segunda-feira, 28 de junho de 2010

A Igreja é um lugar para todos

Gl 2.15-21; 3.10-14

5º Domingo após Pentecostes.

 

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

 

Sl 32.1-7; 2Sm 11.26-12.10, 13-14; Gl 2.15-21; 3.10-14; Lc 7.36-8.3

A Paz do Senhor esteja com vocês. Amém.

Quem deve estar na igreja? Quem deve vir à casa de Deus?

Igreja Cátólica Apóst. Romana - Roma. Vaticano. Por muito tempo se pensou, e até hoje, muitas vezes se pensa que a igreja é um lugar onde estão os “santinhos”. Pessoas que jamais cometem um pecado. Que nunca erram. Pessoas que passam o dia orando e cantando. Enfim, pessoas que não saem da igreja. Neste pensamento, a pessoa seria santa, por causa de suas “boas obras”. E apesar de muita gente pensar assim, não é assim que Deus pensa.

A Igreja não é um lugar para pessoas falsamente santas. Pessoas que pensam agradar a Deus com suas boas obras. Porque não existe nenhuma pessoa que consiga fazer a vontade de Deus como ele quer. Como afirma o Sl 53.3: “...todos caíram, se desviaram assim do caminho certo, e são igualmente corruptos. Não há mais ninguém que faça o que é direito, não há mesmo nem uma só pessoa.”

Não há ninguém que consiga, por si mesmo, agradar a Deus. Então pra que existem igrejas? Justamente por que não conseguimos agradar a Deus.

Sabemos que não existem os tais “santinhos” e por isso precisamos seguir o exemplo de Jesus Cristo e de todos os Santos Apóstolos.

A igreja não é um lugar para os “santinhos”, mas sim um lugar para pecadores que buscam, em arrependimento, o perdão. Pecadores que atendem ao chamado de seu Pai amoroso.

A Igreja é lugar para todas as pessoas. Para nós que hoje cremos em Deus e para aqueles que não creem ainda.

O que podemos encontrar aqui na casa de nosso Pai?

Perdão dos pecados, Palavra de Deus e os Sacramentos do Batismo e da Santa Ceia.

Para o pecador arrependido sempre existe o perdão.

Diz Jesus: “Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso.” (Mt 11.28)

Temos o perdão aqui e um novo ânimo para voltar ao mundo. Para voltar às nossas vidas e aos nossos problemas, sabendo que Deus está preocupado conosco e quer nos ajudar sempre.

Pecamos sim, mas se nos arrependemos, Deus nos perdoa e nos perdoando, Deus diz que agora sim somos santos. Pois estamos arrependidos e, portanto, perdoados, por causa de Jesus Cristo.

Perdoados, podemos seguir nossas vidas sabendo que Deus jamais abandona seus filhos, seja nos momentos de alegria ou de aflição, de doença ou de saúde, de emprego ou de desemprego. Deus está conosco sempre, se cremos nele.

Outra coisa que encontramos aqui na casa de Deus é a Palavra dele. Esta Palavra nos orienta, nos anima e quer nos preservar na fé verdadeira até o fim. Quem se afasta de Deus e de sua Palavra não pode ter verdadeiro sucesso neste mundo, pois sem Deus é impossível ser verdadeiramente feliz.

Se pode ter muitas conquistas como riqueza, sucesso financeiro, por exemplo, mas como tudo mais, isso também terminará com a morte.

Já para quem confia em Deus e em sua Palavra, a vida não termina aqui. Vai muito além. Vai à eterna felicidade que receberemos no dia do juízo final.

Algo que também é oferecido aqui na igreja é Batismo e Santa Ceia. No Batismo o Espírito Santo nos é derramado. É perdoado o pecado original e somos recebidos no Reino de Deus e passamos a viver dia-a-dia nosso Batismo, nos arrependendo de nossos pecados e procurando viver de acordo com a vontade de Deus.

Na Santa Ceia Jesus vem a nós no pão e no vinho com seu corpo e sangue. Ele nos perdoa dos pecados do passado e quer nos levar a uma nova vida, cheia de boas obras diante de Deus. Na Santa Ceia também a fé é fortalecida.

Pra quem é a Igreja então?

o bom samaritano Para aqueles que hoje creem em Deus. Para continuarem firmes. Mas também para aqueles que ainda não creem. Para que cheguem ao conhecimento da Palavra de Deus e passem a crer no Deus verdadeiro: Pai, Filho e Espírito Santo.

Muitas vezes as pessoas pensam que Deus não as aceitará, por isso se afastam da igreja. Acham que o pecado que cometeram foi grande demais. Mas para Deus não importa o tamanho do nosso pecado. Sempre há perdão para aqueles que se arrependem e confiam no Senhor.

É o caso de Davi. Ele se interessou pela mulher de Urias. Cometeu adultério com ela. Usou e abusou de seus poderes de rei, sem pensar em Deus ou nas consequências de seu pecado. Mandou matar Urias e tomou sua mulher por esposa para tentar esconder o pecado, pois Bate-Seba estava grávida e logo se saberia quem era o pai da criança.

Para parecer um “santinho” Davi pecou ainda mais. E não havia perdão para ele enquanto ele não se arrependesse. Então Deus manda o profeta Natã.

O pecado de Davi era tão claro que ele mesmo se condenou diante de Natã. O profeta usou um exemplo, como se fosse de outra pessoa, quando na verdade estava falando sobre Davi. O rei entendeu seu pecado e se arrependeu. Perdoado ele seguiu seu reinado até o fim, com a bênção de Deus.

A Bíblia conta a história de muitos pecadores que se arrependem.

Precisamos entender que a Igreja é um lugar para todas as pessoas, aqueles que hoje creem em Deus e aqueles que ainda não creem e que precisam crer.

Cabe a cada um de nós viver em fidelidade ao Senhor, também testemunhando para que outros recebam a mesma fé e sejam salvos.

A Igreja não é um lugar para “santinhos”, mas é um lugar para verdadeiros santos.

Todos que cremos em Jesus somos santos diante dos olhos de Deus. Enquanto ainda estamos no mundo, vamos ter pecado no nosso caminho e a nos rodear, mas não precisamos nos contaminar, porque Cristo vive em nós.

O Espírito Santo nos levará a uma vida de obediência a Deus e veremos como nossa vida será melhor em todos os momentos.

O Espírito também nos usará para testemunhar Jesus Cristo. Para que aqueles que não sabem, escutem que a Igreja é um lugar para todos. Para que os que precisam do conforto da salvação a recebam pela fé em Jesus. Pois só Jesus nos torna verdadeiramente santos e herdeiros da vida eterna. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Soli Deo Gloria

domingo, 20 de junho de 2010

Jesus transforma os tristes em alegres

4º Domingo após Pentecostes


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Sl 130 / 1Rs 17.17-24 / Gl 1.11-24 / Lc 7.11-17


A Paz do Senhor esteja com vocês. Amém.

Certo dia uma menina estava muito triste:

— As coisas nunca dão certo pra mim.

— Queria ser convidada para a festinha de aniversário da Helena e não fui. Queria ir nadar hoje à tarde, e agora está chovendo. Queria ver o filme policial na televisão, mas a mamãe não deixou. Para mim dá tudo errado.

Menina Triste Essa menina se chamava Joana. Ela se queixava e lamentava. De tantas queixas Joana acabava sempre triste e muitas vezes chegava a ficar doente. Andava pra todo o lado com a cara amarrada, na maior infelicidade. Ela se achava a pessoa mais desprezada do mundo. Achava que ninguém lhe dava ouvidos, que ninguém se interessava pelo que ela tinha a dizer. E reclamava de tudo e de todos. Assim, fazia os outros se sentirem tristes também.
Assim como Joana, muitos de nós também andamos por aí tristes. Assim como Joana, muitos de nós nos esquecemos de nosso maravilhoso Salvador Jesus Cristo e das bênçãos que temos em nossas vidas.
Mas Jesus Cristo transforma as pessoas de pessoas tristes a pessoas alegres. Vejam como é bonito o testemunho do apóstolo Paulo aos Gálatas!

Paulo nos conta de como ele agia antes de conhecer Jesus e o evangelho da Salvação:

Ele perseguia a igreja de Cristo. Ele se incomodava com a alegria dos cristãos. Ele procurava exterminar os cristãos da face da terra. Paulo não acreditava que Jesus Cristo era o Salvador do mundo. Por isso como ele diz: “eu perseguia sem dó nem piedade a Igreja de Deus e fazia tudo para destruí-la.” (Gl 1.13) E Lucas, ao escrever Atos dos Apóstolos, também registrou: “Saulo se esforçava para acabar com a igreja. Ele ia de casa em casa, arrastava homens e mulheres e os jogava na cadeia.” (At 8.3).

Saulo era mau e vingador. Ele procurava destruir a fé em Jesus Cristo. Isto porque Paulo ainda não tinha conhecido a verdadeira alegria. Alegria de viver em Jesus. Alegria que supera todas as tristezas.

Mas um dia Jesus se encontrou com Paulo, que ainda se chamava Saulo e disse: — Saulo, Saulo, por que você me persegue? (At 9.24; 22.7).

Desse dia em diante tudo mudou na vida de Saulo. Até mesmo seu nome foi mudado para Paulo. Jesus o convocou e o enviou para levar a belíssima notícia do evangelho a todos que pudesse. De rancoroso e perseguidor, passou a uma vida cheia da alegria do Evangelho. E a alegria era maior do que as perseguições que ele agora sofria.

É o Evangelho que nós também cremos e que diz:

—Arrependa-se dos seus pecados, creia em Jesus Cristo e você será salvo.

Por causa da fé em Jesus Cristo, Paulo agora era uma nova pessoa. Não andava de cara amarrada praguejando contra Deus e contra os seres humanos. Paulo tinha sido convertido e agora tinha fé em Jesus Cristo.

Quando a fé nos toca o coração ela faz o que fez a Paulo. O apóstolo sabia que, como ser humano, não merecia ser escolhido por Deus. Mas, apesar de conhecer suas dificuldades, suas fraquezas, ele não se preocupou com isso. Pelo contrário, confiou em Deus e aceitou a tarefa de anunciar o evangelho aonde ia.

Paulo, que antes se lamentava como Joana, a menina de nossa história, agora tinha todos os motivos para estar alegre, mesmo sofrendo perseguições, preconceito, prisão e morte.

Nada mais poderia tirar a alegria de Paulo, pois ele tinha sido alcançado pela graça de Deus, a verdadeira alegria que só pode ter aquele que crê em Jesus Cristo.

Esta mesma graça hoje quer alcançar cada um de nós e quer chegar ao mundo por meio do nosso testemunho, de nossa vinda aos cultos, de nossas ofertas. Enfim, de nossas vidas dedicadas a Deus.

Quanto de nossa vida nós estamos dedicando a Deus? O melhor de nosso tempo, ou o que sobra depois dos compromissos do mundo?

Quanto de nossos bens nós estamos dedicado a Deus? Ofertas sinceras ou migalhas?

Quanto de nosso tempo nós estamos dedicando a Deus? 1 ou 2 horas por semana? Ou mais tempo para meditar na Palavra do Senhor?

Será que os problemas que temos não são causados por nosso afastamento da Palavra? Porque uma ou duas horas por semana é muito pouco contato com a Palavra do Senhor. E é um caminho aberto para nossa vida se encher de tristezas e amarguras, pois “A alegria que o Senhor dá fará com que vocês fiquem fortes.” (Ne 8.10). E longe do Senhor a nossa fé enfraquecerá e nós seremos pessoas tristes. Pessoas que só vêem problemas em sua vida e nos outros.

Paulo estava triste porque lhe faltava confiar em Jesus.

Lembram da Joana? Ela estava triste porque lhe faltava lembrar de Jesus. Quando Joana se lembrou verdadeiramente de Jesus, ela logo ficou contente e disse:

menina_feliz —Eu tenho muitos motivos para ser alegre: Jesus me ama, e Deus é bom pra mim. Tenho um bom lar e bons pais. Vou fazer alguma coisa para ajudar a mamãe. Ou então vou convidar algum amigo para vir aqui em casa. Ser alegre é mais importante do que ver um filme ou ir a uma festa.
Assim como Paulo e Joana, quando cremos em Jesus Cristo, ele habita em nós e nos dá o Espírito Santo. E o Espírito Santo nos dá um coração alegre e um rosto alegre, porque com Jesus sabemos que no fim tudo dá certo pra nós. É outro motivo para guardarmos Jesus no coração. Ele nos pode conservar alegres, aconteça o que acontecer.
Só Jesus Cristo pode converter nossa tristeza em alegria. Assim como ele fez com Paulo: “Aquele que antes nos perseguia está anunciando agora a fé que no passado tentava destruir!” (Gl 1.23).
Paulo agora era uma pessoa fiel a Deus.
Deus quer fazer a mesma coisa conosco. Ele quer que creiamos cada dia mais. E ele fará isso, porque nos ama e nos quer a todos nos céus. Creiamos em Jesus Cristo e receberemos a vida eterna. E enquanto andarmos por este mundo, a alegria que vem do Senhor, será a nossa força. Amém.
E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Soli Deo Gloria

sábado, 12 de junho de 2010

O sempre novo Evangelho

Gl 1.1-12
3º Domingo após Pentecostes


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Sl 96.1-9 / 1Rs 8.22-24,27-29,41-43 / Gl 1.1-12 / Lc 7.1-10


Vamos confessar em conjunto o Credo Apostólico:

“Creio em Deus Pai Todo-Poderoso, Criador do céu e da terra.

E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido pelo Espírito Santo, nasceu da vigem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu ao inferno; no terceiro dia ressuscitou dos mortos, subiu aos céus e está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Cristã – a comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne e na vida eterna. Amém.”

evangelho Um dia cada um de nós foi batizado nesta fé. Naquele momento nós confessamos isto aí.
Esta é a fé que temos: Cremos num só Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Cremos que Deus nos criou. Cremos que Jesus nos Salvou e cremos que o Espírito Santo nos santifica a vida.
Confessamos crer na obra de Jesus: que nasceu homem, no tempo escolhido por Deus. Confessamos crer no que ele ensinou e crer que ele sofreu e morreu por nós. Cremos também que Jesus ressuscitou dos mortos e subiu ao céu. E cremos que um dia ele voltará e naquele momento todos os mortos ressuscitarão e aqueles que creem em Jesus irão para a vida eterna, mas o resto irá para a condenação eterna.
No mesmo credo ainda confessamos crer na verdadeira igreja cristã, que reúne todos os santos vivos e mortos. Pois santos para Deus são aqueles que têm fé em Jesus Cristo, não importa se vivos ou mortos. A diferença é que os mortos já estão nos céus e os vivos irão pra lá um dia.
Cremos na remissão dos pecados. Cremos na ressurreição dos mortos e cremos na vida eterna. Esta é a mensagem do Evangelho. Uma novidade há mais de 2 mil anos.
Mas muitas vezes somos rápidos em procurar outro evangelho. Vejam o que afirma o apóstolo, poucos anos depois de Jesus ter subido aos céus: “Estou muito admirado com vocês, pois estão abandonando tão depressa aquele que os chamou por meio da graça de Cristo e estão aceitando outro evangelho.” (Gl 1.6).
Você conhece alguém que está correndo atrás de um novo evangelho? Alguém que sempre busca novidades atrás de novidades e jamais está satisfeito com a novidade alcançada?

evangelho1 São estas pessoas que têm enchido as igrejas das “novas verdades” sobre Jesus Cristo. São pessoas que têm ido, “só pra ver como é”, a lugares que vendem de tudo, mas não dão a salvação. Alguns fazem questão de dizer que não são religião, mas são “apenas filosofia de vida”. E não faz mal.
Isto tudo é mentira de Satanás...
Ele é que sopra este “novo evangelho” nos ouvidos.
A maior vitória do inimigo é fazer com que as pessoas não acreditem nele. E existem muitas formas de se dizer isto:
Deus é um só...
Toda igreja é boa...
Deus está em todas as igrejas...
O que importa é ajudar os outros...
Estas “novas verdades” têm sido usadas para enganar muitas pessoas. Porque elas parecem mesmo ser verdade, se nós não prestamos atenção.
Dizem, entre outras coisas: Deus é um só!
E é mesmo, isto é verdade, mas o Deus que existe é apenas aquele que se revela na Bíblia como o Pai, Filho e Espírito Santo. Ele não é Alá, Buda ou Oxalá qualquer outro nome que tentem dar para ele. Ele é o Deus de Israel. E que enviou Jesus Cristo para nos salvar.
Dizem que toda igreja é boa...
Também parece verdade num primeiro momento, porque toda igreja ensina a não matar, não roubar, ser fiel no casamento, etc. Isso é bom... Mas nem toda igreja crê em Jesus Cristo, então, nem toda igreja pode indicar o caminho para a vida eterna, porque só existe um e é ele mesmo que diz: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém pode chegar até o Pai a não ser por mim.” (Jo 14.6).

Tomé e Jesus - felizes os que não viram mas creram A outra afirmação diz que Deus está em todas as igrejas, mas ele não está. Ele está onde creem no Deus revelado na Bíblia e onde procuram viver a sua vontade e ensinar o seu evangelho. Onde aparecem as “novas verdades” o apóstolo recomenda: “se alguém, mesmo que sejamos nós ou um anjo do céu, anunciar a vocês um evangelho diferente daquele que temos anunciado, que seja amaldiçoado! Pois já dissemos antes e repetimos: se alguém anunciar um evangelho diferente daquele que vocês aceitaram, que essa pessoa seja amaldiçoada!” (Gl 1.8-9).
Lembram do Credo Apostólico?
Aquele é o Evangelho no qual nós fomos batizados, portanto fiquem com os olhos bem abertos para não cair nas armadilhas do inimigo.
Nós já temos o Evangelho verdadeiro, não precisamos de um novo. Não precisamos ficar como aquele adolescente que quer trocar de celular ou de marca de roupa a cada semana. E nunca está satisfeito com o que tem.
Os apóstolos, profetas e o próprio Jesus nos anunciaram o verdadeiro e único Evangelho que lembra que Jesus morreu por nós e, pela fé nele, temos a vida eterna. Esta sim é uma notícia que deve ser compartilhada. Especialmente com aqueles que têm buscado as “novas verdades” e com isso têm-se afastado do Deus verdadeiro.
Diga pra você mesmo e diga aos outros: creia em Jesus e viva pra Jesus que você será salvo. Nenhum mal permanecerá sobre você e você vencerá o mundo. Pois Cristo lhe dá a vitória. Este é o novo, verdadeiro e único Evangelho. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Soli Deo Gloria

terça-feira, 8 de junho de 2010

Os meus amuletos

Amuleto é algo a que se atribui sorte (há alguns objetos e situações aos quais se atribui azar, mas estes não costumam ser chamados de amuletos).
Você tem amuletos? Quais seriam? Um pé de coelho? Uma ferradura? Um galho de arruda? Um terço católico ou uma imagem de santo pendurada num colar ou guardada na carteira?
Há piadas sobre amuletos: “se ferradura desse sorte o cavalo não puxava carroça!”
terço Há também algumas afirmações: “Pode até não fazer bem, mas mal não faz!” Ou: “É só pra garantir! vai que dá sorte mesmo!”
Neste mês, certamente ouviremos falar muito em sorte e azar. Lembraremos o 13 do Zagalo. E “Dunga é campeão” tem 13 letras. Mas ele é mesmo, não significa que será novamente. Embora, como brasileiro, espere e torça para que o Brasil ganhe o hexacampeonato. Pena que hexacampeonato tenha 14 letras.
Pense novamente: Qual o seu amuleto? Qual a sua roupa da sorte? Quais as suas “manias inofensivas” para atrair a sorte?
Lembre que nenhuma dessas manias inofensivas ou amuletos, são verdadeiramente inofensivos. Pois eles estão dividindo a nossa atenção com aquele que não aceita dividir o lugar com ninguém: Deus.
Quando depositamos as esperanças de conquistas num colar ou numa certa cor de camiseta, estamos dizendo que nossa fé está naquelas coisas. E elas passaram a ser nossos “deuses”. Por isso o cristão jamais usará qualquer espécie de amuleto. Isto é, no mínimo, fraqueza de fé. Pois o ser humano não pode servir a dois senhores. Ou é de Deus, ou não é.
amuleto - ferraduraMas hoje existem amuletos para todos os gostos. Até pseudo-cristãos. Tem a água que faz isso, a cruz que faz aquilo. A rosa consagrada que trará o amor de volta. A caneta consagrada que lhe fará ter bons negócios. O celular que só lhe trará boas notícias... E o “Inferno vai bombando”.
Não há amuleto que possa livrar a pessoa da condenação eterna. Pois é Cristo o único caminho, verdade e vida (João 14.6). Nem mesmo a cruz, usada como amuleto resolve nada. A cruz é um símbolo muito importante. Ela nos lembra o sacrifício de Jesus e sua vitória sobre o pecado. Mas não traz sorte a ninguém. Nem azar. Só a recordação de Cristo.
Quando alguém lhe perguntar: “quais os seus amuletos ou as suas superstições?” Responda: não tenho nenhum, pois creio em Cristo e não preciso. Não tenho nenhum, pois o único Deus em minha vida é o Deus verdadeiro, que me salva e leva à vida eterna. Isso sim é sorte e ela está nas mãos do meu Senhor, que me abençoa.

O Senhor oferece perdão dos pecados

Gn 50.15-21
2º Domingo após Pentecostes


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Sl 112.1-9; Gn 50.15-21; At 2.14a,36-47; Lc 6.20-42

perdão dos pecados

A Paz do Senhor esteja com vocês.

Queridos irmãos em Cristo, hoje quero falar com vocês sobre perdão de pecados. Mas perdão de ofensas também entrará em nosso tema, uma vez que o texto escolhido para nossa meditação é Gênesis 50. E o que está acontecendo ali?

Jacó morreu. E os irmãos de José ficam com medo do irmão poderoso. O que ele fará conosco agora, que o papai morreu? Será que ele vai se vingar da gente?

Isto passou pela cabeça deles, mas passou porque não confiaram no perdão recebido. Não acreditaram nas palavras de José: “– Eu sou o seu irmão José, aquele que vocês venderam a fim de ser trazido para o Egito. Agora não fiquem tristes nem aborrecidos com vocês mesmos por terem me vendido a fim de ser trazido para cá. Foi para salvar vidas que Deus me enviou na frente de vocês.” (Gn 45.4-5). A culpa ainda pesava sobre eles. E a culpa traz medo.

Muitas pessoas não querem se apresentar diante de Deus, por causa da culpa que carregam. Têm medo de Deus e do que ele possa fazer. Têm medo do pastor e dos líderes da igreja, que muitas vezes parecem carrascos da ira do que emissários do amor de Deus.

Lutero tinha medo de Deus e dia após dia sofria pensando num Deus carrasco, até que se deparou com a alegre notícia do perdão que o Senhor oferece. E acordou para textos que estavam obscurecidos, como por exemplo: “Pois pela graça de Deus vocês são salvos por meio da fé. Isso não vem de vocês, mas é um presente dado por Deus.” (Ef 2.8) Ou o texto-chave da Reforma do século 16: “Pois o evangelho mostra como é que Deus nos aceita: é por meio da fé, do começo ao fim. Como dizem as Escrituras Sagradas: “Viverá aquele que, por meio da fé, é aceito por Deus.”” (Rm 1.17).

Então Lutero pôde apresenta-se diante de Deus sem culpa. Não acreditando em seus méritos, mas crendo no perdão que o Senhor oferece.

Os irmãos de José arquitetaram mentiras para tentar escapar do castigo que achavam que José traria sobre eles. Mentira logo percebida por José, que chora de tristeza.

A tristeza de José é compreensível. Pois tinha demonstrado todo amor do mundo a seus irmãos. Mas eles mesmo assim não acreditaram que estavam perdoados. Certamente tinham passado os últimos anos sofrendo com a angústia do castigo que pensavam merecer. Esta é uma situação terrível.

A pessoa está carregada de culpa, por isso age de forma culpada. É como aquela pessoa que não pagou uma conta e, por isso, evita passar na frente da loja que está devendo. Atravessa a rua e passa na outra calçada. Mesmo que não seja caminho. Depois que saudar a dívida, poderá passar tranquilamente por ali outra vez. Sem medo de ser cobrada em público. Sem medo de passar vergonha.

José nos diz que quem deve perdoar é o Senhor. É a mesma coisa que Pedro também diz aos israelitas que pergunta: “Irmãos, o que devemos fazer?” (At 2.37).

É a mesma pergunta que fazemos ao saber que o Senhor morreu por causa de nossos pecados: O que devemos fazer para ter perdão?

Crer em Cristo e confiar no perdão. Os irmãos de José não confiaram no perdão. Mas José reafirmou que os tinha perdoado. Então eles ficaram tranquilos.

Os israelitas perceberam que tinham matado Jesus e perguntaram pelo perdão. Pedro, em nome do Senhor, lhes mostrou o perdão e a vida em Cristo.

santa ceia O Senhor oferece perdão dos pecados.
Não há justificativas para o pecado. Não é hora de ficar arquitetando planos, como fizeram os irmãos de José. Não é hora de fugir da culpa, dizendo que foram outros os culpados.
Enquanto fugirmos da culpa, nos sentiremos culpados e pesados. Sempre que ouvirmos falar do pecado, faremos como alguém que muda de calçada para evitar encarar a dívida. E nada será resolvido.

Quando pararmos de mentir para nós mesmos e reconhecermos que somos pecadores, a sensação será igual àquela que Davi confessou no Salmo 32.(3,5): “Enquanto não confessei o meu pecado, eu me cansava, chorando o dia inteiro. Então eu te confessei o meu pecado e não escondi a minha maldade. Resolvi confessar tudo a ti, e tu perdoaste todos os meus pecados.”

Davi estava aliviado, porque não tinha mais culpa. Pois o Senhor oferece perdão dos pecados e não há pecado onde há perdão. Porque aquele que crê em Jesus Cristo tem suas culpas tiradas. Seus pecados foram lavados no sangue do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E é por isso que quem crê em Jesus não será julgado. Não há o que julgar. Não existe o pecado.

Alguém poderia dizer: quer dizer que já viramos todos santos e perfeitos? Não! Não viramos santos e perfeitos, continuamos pecadores e imperfeitos. Não merecemos nada mais que castigo. Mas pela fé em Cristo, o Senhor que oferece o perdão dos pecados nos olha e não vê pecado.

Aí, sem culpa, podemos viver um dia-a-dia melhor. Amando a Deus e ao nosso próximo.

Vivendo agradecidos a Deus e demonstrando isso nas ofertas, na consagração na casa de Deus e em nossa vida diária. Porque não temos o peso da culpa sobre nós. Não precisamos atravessar para o outro lado da rua para não esbarrar em alguém que devemos. Pois não devemos nada a ninguém. E assim como o Senhor nos dá o perdão, sempre perdoaremos ao irmão que nos ofende, como bem lembra o Salvador Jesus, no evangelho de hoje.

Quando o pecado te acusar, lembre do que dissemos hoje:

O Senhor oferece perdão dos pecados.

Não há justificativas para o pecado.

Mas não há pecado onde há perdão.

E nosso perdão vem do Senhor Jesus, para que sejamos capacitados a perdoar também. E, por causa de Cristo, todos somos herdeiros da vida eterna.

Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Soli Deo Gloria