domingo, 2 de julho de 2017

Nada e ninguém é mais importante que a Salvação.

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Em Mt 10.12, que lemos há alguns dias, Jesus disse aos seus discípulos:
“Quando entrarem numa casa, digam: ‘Que a paz esteja nesta casa’!” (Mt 10.12)
Jesus estava mandando os discípulos em missão.
E Jesus dá as orientações nessa primeira vez que eles iriam anunciar o Reino, sozinhos. Eles seriam embaixadores da paz. Levariam a paz às outras pessoas.
Guardem esta informação: Somos embaixadores da Paz.

Já no texto que lemos hoje, acontece algo que certamente os discípulos estranharam. Jesus diz:
“Não pensem que eu vim trazer paz ao mundo. Não vim trazer a paz, mas a espada. Eu vim para pôr os filhos contra os pais, as filhas contra as mães e as noras contra as sogras. E assim os piores inimigos de uma pessoa serão os seus próprios parentes.” (Mt 10.34-36)
Somos embaixadores da Paz. A paz que só Cristo pode dar...
Mas pode ser que esta Paz traga divisões e problemas dentro de nossa própria família...
Jesus está mostrando para seus discípulos que nem sempre será fácil permanecer fiel à missão de salvar as pessoas. Muitas vezes os discípulos seriam zombados, desacreditados, agredidos física e verbalmente... Tudo isto porque simplesmente traziam a Paz de Cristo. E Cristo não tolera outros deuses... Cristo não tolera o pecado, apesar de amar o pecador...
Por isso, seguir Jesus pode resultar em conflitos e divisões dentro das famílias. Afinal, é nossa função, apontar para a salvação, mas alguns estão satisfeitos em seus pecados e não querem saber de mudar... Daí aparece um
“não me enche...”;
“você não manda em mim...”;
“eu já sou maior de idade...”;
“vá cuidar da sua vida que da minha cuido eu...”
E por aí vai.
Muitas vezes as pessoas que amamos não compreendem que quando nós apontamos para Cristo, é para que elas também sejam salvas. Não se enganem, o diabo quer tornar a missão muito difícil.
Mas Jesus quer que seus discípulos se empenhem pela vida eterna, mesmo que isso signifique sacrificar coisas desta terra. Com toda a sinceridade, precisamos confessar que, muitas vezes, falhamos... E não colocamos Jesus em primeiro lugar em nossas vidas, nem tomamos a nossa cruz para segui-lo.
Há pessoas que preferem abandonar a sua igreja do que reconhecer o pecado e mudar...
Deixam de seguir a Jesus, mudam até de religião, por causa de um casamento, por exemplo... Assim, escolhem uma situação terrena e deixam Jesus pra lá...
Ao alertar que teríamos dificuldades, Jesus lembra que aquilo que nós não conseguimos fazer, ele fez por nós. Ele tomou a cruz e pagou o preço para que nós tenhamos a Paz verdadeira e eterna.
Vejam o exemplo de Paulo:
“tendo anunciado o evangelho naquela cidade e (Antioquia e Icônio) feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icônio, e Antioquia, fortalecendo a alma dos discípulos, exortando-os a permanecer firmes na fé; mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus.” (At 14.21-22).
Paulo foi perseguido, preso, açoitado...
Foi rejeitado pelo seu povo e algumas vezes até por cristãos que queriam impor leis aos novos convertidos...
É preciso lembrar que “pressão, dificuldades e oposição são coisas esperadas pelo povo de Deus em sua jornada neste mundo em direção à plenitude do reino celestial de Deus.”
E como Lutero afirma no Catecismo Maior:
“Nos infligem toda sorte de infortúnios e pesares. Porque onde a Palavra de Deus é pregada, aceita ou crida e produz fruto, aí também não há de faltar a amada e santa cruz”.
Diz ainda:
“Maldições não irão faltar. Mas siga em frente e as encare com mais coragem, seja forte, e apegue-se firmemente à bênção, não importando o quanto todas as coisas pareçam estar cheias de maldições. Pois é isto que devemos concluir: estou certo de que fui batizado. Eu ouvi a Palavra da boca do ministro. Eu fiz uso do Sacramento do Altar. Essa é a verdade divina e imutável. Mesmo sendo eu fraco, ela é segura e inalterável. Vocês são filhos do reino, os seus pecados estão perdoados, o diabo foi vencido e colocado debaixo dos pés de vocês, pecado e morte não lhe farão mal; você é inculpável. Suporte, pois, as maldições hostis com serenidade.”
E para dar toda clareza da dificuldade das provas, Jesus chama o exemplo mais difícil:
“Quem ama o seu pai ou a sua mãe mais do que ama a mim não merece ser meu seguidor. Quem ama o seu filho ou a sua filha mais do que ama a mim não merece ser meu seguidor. Não serve para ser meu seguidor que não estiver pronto para mover como eu vou morrer e me acompanhar.” (Mt 10.37-38).
Lembrem que Abraão passou nessa prova.
Deus não quer a vida de nossos filhos, nem destruir nossas famílias. Ele nos quer todos juntos na vida eterna. Assim como ele não queria que Abraão matasse Isaque, mas quis testar a fé do patriarca...
Jesus alerta os discípulos que é melhor morrerem neste mundo, não abandonando a fé, do que perecer eternamente, por se afastarem da sua Palavra. Algo parecido ele diz quando manda arrancar um olho ou cortar a mão para não cair em pecado. Ele não quer que nos mutilemos... Ele quer mostrar como é importante permanecer fiel a Deus.
O ponto chave deste texto está no versículo 39:
“Quem procura os seus próprios interesses nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo, porque é meu seguidor, terá a vida verdadeira.”
Podemos e devemos ter coisas boas neste mundo. Ter uma família legal e amar esta família. Mas se minha família me leva para longe de Jesus, é preferível afastar-se da família do que de Jesus. E se minha família ainda não é de Jesus, eu preciso entregar para eles aquela Paz que só o Salvador pode dar.
Se minha família não quer vir à igreja, estudar a Palavra... Eu faço sozinho... Pois fazendo isso, estou ainda dando o exemplo a todos da importância da Palavra de Deus na minha vida... E com este exemplo, pode ser que muitos sejam alcançados pela Salvação.
No final, tudo ainda será recompensado, como Jesus diz no final de nosso texto:
“Quem recebe vocês, está recebendo a mim; e quem me recebe está recebendo aquele que me enviou. Quem receber um profeta, porque este é profeta, terá uma parte da recompensa dele; e quem receber uma pessoa boa, porque ela é boa, terá uma parte da recompensa. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem, apenas por ser meu seguidor, der ainda que seja um copo de água fria ao menor dos meus seguidores, certamente receberá a sua recompensa. (Mt 10.40-42).
Dificuldades teremos...
Mas nunca seremos abandonados.
Pode nossa família toda se afastar, que Jesus continua do nosso lado. Então, sigamos como embaixadores da Paz. Entregando a Paz de Cristo mesmo àqueles que parecem não querer ouvir... Só Jesus pode mudar as pessoas. Só Jesus pode dar a vida eterna. Você que hoje está no caminho da Vida Eterna, leve essa salvação a outras pessoas também. Cristo está com você. Ele te ama e te perdoa. E te receberá de braços abertos na casa eterna.
Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus.

sábado, 10 de junho de 2017

Como não usar a Palavra de Deus

Em recente evento de lideranças de "esquerda"(?)... Uma deputada federal, Benedita da Silva, que costuma se dizer cristã e usar a Bíblia para suas "reflexões"... Mostrou que é mais um, entre tantos, que desconhece para que a Bíblia foi escrita.
Para incitar o ódio e a disputa armada, ela cita:

"quem sabe faz na hora e faz a luta. A gente sabe disso e na Bíblia está escrito que sem derramamento de sangue não haverá redenção. Vamos à luta com quaisquer que sejam as armas"
O problema da deputada é que a redenção que ela fala aí, não é a volta de seus corruptos de estimação para o poder. A redenção da qual trata o texto de Hebreus 9.22 é outra e já foi feita.
Este é problema de se tentar usar a Bíblia para justificar quaisquer tipo de políticas. Isso já foi tentado, inclusive, logo após a Reforma Luterana, que degringolou para a Reforma Calvinista e Arminiana... Criando estados "cristãos", onde a lei deveria ser a Bíblia... Nunca funcionou.

O texto de Hebreus, que aqui cito da Bíblia na Linguagem de Hoje, diz assim: "De fato, de acordo com a lei, quase tudo é purificado com sangue. E, não havendo derramamento de sangue, não há perdão de pecados."

O texto fala de Jesus e de seu sacrifício para o perdão dos pecados (redenção... Palavra que a deputada não parece conhecer o significado e, se conhece, fez questão de dar sua interpretação própria).

Aliás, dar interpretação própria é o que nossas "autoridades" mais fazem... Uma hora a prova é necessária, na outra não pode ser usada... Uma hora a Bíblia é ruim e deve ser tirada dos tribunais e dos locais públicos... Outra hora, seria justificativa para uma luta armada.

Mais uma vez se vê que o que importa é permanecer no poder...

Se é para citar a Bíblia e lembrar de nossos políticos e juristas... Quem sabe o texto seria outro (Romanos 3.10-18):

“Não há uma só pessoa que faça
o que é certo;
11não há ninguém que tenha juízo;
não há ninguém que adore a Deus.
12Todos se desviaram do caminho certo,
todos se perderam.
Não há mais ninguém que faça o bem,
não há ninguém mesmo.
13Todos mentem e enganam sem parar.
Da língua deles
saem mentiras perversas,
e dos seus lábios
saem palavras de morte,
como se fossem veneno de cobra.
14A boca deles está cheia
de terríveis maldições.
15Eles se apressam para matar.
16Por onde passam, deixam a destruição
e a desgraça.
17Não conhecem o caminho da paz
18e não aprenderam a temer a Deus.”

sexta-feira, 26 de maio de 2017

terça-feira, 11 de abril de 2017

Superstições

Rev. Cláudio Ramir Schreiber
Em Revista Teologia, A1#4 (link)

INTRODUÇÃO

Um grande problema que toda humanidade sofre, e que possivelmente vem de longa data, é a questão da superstição. Este certamente é um sério problema que os cristãos, de maneira geral, enfrentam. Por isso neste trabalho queremos abordar este tema, olhando para as consequências que as superstições trazem para o mundo em geral. E sabendo que o pastor é o seelsorger (cura d’almas), e por isso tem por obrigação combater estas coisas. Queremos aqui, de maneira breve, mostrar como o pastor guia o povo de Deus para longe destas coisas, que na verdade levam para a condenação. O pastor precisa saber lidar com as superstições que o povo tem, pois estas podem estar incutidas na cultura, e muitas vezes, sem perceber, as pessoas já estão sendo supersticiosas, de uma ou de outra forma.
Em primeiro lugar queremos falar sobre o que realmente vem a ser esta tal de superstição, depois vamos ver porque nós cristãos somos contra e abominamos esta prática, a partir daí, podemos perceber como o pastor pode lidar com situações deste tipo, ensinando o que a Palavra de Deus diz, aplicando lei e evangelho.

A SUPERSTIÇÃO

Definição


Nós podemos encontrar várias definições para superstição: o dicionário Aurélio nos traz assim: “superstição: 1- Sentimento religioso baseado no temor ou na ignorância, e que induz ao conhecimento de falsos deveres, ao receio das coisas fantásticas, e à confiança em coisas ineficazes; crendice; 2- Crenças em presságio tirados de fatos puramente fortuitos; 3- Apego exagerado e/ou infundado a qualquer coisa.”[1]
           

O que é superstição


            É engraçado como este problema da superstição não tem fim, já estamos no ano 2001 e ele persiste, as pessoas não abandonam isso em hipótese alguma.
            Podemos dizer que superstição não é apenas brincadeira ou passatempo, eu diria até que podemos chamar de religião, por causa da fé que as pessoas dirigem a coisas, objetos, a pessoas, e porque não dizer ao demônio, também chamamos de idolatria. Certa vez escutei um pastor em um sermão dizendo o seguinte: “Quem liga o rádio pela manhã, e escuta o horóscopo, está deixando que o Diabo entre dentro de sua casa...”, por isso digo que superstição é idolatria, “coisa que o Diabo gosta”.
            Enquanto a verdadeira fé em Deus consiste em confiança em Deus, conhecimento de Deus, obediência a Deus, amor, dedicação, esperança, adoração a Deus; a superstição coloca o homem diante do poder das trevas, do Diabo, e quem se entrega a este tipo de coisa, certamente está caminhando para a perdição eterna.
            Podemos tirar a seguinte conclusão disso tudo: superstição é pecado, e tira a salvação do cristão, se ele não reconhece e se arrepende.
            A superstição está se tornando uma nova ciência, uma nova crença com os seus muitos adeptos. O significado original da palavra superstição é “ pôr cima ”, que vem da palavra latina “supertitio”, representa aquilo que está acima da possibilidade humana, o reconhecimento de uma força superior[2]. Muitos tem esta crença acima de fé em Deus. Uma “crença” que quer saber mais do que as verdades que Deus revelou na Bíblia.
Superstição, podemos afirmar que é uma repetição contínua do pecado, ou seja, a vontade de ser como Deus para manejar as forças encobertas e misteriosas. Ou também, uma nova “ciência” para aqueles que não aceitam Deus como o Senhor da sua vida, daqueles que querem ser o próprio senhor da sua vida, que querem ser como Deus (Gn 3.4,5).
Vemos o surto da superstição no cumprimento das palavras do apóstolo Paulo em 2 Timóteo 4.3,4. Onde Paulo exorta para que a pregação da Palavra seja mantida sempre, com perseverança, pois os homens, por causa da cobiça e ignorância, deixarão surgir novas doutrinas, e  “deixarão de dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas.[3]

            E não é isso que acontece hoje, as pessoas estão se deixando levar por estas “fábulas”, que apenas fazem mal para a alma do ser humano, pois leva certamente a condenação, e o que o ser humano, convertido pelo Espírito Santo, quer, é a salvação mediante Cristo, e não a condenação e sofrimento. Por isso a pregação da Palavra de Deus nunca deve deixar de ser pregada, pois Deus nos dá assistência para isso, e os que estão fora da Igreja cristã, precisam ser trazidos para dentro dela, para que sejam salvas também.

 EXEMPLOS DE SUPERSTIÇÃO


            Quanto mais o homem avança em descobertas e técnicas, mais se mete em feitiçarias e superstições. Assim sendo, cada jornal que se abre traz um horóscopo e, muitas vezes, as mais variadas receitas e simpatias para os mais variados problemas. Muitos se apegam a objetos, amuletos, como: figas, trevo de quatro folhas, meias luas, pata de coelho, cavalos marinhos, ferraduras e tantas outras coisas.
            Existem também os serviços de baralho e leituras das mãos, para prever o futuro e o despacho, o passe e a reza para resolver qualquer problema da vida.
            Na verdade, hoje vemos que pode-se ganhar muito dinheiro com a superstição dos outros, é um negócio muito lucrativo, pois os supersticiosos não tem medo de gastar com as coisas que “dão sorte”.
            Assim como para os supersticiosos existem as coisas que dão sorte, tem também as coisas que “dão azar” e que, ao ver deles, devem ser evitadas. É o caso de:

è passar por baixo de uma escada;
è sair da cama com o pé esquerdo;
è o número 13;
è entrar por uma porta e sair por outra;
è gato preto;
è varrer o lixo para fora de casa, e tantas outras coisas que a “sabedoria” popular tão bem conhece.

            É incrível como muitas pessoas não fazem certas coisas por medo do azar. Temos um exemplo disso dado pelo pastor Herberto Hoerlle, quando ia realizar o seu ano de prática no norte do Paraná, teve que pernoitar em Curitiba, e chegando a um hotel, só tinha o quarto treze disponível, o hoteleiro disse com todas as palavras que era um quarto que dava azar pelo número.[4]

 CAUSAS DA SUPERSTIÇÃO


A ação do diabo é a primeira e a mais forte. O homem é essencialmente religioso, ele precisa crer em alguma coisa. Daí as diversas crenças. Todos crêem. O diabo, aproveitando essa necessidade do homem de crer em alguma coisa,  apresenta-lhe uma vasta gama de recursos para todos os fins.[5] As várias causas vemos a seguir:

è A insatisfação do sentimento religioso. Pessoas que estão insatisfeitas com a sua religião, buscam outros meios para os seus problemas.[6]

è A doença. A doença é o mal que mais aflige o homem: por isso, no combate à doença, a superstição encontra o terreno mais propício e fértil, todos querem Ter esperança de cura..

è O fantástico. A inclinação do homem para o fantástico, para o maravilhoso, para o inesperado, para as intervenções do além são um grande apoio na difusão da superstição.

è A curiosidade. O grande desejo de tudo saber, tudo experimentar, é outra fonte que apóia o crescimento da superstição. No caso da curiosidade, desempenha papel importante a cartomancia (leitura do futuro pelas cartas), a quiromancia (leitura do futuro pelas mãos), o horóscopo...

è A literatura supersticiosa, que invadiu o mercado livreiro. Livros como: O Manual das Cartomantes, O Livro dos Sonhos, Guia Astrológico, Planeta, etc. isso faz aguçar a curiosidade do povo.
Estas são algumas causas da superstições, é por tudo isso, e certamente por muito mais, que a superstição existe.

 CONSEQUÊNCIAS DA SUPERSTIÇÃO

             A primeira conseqüência da superstição é o castigo de Deus. Dt 18.9 nos diz: “... não aprenderás a fazer conforme as abominações (os costumes nojentos) daqueles povos.” E ainda o versículo 12, diz: “... todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor”, e o versículo 14 encerra dizendo: “... a ti o Senhor teu Deus não permitiu tal coisa. A Palavra de Deus é clara, é pecado, Deus não aprova, e quem não abandona a superstição vai para o inferno.
            Outra conseqüência é a perda da fé cristã. O supersticioso deixou a fé baseada na Bíblia, porque a superstição é a fé que anda no caminho proibido, é a fé desviada de Deus (Sl 73.27), tudo que contradiz a Cristo, é superstição.[7]
O pecado está em colocar a fé em coisas e práticas supersticiosas e delas esperar proteção, pois, ao agir assim, está se aceitando essas coisas como salvador e Deus e, é adorar a criatura em lugar do Criador. Na superstição, já não se espera de Jesus Cristo a paz de espírito e toda a proteção, mas, sim, destas determinadas coisas e práticas, isso porque o supersticioso está vivendo sob o dominio de Satanás, e como diz Leopoldo Heimann, “os supersticiosos estão com as suas almas envenenadas pelo cheiro do fogo do Inferno”.[8]
 Desta forma, o supersticioso peca contra o 1º Mandamento, que diz: “Eu sou o Senhor, teu Deus. Não terás outros deuses diante de mim.” (Êx 20.2,3). O supersticioso não quer saber da Palavra de Deus, não quer saber da Igreja, pode ser que até vá, mas na verdade, a fé verdadeira está na superstição.
Estas são as consequências para quem é supersticioso, consequências graves que ninguém quer para si, por isso, a seguir veremos o que o pastor, como o conselheiro, o que guia o povo de Deus pela Palavra e sacramentos, deve fazer para que a superstição seja esquecida, e os membros tenham nova vida.

A SUPERSTIÇÃO SOB O PONTO DE VISTA CRISTÃO

           O pastor deve Ter em mente justamente o que já foi dito antes, o que é, quais as causas, as consequências que a superstição traz para quem acredita nela. A partir daí ele pode trabalhar melhor esta questão. Ao meu modo de ver o pastor não deve tentar pegar casos separados dentro de uma paróquia, a não ser que o caso seja muito grave, mas o pastor deve ser convincente a toda uma congregação, pela Palavra de Deus, pois assim o Espírito Santo pode agir.
Talvez alguns passos deveriam ser seguidos ao “ensinar” a respeito da superstição:
O primeiro deles seria mostrar ao povo o que a Palavra de Deus diz sobre isso, textos não faltam para mostrar o que Deus pensa disso, e o que acontece com quem confia em superstição. A partir daí vem os outros passos, que são simples, e mostram como o cristão deve reagir com respeito a este e algum outro pecado.
A partir daí, o que o cristão deve  fazer é o seguinte:
1° Reconhecer o pecado da superstição, assim como reconhece qualquer outro pecado
2º Confessar este pecado, dizer a Deus que cometeu pecado contra Ele, que esteve longe da fé, e pedir o perdão, que certamente Deus dá.
3° Abandonar o pecado da superstição, não mais procurar nada que tem a ver com superstição.
4º Odiar o pecado da superstição, destruir tudo o que tem a ver com a superstição, e abominar isso, a fim de mostrar aos outros qual é o caminho certo.
5°  Crer em Cristo, este é o passo mais decisivo que precisa ser dado. Isso porque nós somos propriedades de Deus, e nem o Diabo pode vir nos tocar e nos levar para o lado dele, para isso Deus nos dá oportunidades para que possamos segui-lo de todo o coração. A Palavra de Deus deve ser o alicerce de nossa vida em tempo integral, e principalmente confiar nas promessas que a Palavra de Deus nos dá.
Deus nos protege e nos guarda, e se estamos firmados nele, resistimos qualquer tentação, qualquer dificuldade, qualquer provação, pois ele estará conosco dando-nos força e capacidade para isso.
6º Resistir ao pecado, assim como diz em Efésios 6.10-18. Assim podemos ver que a armadura de Deus é a seguinte:
A verdade – Jesus é a verdade
A justiça – A justiça de Cristo (Rm 8.33)
O Evangelho – é o poder de Deus para salvar a humanidade (Rm 1.16)
A salvação – a esperança da salvação nos anima a lutar contra estas coisas que não pertencem a Deus.
A Palavra de Deus – É a arma ofensiva do Cristão para se defender, bem como atacar ao diabo, e os seus seguidores.

O pastor precisa estar consciente que o problema da  superstição existe, principalmente no Brasil, e que isto tem que ser abolido, pois o cristão de verdade não suporta isso. Por isso, se o pastor usar a Palavra de Deus, certamente as pessoas se convencem, e se arrependem, pois o Espírito Santo vai agir, mostrando que quer a salvação de todas as pessoas que crêem.

Conclusão

Este trabalho foi apenas para mostrar com este problema é complicado, pois envolve religiosidade. Muitos acreditam que isso tenha força mesmo, e isso precisa ser trabalhado pelo pastor. Nós vimos que o pastor tem que saber lidar com esta situação, pois a superstição pode até estar incutida na cultura de determinado lugar, por isso complica.
O que o pastor deve fazer, é justamente aplicar a Palavra de Deus, usar lei e evangelho, o resto Deus faz com seu Espírito Santo, como pastores, nós não somos deuses, mas instrumentos do Deus verdadeiro para que as pessoas cheguem a verdade, e possam ser salvas pela verdadeira fé em Cristo, dada pelo Espírito Santo, e fazer também com que as pessoas se neguem a praticar a superstição, pois ela não salva, mas condena eternamente.

BIBLIOGRAFIA

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Aurélio – Mini Dicionário da Língua Portuguesa. 3ª ed.
     Nova Fronteira. Rio de Janeiro, 1993.

JUCKSCH, Alcides. O pecado da superstição. 3ª ed. Sinodal. São Leopoldo, 1969. (Evangelizando
     o Brasil – Caderno 01)

Mensageiro Luterano – Editora Concórdia

HATTEN, Willem C. Van. Superstição é abominação ao Senhor. In Mensageiro Luterano, março de
      1980

HEIMANN, L. Superstição – obra de Satanás. In  Mensageiro Luterano. Fevereiro de 1967.

HOERLLE, Herberto. Superstição na forma em que mais se manifesta. In Mensageiro Luterano,
     Agosto de 1963.

Horsch, Hans. Superstição – poucos falam, muitos praticam. In Mensageiro Luterano. Agosto de
     1985.

KOCH, Kurt E. Fé e superstição. In Mensageiro Luterano. Junho de 1968.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Saudades eternas

Saudades Eternas
Certamente, o título te levou a pensar que se trata da despedida de um ente querido… Não é.
Mas é sobre esta situação que quero tecer alguns comentários.
Muitas vezes, as pessoas, ao perderem alguém querido, fazem camisetas e outros materiais para homenagear o falecido. E, normalmente, uma frase que acompanha é “Saudades Eternas”...
Entendo o que a pessoa está querendo dizer. Sentirá muita falta, o baque foi grande, a dor é muito forte, etc…
Mas será que um cristão terá “saudades eternas” de outro cristão? E aqui começo a questionar a frase. Porque se cremos na ressurreição (e isso é ser cristão… Se você não crê na ressurreição dos mortos, no último dia deste mundo, então, sinto em dizer, mas se você pensa que é cristão, não é). Então: cremos na ressurreição. Como pode a “saudade ser eterna”? Não pode.
Todos os que partirem, crendo em Cristo, temos a convicção de que partirão para a vida eterna. Os que aqui ficam, terão uma vida de saudades. Um período que poderá durar alguns anos ou muitos anos, mas terminará. Aliás, o próprio conceito de “eterno” nesta frase, está equivocado. Eterno não é algo que dura de agora pra sempre. Eterno é algo que sempre existiu e sempre existirá. E eterno, segundo a fé cristã, é só Deus Pai, Filho e Espírito Santo. O resto foi criado.
Assim sendo, os cristãos que morrem em fé, estão com Deus na glória eterna. Os que aqui ficam, se permanecerem na fé, também pra lá irão, quando chegar a sua vez de deixar este mundo. Assim, de fato, não é possível existir “Saudade Eterna”. E isso é maravilhoso. É muito reconfortante saber que ao deixar este mundo, a presença de Deus por todo o resto da “Eternidade” me espera. Uma fé diferente desta pode até responder muitas perguntas racionalmente, mas não trará o mesmo conforto. O conforto de saber que, em Cristo, caminhamos neste mundo, rumo ao lar eterno.
Enquanto aqui estamos, Deus espera que sejamos bons cidadãos, bom marido/esposa, bom pai, filho, etc… Que respeitemos e honremos as autoridades e os mais velhos e por aí vai. Este é um bom exemplo cristão para o mundo e também um serviço para o próprio Deus que nos mandou amar a Deus acima de todas as coisas e o próximo assim como nós nos amamos.
Você está com saudades de alguém que partiu em Cristo? Permaneça na fé em Jesus. Essa saudade vai passar no dia em que você, no céu, se encontrar com Cristo e com todos os santos que nos precederam. Lembre-se, porém, da parábola do Rico e do Lázaro (tem até uma novela agora com este nome)... O Rico (que foi pro inferno por ter se afastado de Deus… Deus não tem nada contra gente rica)... Bem, o Rico, do inferno, pede pelos seus irmãos e quer evitar o sofrimento deles… Mas de lá, nada mais pode fazer, senão sofrer… Isso é terrível. E este sim vai ter saudades eternas… Dali ele não sairá.
Mas saber que a saudade vai terminar e que nos reencontraremos um dia, isso é reconfortante. Saber que Jesus Cristo nos dá esta oportunidade do reencontro.
Mas, mais do que isso… Não espere a pessoa morrer pra sentir saudades. Viva com ela hoje. Ame hoje, abrace hoje. Fale de amor hoje. Brinque com seus filhos hoje. Hoje é o dia e você “é o cara” pra isso.
Jarbas Hoffimann é formado em Teologia e pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil, em Nova Venécia. (pastorjarbas@gmail.com; facebook.com/pastorjarbas)

Estes e outros artigos são publicados no Jornal Correio 9, de Nova Venécia (curta para ser avisado das edições diárias, leitura completa online): https://www.facebook.com/correio9

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Para onde estamos indo?

Sabe quando você ouve uma conversa sem querer, mas não tem como sair do lugar?... Pois bem, outro dia isso me aconteceu. Estava esperando por um serviço e, do meu lado, um rapaz começou a contar de sua noite (acredito que tenha sido a noite imediatamente anterior)... A conversa foi mais ou menos assim (vou omitir detalhes, nomes, etc… Não entenda como indireta, sou sempre direto):
— Cara ontem deu até tiro. Tiveram que parar de cantar várias vezes, por causa das brigas. Tinha briga no salão e na área vip. O “artista” apelava para pararem as brigas, mas não adiantou nada. Ele (o tal artista, que era um dos da noite), só tocou 4 músicas e parou, por causa das brigas. E o “artista 2” foi o melhor… Entrou só na nóia (drogado) e com um copo de uísque na mão… Esse show foi “loco”... Tinha um monte de “nóia” brigando com os seguranças… Eles chamavam os seguranças pra porrada. Só começaram a respeitar quando a polícia entrou, mas nem assim.
Esse “show” não foi em um dos “morros cariocas”. Foi aqui, ou em Nova Venécia ou arredores. Realmente não sei onde foi.
E era de ficar admirado como o rapaz que contava a história, parecia extasiado com tudo que tinha acontecido. Falava: “morreu um cara de tiro e uma menina de garrafa quebrada” (talvez seja exagero, mas vai saber…). O fato é que ele estava visivelmente extasiado pelo que presenciou. Não sei se o rapaz mesmo usou qualquer droga, mas parecia gostar do que viu. Talvez pra contar vantagem pessoal de ter estado em uma “zona de guerra” e ter saído sem arranhões. Talvez tudo isso que ele contou seja apenas “conversa”...
Mas muitas dessas festas acontecem mesmo por aí. Onde há drogas, sexo fácil, e a maior das drogas: álcool generalizado. Será que seus filhos não estão nessas festas também? Você sabe por onde eles andam?
Não adianta confiar no rastreador de GPS do seu celular… Há aplicativos que simulam a localização. Ou seja, seus filhos (ou quem quer que seja) podem usar o app e mandar a localização de qualquer lugar do mundo, mesmo estando em outro.
Não existe receita fácil quando se trata de criar os filhos.
Para ensiná-los a dormir sozinhos, muitas vezes você terá que ficar ali, do lado da cama, até que durmam. Para ensiná-los a comer com qualidade, você deverá mudar a sua dieta. Para ensiná-los a estudar, você tem que estudar com eles. Para que escovem os dentes, eles precisam ver você escovando os seus. E a lista é quase infinita. Depende de você, se eles vão aprender ou não.
É exatamente por isso que tem tanta criança mal educada… Porque os pais não as educam com a dedicação necessária. Acham que simplesmente dando uma ordem, magicamente, uma criança se tornará exemplo. Não rola. Não adianta dizer para não falarem palavrões, se os pais falam… Para não desrespeitarem o próximo, se os pais falam mal dos vizinhos.
Claro que há casos raros de crianças mal educadas, mesmo com pais dedicados à sua educação… Mas são raros. Diz o ditado que “a fruta não cai muito longe do pé”.
Respondendo à pergunta título: não sei para onde iremos. Eu só posso responder por aquilo que eu mesmo tento fazer com minhas filhas. É todo meu alcance. Mas quando vemos gente “normal” saqueando lojas só porque não tem Polícia, é porque alguma coisa está muito errada. E precisa ser corrigida com urgência. Eu faço a minha parte, na minha casa… Você precisará fazer a sua.
Eu levo minhas filhas à igreja. Igreja de verdade, não esse mercados de milagres e profecias fajutas… Levo para aprendam de Deus a respeitar aos pais, às autoridades, ao próximo. Leve os seus também. Mas os ensine também em casa.
Dá trabalho.
Mas não há recompensa maior do que ver os filhos seguindo bons passos.
Jarbas Hoffimann é formado em Teologia e pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil, em Nova Venécia. (pastorjarbas@gmail.com; facebook.com/pastorjarbas)

Estes e outros artigos são publicados no Jornal Correio 9, de Nova Venécia (curta para ser avisado das edições diárias, leitura completa online): https://www.facebook.com/correio9

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Contra ou a favor?

Parece que hoje todos precisam ter uma opinião sobre tudo…
E isso não seria problema. O problema é emitir opinião sem conhecer o assunto. E hoje parece que não se pode dizer que ainda não pensou sobre o assunto… Precisa posicionar-se. Contradizendo a célebre frase de um dos sujeitos mais sábios que já habitou o planeta: “Só sei que nada sei” (Sócrates, filósofo).
Tem alguém que parece concordar com Sócrates: Salomão (aliás, como Salomão viveu 500 anos antes de Sócrates, acho que era o filósofo quem concordaria).
Mas Salomão foi recebeu sabedoria, de presente, do próprio Deus (1º Reis 3.5-9), Foi o ser humano mais sábio (e lembre-se sempre que há diferença entre sabedoria e inteligência) que habitou o planeta. Embora Salomão também tenha sido inteligente, por óbvio. Então, Salomão, tendo recebido sabedoria, disse: “Até um tolo pode passar por sábio e inteligente se ficar calado.” (Provérbios 17.28) Mas tem muita gente perdendo a oportunidade de ficar calada. Talvez eu seja um (desculpem se for o caso).
Não faz muito tempo, escrevi outro artigo (https://pastorjarbas.blogspot.com.br/2016/06/vai-um-cafezinho-ai-bom-de-verdade.html), no qual citava a angústia de Umberto Eco ao reconhecer que as redes sociais deram voz a uma “legião de imbecis” e, disse ele: “Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel”.
No meio desse monte de gente que hoje parece ter a necessidade de se pronunciar sobre tudo e todos, todos se pronunciam sobre todos. Mas quem prefere esperar um pouco mais, conhecer um pouco mais, para assim, refletidamente, dar opiniões… Estes são chamados de “isentões” e são achincalhados, porque hoje você é “obrigado” a ter uma opinião contra ou a favor de tudo. Se não é contra, já é colocado no lado dos “a favor” e vice-versa…
Qual sua opinião sobre o aborto? Sobre o “casamento” de pessoas do mesmo sexo? Sobre a corrupção? Sobre a educação de filhos? Sobre a Bíblia ser usada em escolas? Sobre machismo ou feminismo (e as “feminaze”)? Sobre… Sobre… Sobre…
Pois é… Lembre-se: Você não é obrigado a ter opinião… E mesmo que a tenha, não é obrigado a externá-la.
Disse Benedito Valadares: “Não sou contra, nem a favor, muito pelo contrário.” Conhecendo o autor desta frase, até a compreendo melhor. Ele foi uma liderança política, mas também era jornalista. Acho que precisamos de gente que não seja nem contra, nem a favor, sem conhecimento adequado das coisas. Que espere para emitir opiniões, pelo menos, ouvindo mais que um lado da história. Que não pegue uma foto ou uma informação descontextualizada e crie uma tese sobre isso. Que fique “em cima do muro” até o momento adequado para posicionar-se refletidamente.
Muitos anos atrás, no extinto Casseta e Planeta, havia uma reportagem sobre a questão da soja transgênica e saíram pesquisando a opinião das pessoas nas ruas. Quando então, o repórter-casseta, vira-se para a câmera e diz: “O brasileiro é um povo fantástico… Ninguém sabe nada sobre o assunto, mas metade já é contra e a outra metade à favor.”. Ótima descrição da situação presente. Quando parece que só existe direita/esquerda, coxinha/mortadela, machista/feminista…
Eu já tenho opiniões formadas sobre muitas coisas. Mesmo assim, elas também podem mudar, se eu perceber que estava enganado. O que não vai mudar é a Palavra de Deus. Esta está correta (sempre). As interpretações mirabolantes que alguns dão pra ela é que costumam ser o problema. Mas a Bíblia não muda. O que pode acontecer é eu, estudando honestamente, aprender algo que entendia errado. Lutero, quando confrontado com seus escritos, disse diante da “Dieda de Worms” (reunião que durou de 28 de janeiro a 25 de maio de 1521), que até mudaria de opinião e abandonaria seus escritos, se fosse provado “Pela Escritura” que estava errado.
Literalmente:
Johann: Lutero, repeles teus livros e os erros que eles contêm?
Lutero: Que se me convençam mediante testemunho das Escrituras e claros argumentos da razão, porque não acredito nem no Papa nem nos concílios já que está provado amiúde que estão errados, contradizendo-se a si mesmos. Pelos textos da Sagrada Escritura que citei, estou submetido a minha consciência e unido à palavra de Deus. Por isto não posso nem quero retratar-me de nada, porque fazer algo contra a consciência não é seguro nem saudável.
Este foi o diálogo central da reunião. Mas é preciso lembrar que Lutero pediu 24 horas para pensar antes de dar sua resposta. Depois de responder assim, foi condenado e perseguido. E se não tivesse sido protegido por seus amigos (contra sua vontade) teria sido morto.
Você tem opiniões. Todos temos. Enquanto elas são suas (ou seja, enquanto você não as expressa), você pode mais facilmente mudar de ideia sem criar crises. Mas se você expressar suas convicções (com coerência e tranquilidade), se souber ouvir o outro e suas opiniões também, certamente vai crescer e faremos do mundo um local melhor para viver.
Então, como diz a placa de cruzamento de trem: “pare, olhe, escute”... Daí, caso necessário, cruze a pista.
Você certamente pode expressar sua opinião e pode ser contrária à tudo que eu escrevi, mas façamos com respeito. Com educação e, acima de tudo, discutindo idéias e não denegrindo pessoas.
Jarbas Hoffimann é formado em Teologia e pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil, em Nova Venécia. (pastorjarbas@gmail.com; facebook.com/pastorjarbas)