.19-20: “vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês. E lembrem disto: eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos.”.
Mas como cumprir tamanha tarefa? Como levar a Palavra se eu mesmo não me sinto conhecedor da Palavra? Como confortar o irmão, se eu estou sem conforto?
Estas são perguntas que são respondidas na vivência do amor de Deus. Na casa do Senhor. Na união com os irmãos na fé. E aqueles cristãos de Atos têm esta lição para nós: “Eles sempre se reuniam todos juntos para orar” (v. 14). E assim o Senhor os unia e os orientava. Porque o Senhor conhece o coração de todos.
Na dificuldade que aqueles primeiros cristãos tiveram, eles recorreram ao Senhor. A dificuldade foi a falta de um apóstolo, porque o traidor estava morto. Judas não quis o perdão de Deus e preferiu atirar-se para a morte eterna.
A igreja ali reunida tinha um problema a resolver. Tinha uma obra a fazer, mas lhes faltava um apóstolo entre os 12. Diz a Palavra do Senhor, que estavam reunidas 120 pessoas. E estes decidiram buscar um substituto para o lugar vago.
Entre os 120 havia dois homens (At 1.23) que se enquadravam nos critérios procurados, eram Matias e Barsabás. E agora? Precisavam apenas de 1 e não de 2...
Se fosse em uma de nossas reuniões, nós faríamos uma votação. Mas os judeus tinham um sistema diferente. Eles faziam um sorteio e entendiam que o sorteio revelava a vontade do Senhor. E eles não tiravam “a melhor de três” quando o sorteio não dava o que eles queriam. Eles aceitavam o resultado, qualquer que fosse. Aceitando a vontade do Senhor. E trabalhando para que o que foi decidido fosse, então, cumprido.
A Igreja de hoje decide suas ações nas Assembleias e o voto concorde da maioria é aceito por todos. Mas aqueles que tiveram menos votos, não vão ficar chateados, todos vão trabalhar juntos, pois todos queremos a mesma coisa: permanecer na fé e testemunhar o Senhor Jesus. Não se trata de vitória ou derrota. Não estamos buscando fazer a nossa vontade valer. Tomamos decisões para melhor cumprir a vontade do Senhor. Como os cristãos de Atos 1.
Aqueles cristãos, então, oraram e, depois de orar, sortearam. Do sorteio a resposta que tiveram era que o novo apóstolo seria Matias. E assim aconteceu.
Mas e Barsabás? Ficou chateado? Ficou frustrado? Não. Ele também aceitou o resultado da assembleia e continuou entre os seguidores de Jesus, não como um apóstolo, mas como um entre tantos discípulos, que puderam levar o nome do Senhor até os confins da terra.
Se Barsabás, o Justo, tivesse ficado chateado com a não eleição, teria perdido a oportunidade de atuar no serviço do Senhor. Não teria participado dos primeiros passos no crescimento da Igreja. Mas ele, com os outros discípulos continuavam unidos em oração. E mesmo quando discordavam, agiam com amor uns pelos outros, para andarem sempre unidos em torno de Jesus Cristo.
Queridos irmãos, o Senhor conhece o coração de todos. Ele sabe o que a Igreja está pensando e pretendendo. Ele sabe quando você está sofrendo e quando está mentindo para si mesmo. O Senhor sabe cada momento da sua vida e se preocupa com cada um deles. E o Senhor nos colocou em uma comunidade para, unidos, nos fortalecermos mais e mais. Para nos apoiarmos no momento de crise. Para juntos, decidirmos o que é melhor para o cumprimento da missão de Deus.
O inimigo quer semear a desunião e a discórdia dentro da igreja. Entre os primeiros discípulos ele agiu e continuará agindo na igreja, até a volta de Jesus.
Não se permita tornar-se um instrumento do inimigo. Quando vier a dificuldade de relacionamento, seja em casa, seja na igreja, lembre que o Senhor conhece o coração de todos. Inclusive o seu. Você não precisa e nem pode ter segredos para ele. E peça a Deus para deixar nossa igreja cada vez mais unida e forte.
Faça como os discípulos em Atos: busque o Senhor em oração. Sabendo que o Senhor ouve e responderá no devido tempo. Se tem algo na igreja que você acha que poderia melhorar, trabalhe para isso, mas faça com amor, respeito e oração. Respeitando a opinião do irmão, que não é seu inimigo, ou seu adversário, mas um cooperador na obra do Senhor e que pode estar vendo de outro modo aquilo que você vê.
Assim, seguiremos unidos e fortes, cumprindo a missão de levar Cristo para todos. E nos momentos difíceis, seremos o apoio aos fracos. Mas quando nós formos fracos, o Senhor fará dos irmãos a nossa fortaleza.
É assim que a Igreja age. É assim que o cristão age. Sabendo que o Senhor conhece o que se passa em nosso coração. E por isso ele conhece o grande amor que temos por sua missão e pelo interesse de Salvar a todos.
Com amor ainda maior, o Senhor Jesus se entregou para a nossa salvação. E por esse amor ele nos deu a missão para salvar a todos. Para cumprir esta tarefa precisamos ser um em Cristo. Para ser um em Cristo, o Senhor nos enche de amor ao próximo, para que o inimigo nunca tenha poder sobre nós.
Assim, guiados pelo Espírito Santo, vamos continuar unidos, como o Senhor pede ao Pai no Evangelho de João.
E não haverá obstáculo intransponível. O Senhor, que conhece os nossos corações, guiará a sua Igreja no bom caminho. Amém.


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)