domingo, 27 de fevereiro de 2011

Que pés bonitos!!!

DSC01374

Que formosos são sobre os montes os pés do que anuncia as boas-novas, que faz ouvir a paz, que anuncia coisas boas, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina! (Isaías 52.7)

Hoje tive a oportunidade de participar de uma bonita cerimônia de desinstalação de pastor. Ele recebeu um novo chamado e entendeu que o Senhor o queria em um novo desafio.
Havia nove pastores participando da cerimônia, entre eles, o pastor Elmar, que estava sendo desinstalado depois de 9 anos e 5 meses de ministério na Paróquia Concórdia.
csiUm dos versículos (entre tantos) citados nesta cerimônia foi Isaías 52.7. Certamente um dos versículos mais belos sobre a missão e o mensageiro. E também sobre a notícia entregue, as “boas-novas” (que é a tradução de Evangelho, no Novo Testamento).
Analisando e contradizendo “que feio é o pé daqueles que trazem notícias ruins”. Não o pé em si. O texto fala poéticamente referindo-se às pegadas.
Imagine você chegando em casa e encontrar as pegadas daqueles que roubaram seus bens. Ou as pegadas que se investiga no CSI (“Crime Scene Investigation” – série muito premiada) para se descobrir assassinos, estupradores e outros marginais…
Se esses pés são feios… São horríveis. Nos trazem tristeza. E como pegadas, ficarão marcadas em nossa vida para sempre. Acredite! Senti na pele chegar em casa e ver pegadas de bandidos.
Com o tempo, qual pegadas na areia, as pegadas ficarão cada vez mais rasas, mas ao contrário da areia e como a “areia” lunar, as marcas ficarão como as pegadas de Neil Armstrong no solo Neil_Armstrong_Footprintdo nosso satélite natural. Elas estão lá até hoje, mesmo 41 anos depois.
Se a gente deixar, as boas pegadas também serão apagadas de nossa vida. Mas se continuamente os mensageiros continuarem a vir, sempre haverá pegadas novinhas. Pegadas que nos lembrão de coisas bonitas. Coisas como a notícia da Salvação. Aliás, as pegadas de Jesus estarão sempre novinhas em nossos corações. Elas são renovadas quando paramos para ler a Palavra, quando vamos ao culto e tudo mais.
O pastor Elmar e todos os pastores dedicados ao Senhor, continuarão deixando boas pegadas, não só sobre os belos montes do Espírito Santo, mas aonde o Senhor os levar.
Que cada um de nós também possa deixar boas pegadas pelos caminhos que compartilhamos com outros. Amém.

Rev. Jarbas Hoffimann
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
Nova Venécia-ES
20110226

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Nós todos somos construtores do Reino

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Sl 119.33-40 / Lv 19.1-2,9-18 / 1Co 3.10-23 / Mt 5.38-48

civil

A Paz do Senhor esteja com vocês. Amém.

Queridos irmãos no Salvador Jesus, no texto de 1Co o apóstolo Paulo quer resolver uma dificuldade que estava surgindo na igreja. Os cristãos estavam valorizando mais as pessoas do que a própria Palavra de Deus. Elas estavam escolhendo a quem seguir e estavam se esquecendo de Jesus. Então Paulo fala das obras das pessoas.

No início desta carta, o apóstolo lembra que ele mesmo foi unido a Cristo e que ISTO é importante. E que conjuntamente sempre estava trabalhando para construir o Reino de Deus e não para ser um pregador famoso.

O trabalho para o reino de Deus é feito em conjunto. Com dons diferentes, mas em conjunto. É isso que diz Paulo ao afirmar: “Usando o dom que Deus me deu, eu faço o trabalho de um construtor competente. Ponho o alicerce, e outro constrói em cima dele; porém cada um deve construir com cuidado.” (1Co 3.10).

Você conhece uma obra? Sabe como ela é feita?

Muitas pessoas sabem, mas a maioria desconhece.

Hoje, depois de acompanhar algumas construções, sei que primeiro você prepara o terreno, depois a fundação, vai subindo as paredes. Nestas entram os canais para passar os fios e os canos, depois vem o teto, reboco e o acabamento. Ninguém pode começar pelo teto, ou terminar uma casa, sem que alguém saiba colocar o telhado ou a laje. A gente pode até construir com materiais de segunda, mas se for construído sobre um bom alicerce, pode desmoronar tudo, porém o alicerce vai permanecer.

Em se tratando do Reino de Deus, o alicerce é Jesus: Porque Deus já pôs Jesus Cristo como o único alicerce, e nenhum outro alicerce pode ser colocado.” (1Co 3.11).

Não interessa se nós aprendemos a palavra de Pedro, de Paulo ou de Apolo. Não interessa quem foram os construtores. Interessa se é a Palavra de Cristo que eles pregaram.

Em minha vida, tive muitas pessoas que me ensinaram sobre Jesus. Entre elas, se fosse destacar, lembro rapidamente: meu avô Bertoldo, meus pais, os pastores nas igrejas por onde passei, entre eles, os que mais tempo convivi: Reinaldo e Roberto. Além das professoras de escola bíblica e professores do seminário. Todos e muito mais gente, construiu o Reino de Deus em minha vida.

Mas eu não sou discípulo de nenhum deles. Sigo a Jesus Cristo, meu Salvador e meu Senhor. Assim como não pretendo que nenhum de vocês seja meu discípulo. Ou como disse João Batista: “Ele (Jesus) tem de ficar cada vez mais importante, e eu, menos importante.” (Jo 3.30).

Quanto às pessoas que citei, talvez um tenha posto as paredes, outro as janelas, alguns o telhado e assim por diante, mas tudo foi construído sobre um único alicerce: Jesus Cristo. Talvez em alguns momentos, eles tenham construído com palha e capim, mas construíram sobre Jesus.

A partir do momento que temos o alicerce da fé, todos nós todos somos construtores do Reino.

E como é que estamos construindo?

O apóstolo diz: Alguns usam ouro ou prata ou pedras preciosas para construírem em cima do alicerce. E ainda outros usam madeira ou capim ou palha. (1Co 3.12)

construcaoO exemplo é muito claro. O alicerce é Jesus Cristo e nós construímos com essa base indestrutível. Jesus não pode e não será derrotado por nada, nem por ninguém.

Mas como é que estamos construindo? Como é a nossa vida? Nossas obras seriam pedras preciosas, ouro e prata ou seriam capim e palha? O apóstolo ainda fala que ele estava construindo com todo o cuidado. E não relaxadamente.

Todos estavam construindo sobre um mesmo alicerce a diferença é o modo como construíam. Alguns com coisas preciosas, outros com coisas sem valor.

As pedras preciosas, ouro e prata aparecem muitas vezes na escritura. O peitoral do sumo sacerdote era feito de ouro e trazia doses pedras preciosas, que representavam cada um dos filhos de Israel.

Além disso, o ouro também é usado como símbolo de coisa boa. O cristão é comparado ao ouro purificado. O melhor dos ouros.

Diz Pedro: “Essas provações são para mostrar que a fé que vocês têm é verdadeira. Pois até o ouro, que pode ser destruído, é provado pelo fogo. Da mesma maneira, a fé que vocês têm, que vale muito mais do que o ouro, precisa ser provada para que continue firme. E assim vocês receberão aprovação, glória e honra, no dia em que Jesus Cristo for revelado.” (1Pe 1.7).

E Jesus, na revelação do Apocalipse, diz: “aconselho que comprem de mim ouro puro para que sejam, de fato, ricos.” (Ap 3.18).

O ouro do qual Paulo fala não pode ser comprado com um prêmio da Megassena. É o ouro e as pedras preciosas que vêm da fé em Jesus Cristo. Que são adquiridos na Palavra e nos santos Sacramentos. Que nos levam a ser ricos em boas obras.

Como é que você está construindo? A resposta não é tão simples. Porque não depende apenas daquilo que a nossa boca fala. Essa resposta é dada por toda a nossa vida. É dada quando lidamos com o irmão pecador. É dada quando estamos no momento da tentação.

E assim, vamos construindo, com ouro e pedras preciosas, ou com capim e palha.

O capim e a palha também são usados na escritura, mas para mostrar o contrário das pedras preciosas. O capim é aquilo que é facilmente destruído. Assim como alguns se empolgam com a fé e pensam que são de Cristo, mas sua vida e suas obras apontam para o lugar contrário. Esquecem o que é principal na fé e se apegam a tradições e cerimônias, como faziam muitos judaizantes na época de Paulo.

No texto de Coríntios, o que precisa ser encarado com toda seriedade é: O Dia de Cristo vai mostrar claramente a qualidade do trabalho de cada um. Pois o fogo daquele dia mostrará o trabalho de cada pessoa: o fogo vai mostrar e provar a verdadeira qualidade do trabalho. Se aquilo que alguém construir em cima do alicerce resistir ao fogo, então o construtor receberá a recompensa. Mas, se o trabalho de alguém for destruído pelo fogo, então esse construtor perderá a recompensa. Porém ele mesmo será salvo, como se tivesse passado pelo fogo para se salvar.” (1Co 3.13-15)

Pode até parecer meio confuso. Porque as obras vão se perder, mas o construtor não.

Paulo está pensando em pessoas que são de Cristo, mas que por fraquejarem na fé, acabam não fazendo a obra como o Senhor espera. Constroem com palha e capim. Mesmo estes, se estiverem construindo sobre o alicerce verdadeiro, serão purificados pelo fogo e serão salvos. Mas o Senhor espera que construamos com ouro e prata...

Porque “Certamente vocês sabem que são o templo de Deus e que o Espírito de Deus vive em vocês.” (1Co 3.16).

As obras refletem a fé que temos. E serão recompensadas na vida eterna, como bem lembra o texto de Apocalipse 14.13: “felizes as pessoas que desde agora morrem no serviço do Senhor! — Sim, isso é verdade! — responde o Espírito de Deus. — Elas descansarão do seu duro trabalho porque levarão consigo o resultado dos seus serviços.”.

Mas as obras, sendo de prata ou de capim, não nos dão a segurança da salvação. Elas trarão a sua recompensa, mas não salvam ninguém. O que salva é construir sobre o alicerce que é Jesus Cristo. E é nele que confiamos, não em qualquer outro.

Esta construção o Espírito Santo faz em nós, por meio do estudo da Palavra e da participação da Santa Ceia. E assim, mesmo que muitas vezes acabemos construindo com capim, não é pelas obras que seremos salvos. E sim por viver na fé em Jesus Cristo.

E finalmente: “Ninguém deve se orgulhar daquilo que as pessoas podem fazer. Pois tudo é de vocês, isto é, Paulo, Apolo, Pedro, este mundo, a vida e a morte, o presente e o futuro. Tudo isso pertence a vocês, e vocês pertencem a Cristo, e Cristo pertence a Deus.” (1Co 3.21-23)

Se estamos em Cristo, estamos no caminho de salvação e esperamos a vida eterna. Que sejamos bons construtores e construamos para a glória de nosso Senhor. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
Nova Venécia-ES

Soli Deo Gloria

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Eu comeria um boi…

imagenes_de_bebes_Sq4I6

não se vinguem dos que fazem mal a vocês. Se alguém lhe der um tapa na cara, vire o outro lado para ele bater também. (Mateus 5.39)

Você já ouviu falar em hipérbole?

hipérbole
(latim hyperbole, -es, do grego huperbolé, -és, lançamento para baixo, excesso, proeminência, exagero)
s. f.
1. Ret. Exagero com efeitos enfáticos no sentido das palavras ou das frases (ex.: rebentar de tanto rir).
2. Geom. Curva na qual é constante a diferença das distâncias de todos os seus pontos a dois pontos fixos chamados focos. (http://www.priberam.pt)

Jesus muitas vezes usou este recurso linguístico para ensinar. Lutero também usava o recurso do exagero, porque pensava que era bastante educativo quando se quer dizer algo com toda a ênfase.

boi-no-rolete-1Você certamente já ouviu ou disse: “estou com tanta fome que comeria um boi…” Isso é hipérbole. E quem ouve a frase entende que a pessoa está com muita fome, embora não possa, de fato, comer um boi.

No versículo citado, de Mateus 5, Jesus está ensinando algo muito importante e que se encontra no meio do Sermão do Monte. Ele está ensinando a não revidar. Aliás Jesus não revidou quando o chingaram, maltrataram e cuspiram. E a uma palavra sua a terra teria se desfeito sob os pés de seus algozes. Vocês já imaginaram o que nós, pecadores vingativos, faríamos com tamanho poder nas mãos, no momento do sofrimento? Pois Jesus não revidou. E não revidando ele nos proveu a salvação por meio de sua morte e ressurreição.

Assim também ele ensinou com palavras e com ações que a vida do cristão é um dia-a-dia de amor, mesmo quando é maltratado. Buscando o perdão e a salvação do próximo.

É claro que Jesus não está ensinando a gente a ficar parado num lugar tomando tapas na cara. Ele está ensinando a não revidar e devolver o amor a quem nos deu ódio.

Que o bondoso Deus nos dê mais desse amor, pois com estes gestos, certamente muitos serão alcançados para Cristo e haverá cada vez mais gente disposta a dar a outra face e menos gente pra bater. Não seria um mundo incrível!?

Amém.

Rev. Jarbas Hoffimann
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
Nova Venécia-ES
20110217

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

inocente, mesmo que condenado pelo mundo

Articulo 050 - Silla electrica - Condenado en Sing sing

Felizes são os que não podem ser acusados de nada, que vivem de acordo com a lei de Deus, o Senhor! (Sl 119.1)

Existem muitas histórias de acusações falsas. O próprio Jesus foi condenado com o uso de testemunhas que deturparam o que ele disse sobre o templo. Mas no fim, depois de tudo, o Senhor Jesus, hoje é reconhecido como aquele que falou a verdade. Ele foi acusado injustamente, mas não poderia ser acusado de nada. Primeiro, porque era o próprio Deus Filho encarnado e não tinha pecado. Segundo, porque em toda sua vida, jamais se afastou da lei de Deus.

Aqueles que vivem na lei de Deus estão também sujeitos a pessoas falsas que os acusarão. Mas no tempo certo, toda verdade será revelada, porque os que vivem na lei não podem ser acusados de nada.

Um outro exemplo. Outro dia, ouvi uma reportagem que fala de pessoas condenadas que estavam sendo libertadas nos Estados Unidos. Estas pessoas tinham sido acusadas de crimes que não cometeram e foram presas, mesmo jurando inocência. Agora, como é possível investigar o DNA, muitos processos estão sendo revistos:

James Woodard, condenado à prisão perpétua, foi libertado por um teste de DNA que provou a sua inocência. O homem, hoje com 55 anos, foi condenado com base em dois testemunhos em julho de 1981, por alegadamente ter estuprado e estrangulado uma mulher de 21 anos, cujo corpo foi encontrado nas margens do Rio Trinity, no Texas. (link completo).

condenado216 pessoas já foram libertadas, entre elas, 16 estavam no corredor da morte. Muitas delas ficaram anos e anos à espera de que a verdade viesse à tona. Mas agora não podem ser acusadas de nada, pois não fizeram nada.

Muitas vezes, mesmo quando seguimos a Lei de Deus, as pessoas vão tentar nos acusar, mas diante do Senhor seremos sempre inocentes. Não simplesmente por cumprir a Lei de Deus, o que ninguém faz de forma perfeita, mas porque, mesmo sendo culpados, Jesus cumpriu a pena em nosso lugar e nos torna livres. Agora, pela fé no Senhor Jesus, temos salvação e vida eterna. Amém.

Rev. Jarbas Hoffimann
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
Nova Venécia-ES
20110208

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

lembrado para sempre

 

Quem é correto nunca fracassará e será lembrado para sempre.  Ele não tem medo de receber más notícias; a sua fé é forte, pois ele confia no Senhor.  (Salmo 112.6-7)

Lendo estes versículos procurei pensar em alguém que lembro pela correção. E não demorei mais que 3 segundos para me lembrar do ex-goverdador Paulista, já falecido, Mário Covas.

Nesse meio político, em que tanto se fala de malandragem, maracutaia, chantagem, superfaturameno, lembrei que nunca ouvi falar absolutamente nada sobre o comportamento do governador Mário Covas. Não acredito que ele fosse um “santo”, mas me lembro dele por sua postura correta em muitas circunstâncias. Postura que chegava a ser criticada como agressiva, pois parecia que “homem público” tinha que aceitar certas coisas.

mariocovasLembro bem de duas situações:

o governador, querendo chegar a determinado local, precisaria passar pelo meio de um protesto. Alertado por seus seguranças de que não deveria passar, ele teria respondido:

--Eu sou o governador deste Estado e, se o governador não pode passar nas ruas livremente, daqui a pouco vão começar a proibir o cidadão também. Eu vou passar pela rua que iria passar. O resultado disso foi uma pancada na cabeça com um pedaço de madeira e um agressor preso.

Em outra situação, já perto de morrer, ele dava uma entrevista, no hospital, falando de sua enfermidade. Algum repórter perguntou:
--O senhor fala tanto em Deus, mas não fica chateado que agora ele tenha lhe dado essa doença?

O que você responderia a esta pergunta? Eu não sei se responderia com a fé que Márico Covas demonstrou. Disse ele:
--Deus me deu a vida, não me cabe reclamar dos acessórios.

Lembraria de mais coisas, mas estes dois exemplos já são suficientes. O governador não teve medo de receber más notícias. E eu, do fundo do coração, espero que em seus momentos finais ele tenha tido o conforto de saber que, mesmo morrendo, Cristo salva àqueles que nele creem.

Foi bonito ver (se é que pode haver beleza em um sepultamento) algo raro em sepultamento de políticos. Praticamente todos os seus adversários políticos se fizeram presentes. E estavam lá prestando a homenagem a um homem que será lembrado para sempre. Não santificaram Mário Covas, mas ressaltavam sua honradez e firmeza. Porque o honesto será lembrado para sempre. Assim como serão lembrados todos aqueles que creem em Jesus e vivem uma vida correta. Amém.

Rev. Jarbas Hoffimann
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
Nova Venécia-ES
20110203

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

honestidade x felicidade

coração de nuvens

Feliz aquele que tem pena dos outros e empresta generosamente e que dirige os seus negócios com honestidade! (Salmo 112.5)

Emprestar generosamente não é empresatar muito.
Emprestar generosamente é emprestar com o coração aberto, pelo bem o outro, porque eu tenho aquilo que o outro precisa e o posso ajudar.
Isso faz par com o ser honesto, pois os desonestos é que cobram mais do que teriam direito. Aí entram os comerciantes que cobram exageradamente seus lucros (alguns ainda sonegam e ficam com o imposto que o cliente paga a eles), entram agiotas que enredam pessoas desesperadas e logo as deixam mais desesperadas ainda. Alguns ainda se justificam: “o dinheiro é meu e eu cobro o quanto eu quiser para vender.” Não. Ninguém tem este direito.

Feliz aquele que olha para os outros com amor (aqui traduzido por pena), que é generoso e que é honesto. Porque esta pessoa será feliz, mesmo que nunca seja rico. E se for assim, se o Senhor tiver reservado para você uma vida não abastada, mesmo assim, a promessa do Criador amoroso é de que estará com você todos os dias. Que andará ao seu lado e te dará tudo que você precisa para viver.

Por fim, ser honesto é sempre a melhor saída. Porque conseguimos dormir tranquilos neste mundo, sabendo que o Senhor nos espera, por causa do perdão que temos em Cristo, na vida eterna. Esta certeza transforma qualquer tristeza em felicidade. Amém.

Rev. Jarbas Hoffimann
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
Nova Venécia-ES
20110202

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

luz guia

farol

A luz brilha na escuridão para aqueles que são corretos, para aqueles que são bondosos, misericordiosos e honestos. (Salmo 12.4)

O versículo acima diz que no escuro haverá uma luz para aqueles que andam segundo a vontade de Deus. É mais que uma luz, literalmente falando. Mas é uma verdade.

Aquele que é guiado pela vontade de Deus não precisa ficar preocupaco com o que fazer nas situações de tentação, de provação e de pecado. A luz da orientação de Deus brilha forte e mostra o caminho certo a seguir.

Que na sua vida sempre possa existir a iluminação do Senhor, pois assim, na maior escuridão, sempre haverá luz. Amém.

Rev. Jarbas Hoffimann
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
20110201 – Nova Venécia-ES

Obedecer faz bem

acidente-estrada

Aleluia! Feliz aquele que teme a Deus, o Senhor,  que tem prazer em obedecer aos seus mandamentos! (Salmo 112.1)

Você só conseguirá sentir o prazer de “obedecer” ao perceber que esse obedecer é justamente para o seu bem.

Acabo de terminar uma viagem de 800 km e muitas barbaridades. Quanta ultrapassagem em lugar indevido! Quanta gente com um carro 1.0 pensando que dirige um avião…

Certamente você já viu esta cena:
Uma fila enorme de carros. De repente, uma reta (e por incrível que pareça, não vem carros na outra mão, o que é raro em lugares que se permite a ultrapassagem…)
Mas a reta e a área para ultrapassagem não era tão grande, mas alguns carros saem assim mesmo.
Vindo um caminhão na contra-mão, o “passante” insiste na acelerada e vai. Como não dá tempo, o carro da direita tem que jogar pro acostamento, assim como o caminhão na contra-mão. E por muito pouco não acontece um acidente.

Sempre que vejo essa fila acontece algo automático (ou que deveria ser automático para um pai de família), meu pé sai do acelerador e vai pro freio e mantenho a máxima distância possível, pois sempre me parece que o pior pode acontecer.

Não. Eu não sou um santo no trânsito e já fiz minhas barbeiragens também. Das quais, me arrependo de todas, inclusive daquelas que facilitaram minha chegada. E sempre me prometo que não farei novamente.

Voltando ao meu tema: o ter prazer em obedecer. Nestes 800km vi vários acidentes. Um caminhão com as rodas todas para cima. Ele ficou nivelado com o chão no nível da carroceria. Não pude ver se houve sobreviventes ou mortos.

Noutro acidente outro caminhão estava inclinado lateralmente a 45 graus com o chão. E não virou completamente porque encostou num barranco. Vi dois acidentes deste, mas no segundo, apenas a carga tinha se inclinado e ainda não tinha conseguido puxar o caminhão.

E o mais fantástico foi uma decolagem de uma pickup. Ela subui uma fiorino pela frente. Pegando apenas de lado, por cima do farol direito. Pelo que vi, deve ter levantado voo e capotado algumas vezes, até parar, de lado, quase fora da estrada.

Fora o primeiro acidente que, apesar de não ter visto, me parece que o motorista estava ali, debaixo de toneladas de tijolos e ferro, acredito que nos outros não houve vítimas fatais, graças a Deus. E é aí que quero comparar com o versículo blíbico. Pois todos os acidentes foram causados por desobediência. Alguns por excesso de carga ou de altura, ou de velocidade. Outro, certamente, por imprudência. Mas se tivessem obedecido às leis de trânsito, não teriam acontecido.

Algo parecido acontece na vida do cristão. Ele tem os mandamentos, mas às vezes acha que dá pra fazer uma ultrapassagem perigosa e se dar bem. Algumas vezes funciona. Algumas vezes é só o susto, sem o acidente. Mas pode acabar mal. E quando a gente vê está capotado esperando pelos socorristas (Jesus).

E quando algo ruim, quase aconteceu, porque a gente obedeceu aos mandamentos, a gente tem aquela sensação: que bom eu ter obedecido…

Desejo ser um motorista melhor para mim, para minha família e para o próximo que está atrás do outro volante. Mas acima de tudo, desejo mais e mais ter prazer nos mandamentos, pois sei que eles não salvam apenas a minha vida, mas ajudam a me proteger a vida espiritual.

Que o Senhor te abençoe. Amém.

20110201 – Rev. Jarbas Hoffimann
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
Nova Venécia-ES