domingo, 29 de março de 2009

a desunião destrói, o amor constrói

Quinto Domingo na Quaresma

Marcos 10.32-45

Jesus e os discípulos iam pela estrada, subindo para Jerusalém. Ele caminhava na frente, e os discípulos, espantados, iam atrás dele; as outras pessoas que iam com eles estavam com medo. Então Jesus chamou outra vez os discípulos para um lado e começou a falar sobre o que ia acontecer com ele. Jesus disse:
– Escutem! Nós estamos indo para Jerusalém, onde o Filho do Homem será entregue aos chefes dos sacerdotes e aos mestres da Lei. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos não-judeus. Estes vão zombar dele, cuspir nele, bater nele e matá-lo; mas três dias depois ele ressuscitará.
Depois Tiago e João, filhos de Zebedeu, chegaram perto de Jesus e disseram:
– Mestre, queremos lhe pedir um favor.
– O que vocês querem que eu faça para vocês? – perguntou Jesus.
Eles responderam:
– Quando o senhor sentar-se no trono do seu Reino glorioso, deixe que um de nós se sente à sua direita, e o outro, à sua esquerda.
Jesus respondeu:
– Vocês não sabem o que estão pedindo. Por acaso vocês podem beber o cálice que eu vou beber e podem ser batizados como eu vou ser batizado?
Eles disseram:
– Podemos.
Então Jesus disse:
– De fato, vocês beberão o cálice que eu vou beber e receberão o batismo com que vou ser batizado. Mas eu não tenho o direito de escolher quem vai sentar à minha direita e à minha esquerda. Pois foi Deus quem preparou esses lugares e ele os dará a quem quiser.
Quando os outros dez discípulos ouviram isso, começaram a ficar zangados com Tiago e João. Então Jesus chamou todos para perto de si e disse:
– Como vocês sabem, os governadores dos povos pagãos têm autoridade sobre eles e mandam neles. Mas entre vocês não pode ser assim. Pelo contrário, quem quiser ser importante, que sirva os outros, e quem quiser ser o primeiro, que seja o escravo de todos. Porque até o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para salvar muita gente.


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


A desunião destrói o amor constrói


Queridos irmãos em Jesus Cristo.

Imaginem a situação:

Vocês estão em casa, ainda crianças. É domingo e se aproxima a hora do almoço. Vocês têm vários irmãos e a mamãe tá preparando aquele frango que ela faz como ninguém.

Você e seus irmãos estão circulando pela cozinha o tempo todo, e pelo mesmo motivo. Mas ninguém diz nada sobre isso.

O que todos estão pensando é:

—Assim que a mamãe chamar pro almoço eu já sou o primeiro, assim posso escolher a parte que mais gosto.

De repente seu irmão diz:

—Mamãe a senhora pode me dar aquele pedaço?

Vocês já imaginam o que acontece entre as crianças neste momento. Todas querem o mesmo pedaço e todas começam a protestar. O que vai acontecer depois é que possivelmente ninguém vai ganhar ou o pedaço será dividido por todos. Deixando todo mundo aborrecido.

Esta atitude que acontece na casa de quase todo mundo, aconteceu, de certa forma entre os discípulos de Jesus. Aqueles doze apóstolos que o Senhor tinha escolhido.

O texto de Marcos nos descreve Jesus indo para Jerusalém.

Ele estava indo para enfrentar sua morte em favor de todos os seres humanos. Ele sabia o que o esperava. Então leva consigo seus apóstolos e vão também muitos outros discípulos. Alguns estavam espantados com tudo que estavam vendo e ouvindo. Outros chegaram a ficar com medo, como fala o Evangelho.

Jesus então chama os doze para um canto e fala em particular: "Escutem! Nós estamos indo para Jerusalém, onde o Filho do Homem será entregue aos chefes dos sacerdotes e aos mestres da Lei. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos não-judeus. Estes vão zombar dele, cuspir nele, bater nele e matá-lo; mas três dias depois ele ressuscitará." (Mc 10.33-34).

Mas os discípulos ainda não tinham compreendido a real gravidade da situação que se aproximava. Não tinham percebido o sofrimento de Jesus enquanto sua paixão e morte ficavam cada vez mais próximas.

Então Jesus vê a necessidade de avisar tudo antes, para que eles e nós saibamos que tudo já era conhecido e estava profetizado. E que a morte não era o fim, pois três dias depois Jesus ia ressuscitar. Certamente a notícia deixa os discípulos meio atordoados, mesmo que não compreendessem.

E lembrem que até então eles ainda não tinham compreendido corretamente a tarefa de Jesus. Muitos imaginavam que Jesus seria apenas um rei terreno...

Logo depois destas palavras, o evangelista Marcos registra que Tiago e João fazem um pedido a Jesus. Eles, vislumbrando o reino futuro terreno pedem: "Quando o senhor sentar-se no trono do seu Reino glorioso, deixe que um de nós se sente à sua direita, e o outro, à sua esquerda." (Mc 10.37)

Jesus logo contesta o pedido. Mas o pedido dos irmãos Tiago e João produz algo semelhante àquele almoço de domingo:

"Quando os outros dez discípulos ouviram isso, começaram a ficar zangados com Tiago e João." (Mc 10.41)

E quem não ficaria? Você vê outro querendo te puxar o tapete, a reação normal é protestar.

Vejam se não:

Você está numa fila há 2 horas, de repente, um conhecido do guarda entra e vai direto ser atendido. O que isso causa em você e nos outros da fila? Indignação. Revolta. Tristeza pelo jeito que o ser humano age...

Mas se fosse você o amigo do guarda? Não aproveitaria disso pra passar os outros pra traz? E aquela consulta que ninguém consegue marcar, mas você tem um amigo "lá dentro", é certo passar na frente dos outros? O jeitinho para conseguir favores e passar na frente dos outros? O que isso causa?

Tais atitudes produzem desunião.

Produzem rancor de todos os lados.

Sabendo disto Jesus não deixa a conversa ir adiante:

"Como vocês sabem, os governadores dos povos pagãos têm autoridade sobre eles e mandam neles. Mas entre vocês não pode ser assim. Pelo contrário, quem quiser ser importante, que sirva os outros, e quem quiser ser o primeiro, que seja o escravo de todos. Porque até o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida para salvar muita gente." (Mc 10.42-45).

Enquanto a atitude humana produz divisão, a atitude ensinada por Jesus produz a união.

Em uma família onde todos se dispõem a servir, as coisas irão bem. Mas onde alguém quer se servir dos outros a desunião aparece.

Numa comunidade com a nossa é preciso permanecer no amor de Jesus Cristo, que nos leva a servir uns aos outros. E isso é muito bonito. Pois um completa o trabalho do outro.

Se alguém sabe cantar, serve cantando.

Se alguém sabe falar, serve falando.

Se alguém sabe administrar, serve administrando.

Pois servimos a Jesus Cristo, nosso Senhor.

Ele nos serviu primeiro, morrendo em nosso lugar para nos dar a vida eterna. Ele continua nos servindo na Santa Ceia, perdoando nossos pecados e fortalecendo a fé. Ele continua nos servindo, guardando nossos passos até o último dia.

No mundo as pessoas querem passar por cima umas das outras. Umas querendo se servir das outras. E neste mundo competitivo, muitos acham que é até uma qualidade que todos deveriam ter, mas não é uma qualidade.

O cristão não pode ser assim.

Estamos aqui para servir ao Senhor e ao próximo de todas as formas possíveis. Em amor. Com misericórdia. Procurando o bem de todos, para que todos juntos, um dia alcancemos a vida eterna.

Afinal, Jesus Cristo morreu para pagar os nossos pecados. E ressuscitou para nos dar a vida eterna. Todos aqueles que creem em Jesus Cristo serão salvos.

O Senhor nos serviu e mostrou que a desunião destrói, mas a união constrói. A união firmada no amor de Deus por nós e na salvação que nos é dada pela fé em Jesus. Amém.


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Soli Deo Gloria

quarta-feira, 18 de março de 2009

a cobra salvadora

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

A Cobra salvadora.

Queridos irmãos em Jesus Cristo.

Pense numa cobra venenosa. Jararaca, Surucucu, Cascavel, Jiboia, Coral.

Vamos tentar imaginar a sensação dos Israelitas ao serem atacados por serpentes. Números 21.6: "Deus mandou cobras venenosas que se espalharam pelo meio do povo; e elas morderam e mataram muitos israelitas." No original hebraico, estas cobras são descritas como serpentes abrasadoras, ou serpentes de fogo. Alguns estudiosos dizem que elas eram chamadas assim por causa de sua cor brilhante e outros dizem que seria por causa de sua picada, que ardia como o fogo queimando a pele.

Estas cobras tinham entrado no meio do povo e estavam matando a todos. O povo tinha perdido sua paciência com Deus e começou a falar contra Deus. Pararam de confiar na presença e nas promessas de Deus. Foi naquele momento que Deus enviou cobras venenosas que se espalharam entre o povo.

Então, quando o povo se arrepende, Deus manda Moisés providenciar a solução: "Faça uma cobra de metal e pregue num poste. Quem for mordido deverá olhar para ela e assim ficará curado." (Números 21.8).

Para nós é complicado perceber que esta cobra no poste representa Jesus Cristo. Mas é isso mesmo. Vejam o que diz João 3.14-15: "Assim como Moisés, no deserto, levantou a cobra de bronze numa estaca, assim também o Filho do Homem tem de ser levantado para que todos os que crerem nele tenham a vida eterna.".

Para nós esta comparação é difícil porque sempre que pensamos em uma cobra a vemos como algo malévolo. Como uma criatura que representa perigo. Lembramos que uma cobra foi um dos personagens principais no primeiro pecado cometido pelo homem. Lembramos que aquela cobra era Satanás.

Então nos vem o texto bíblico do Evangelho de João, no qual o próprio Salvador Jesus refere-se a si mesmo como a Cobra levantada por Moisés no deserto.

Aquela cobra representava Jesus. E naquele dia, no deserto, a cobra foi a salvação. Mesmo no meio das serpentes venenosas, todos que olhassem pra aquela cobra de bronze, alçada em um poste, eram salvos da morte iminente.

As cobras não pararam de picar. As pessoas continuaram a ser atacadas, mas todos aqueles que olhavam para a cobra de bronze eram salvos. Vejam o versículo 9 de Números 21: "Quando alguém era mordido de uma cobra, olhava para a cobra de bronze e ficava curado."

Nós, neste mundo, sofremos aflições. Somos perseguidos por inimigos. Somos tentados a todo instante. Estamos cercados de pecado e maldade. Poderíamos dizer que continuamos a ser picados por cobras de fogo a cada momento. E quem quer se livrar sozinho, acabará morrendo com a picada dolorida. Mas quem olhar para a Cobra Salvadora, mesmo picado de morte, ainda recupera a vida. Esta cobra representava Jesus.

Jesus disse: "o Filho do Homem tem de ser levantado, para que todos os que crerem nele tenham a vida eterna."

E Jesus foi levantado. Primeiro, em sua humilhação, o levantaram ao topo da cruz de sofrimento. Onde ele morreu por todos os pecadores. Por mim e por você.

Depois Jesus foi levantado uma segunda vez, acima de tudo e de todos, ocupando seu lugar de honra junto ao Pai. De lá ele continua nos salvando hoje. E de onde voltará apenas no último dia, para julgar vivos e mortos.

Enquanto aquele dia não chega, em nossa vida continuaremos a ser atacados por serpentes venenosas. Que tentarão nos matar, levando para longe de Deus. Vão nos testar de todas as maneiras. Mostrando coisas espantosas e fascinantes. Alegres e desastrosas. Tudo para não nos deixar olhar para a Serpente salvadora.

Porém, permanecendo na fé em Jesus, permanecemos no caminho da Salvação e seguros neste caminho. "Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna." (João 3.16).

Deus amou e continua amando, pois ele vem a nós em sua Palavra, no Batismo e na Santa Ceia. Ele chama pra junto de si para nos fortalecer a fé, a comunhão e o amor mútuo.

Deus transforma símbolos de maldição em salvação.

Assim, ele transforma também a vida daqueles que andam em trevas em uma vida cheia de luz e alegria.

A Cobra malvada virou a cobra da Salvação. Por obra de Deus. A cruz da morte se tornou na cruz da misericórdia de Deus. Também por obra de Deus.

Nos momentos de aflição e angústia, olhe sempre para o Salvador Jesus. Ele tem uma solução definitiva. Ele tem uma solução de amor. E ele tem uma solução que vai levar você à vida eterna.

Lembre-se sempre daquele dia em que a Cobra foi símbolo de salvação e não de destruição. Pois Deus transforma tudo para o bem dos seus filhos. Daqueles que creem em Jesus Cristo. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Soli Deo Gloria

terça-feira, 17 de março de 2009

nem só, mas também...

NEM SÓ, MAS TAMBÉM...

"Que eles agradeçam ao Senhor o seu amor e as coisas maravilhosas que fez por eles! Pois ele dá água aos que têm sede e coisas boas aos que estão com fome." (Salmo 107.8-9)

Para ler todo o Salmo clique aqui.

Há um texto bíblico (Mateus 4.4) que diz que "O ser humano não vive só de pão, mas vive de tudo o que Deus diz." Alguns podem ter a idéia errada de que Deus não se importa com a vida material de seus filhos. Mas isso não poderia estar mais distante da realidade.

Deus se preocupa com seus filhos desde sempre. Quando criou o homem, o colocou no Jardim, onde ele tinha tudo que precisava para viver. Quando o homem caiu em pecado, ainda assim a terra continuou a produzir alimentos. É verdade que entre espinhos e com mais dificuldade, mas produziu e ainda hoje produz.

Jesus alimentou a muitos quando andou por esta terra. Temos duas multiplicações de pães e peixes na Bíblia (Mateus 14.13-21 e 15.32-39). Somando as duas dá nove mil homens, sem contar mulheres e crianças. Também é preciso lembrar que Jesus "espantou" aqueles que vinham apenas atrás da comida, mas não criam nas suas palavras.

É Deus quem dá cosias boas aos seus filhos. Ele faz a chuva cair sobre bons e maus. A diferença é que os bons (que creem em Jesus) recebem, agradecidos, as bênçãos. Os outros acham que é obra do acaso, ou da natureza. E é por causa dos seus filhos que Deus faz chover também sobre a horta dos infiéis. Pois até que este mundo termine, haverá sol e chuva, noite e dia, Inverno e Verão. Isto para Deus cumprir a promessa de estar com os seus até o fim dos tempos. Amém.

Pai de amor, obrigado pela misericórdia em cuidar da minha vida neste mundo. Que eu saiba sempre dar o devido valor a todas as bênçãos materiais que tu me dás, mas jamais me agarre a elas a ponto de esquecer que a bênção da fé em Jesus é o mais importante. Por Jesus. Amém.

Pjh (17/03/2009)

o quê jesus faria?

3º Domingo na Quaresma - Texto Bíblico: Evangelho de João 2.13-25


O Quê Jesus Faria?

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Queridos irmãos em Jesus Cristo.

Semana passada o texto do evangelho nos levou a perguntar: Quem é Jesus Cristo?

O texto desta semana, João 2.13-25, nos leva a fazer outra pergunta: O que Jesus faria?

Vejamos: o Evangelho registra uma visita de Jesus ao templo em Jerusalém. Segundo a maioria dos estudiosos, esta visita acontece na segunda-feira da Semana Santa. Um dia antes Jesus tinha entrado de forma triunfal em Jerusalém e no fim daquela semana Jesus estaria morto e sepultado.

O acontecimento no templo é tão importante, que os quatro evangelistas o registraram.

O Templo, naquela época, tinha se tornado um empreendimento muito lucrativo. Flávio Josefo, um historiador judeu, não cristão, nos diz que o Templo era o maior empreendimento de toda a palestina de então. E aquele negócio lucrativo estava nas mãos de uma família poderosa.

Segundo o livro: "Jesus, verdade ou mito?" – de Paul Maier, era mais ou menos assim:

"Anás, feito sumo-sacerdote, cinco de seus filhos feitos sumo-sacerdotes, e o titular no momento era José Caifás, seu genro. Ou seja, o homem casou-se com a filha do chefe. ... Assim, era um negócio de família. ... os peregrinos da Páscoa estavam cansados e doentes pela maneira com que eram explorados no templo. Josefo diz que aquela administração do templo era a principal indústria da Palestina, e toda ela controlada por Anás, Caifás e companhia. Se você trouxesse denários gregos ou estáteres romanos, estes precisavam ser trocados pelo sagrado shekel, exigido no templo, com um grande desconto para os banqueiros e uma boa comissão para Anás, Caifás e companhia. Trazia-se um cordeirinho da Galiléia para ser sacrificado, e os sacerdotes eram obrigados a encontra nele algum defeito para que a pessoa tivesse de comprar outro de Anás, Caifás e companhia, naturalmente por um preço inflacionado."

A história registra muito mais desmandos daquela gente que deveria ser fiel ao Deus Todo-Poderoso.

E Jesus, na Páscoa, vê o templo lotado de vendedores. Saqueando os pobres peregrinos que ali vinham para fazer suas ofertas.

Jesus então "fez um chicote de cordas e expulsou toda aquela gente dali e também as ovelhas e os bois. Virou as mesas dos que trocavam dinheiro, e as moedas se espalharam pelo chão. E disse aos que vendiam pombas: Tirem tudo isso daqui! Parem de fazer da casa do meu Pai um mercado!"
(2.15-16).

Notem que as pessoas pegaram aquilo que se fazia no templo, as ofertas de animais e outras espécies e transformaram tudo num comércio.

Se fosse hoje: O que Jesus faria?

Ah! Mas isso não acontece mais. Será que não?

Ainda no tempo da reforma, 500 anos atrás, se vendia o perdão dos pecados, porque as pessoas estavam interessadas em não queimar no inferno.

O grande negócio circulava de cidade em cidade e as pessoas compravam.

Na época antes da Páscoa, todos eram obrigados a ter dias de jejum, mas as pessoas que tinham dinheiro podiam comprar uma carta, chamada "breve de manteiga" que lhes dava direito a comer derivados de leite, mesmo em dias de jejum. Quer dizer, se você tinha dinheiro, não precisava fazer o jejuam que a Igreja obrigava.

O que Jesus faria naquela época?

E hoje, será que se vende a Palavra de Deus?

Na verdade o negócio mudou muito nestes últimos tempos. E ninguém mais lucra com a condenação ou salvação eterna. É um produto que não atrai a clientela.

Por outro lado, vida fácil atrai muita gente. E muitos têm ido a lugares que se dizem templos do Deus verdadeiro, do Deus maior, do Deus do impossível, para comprar felicidade imediata.

Na verdade não vão comprar, porque as pessoas ali pedem ofertas. E oferta você faz se quiser. Não é verdade?

É claro que não. O que se faz ali não é oferta. É coação. Você recebe um monte de promessas mentirosas e pressões do tipo:

A parte de Deus ele tira de qualquer jeito. Se você não ofertar, Deus vai fazer com que esse dinheiro você não tenha. Pode, por exemplo, seu filho ficar doente. O que você prefere, dar esse dinheiro pra Deus, ou ver seu filho doente?

Até eu daria tudo pra não ver minhas filhas doentes.

Felizmente Deus não é assim.

E o que Jesus faria hoje?

Vejam alguns exemplos de bugigangas vendidas:

• A cruz com água e terra do Jordão.

• A caneta pra você assinar contratos.

• Você vai e leva o celular que vai ser abençoado e naquele celular você vai receber boas notícias.

• Você vai receber a água consagrada no monte, no meio da madrugada.

• Naquele culto terá o túnel da bênção.

• Você receberá uma oração forte.

• Você receber a rosa que vai salvar seu casamento.

Tudo isso mediante uma oferta espontânea que chega a ser pedida 4 vezes num culto. Ou você se torna sócio, pagando mensalmente uma duplicata que pode ser retirada junto aos presbíteros e outros servos do ministérios.

O que Jesus faria?

Jesus viraria as mesas, quebraria as câmeras e expulsaria esses vendedores da sua palavra.

E nós também não podemos tolerar isso. Não digo para irem quebrar tudo. Vocês seriam presos. Mas não contribuam. Não concordem. Se virem alguém vendendo ou comprando algo assim, avisem que não é coisa de Deus, mas de Satanás.

Aquela vez Jesus limpou o templo. Assim ele mostra o respeito que se deve ter pela Casa de Deus. Esta nossa casa de Deus e tudo aquilo que pretenda ser Casa de Deus.

Aqui não se tolera vendedores, porque o amor de Deus não se vende. O amor de Deus é gratuito. E foi revelado em sua forma plena, com a presença de Jesus entre nós. Com sua morte e ressurreição.

Por causa de Jesus Cristo. Todos podem ter a vida eterna. Todos aqueles que crerem no Salvador Jesus, serão Salvos.

Que o Pai nos guie para permanecermos firmes e inabaláveis na fé verdadeira até o fim dos Tempos, quando, de Cristo, receberemos vida eterna. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

sábado, 7 de março de 2009

quem é Jesus?

Quem é Jesus?


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


Queridos irmãos em Jesus Cristo.

Quem é Jesus Cristo?

Em uma rápida pesquisa na internet podemos descobrir afirmações como estas:

O filho de Deus. O espírito mais evoluído que já veio à Terra. Um das reencarnações do Buda. Um profeta sábio, o mais sábio de todos. Um rebelde radical com fome de reformas sociais. Um estudioso de religiões antigas que assimilou influências da cabala. Um mestre com poderes místicos que tinha o poder de fazer a comunidade o ver com o rosto de outro homem. Seria a mesma pessoa?

Mas quem é Jesus Cristo?

Esta foi a pergunta que Pedro respondeu. Esta é a pergunta que todos tentam responder diariamente. E as respostas são as mais diversas. E a maioria das respostas não chega nem perto à resposta que procede da fé.

Esta pergunta é muito mais abrangente do que parece. Temos até aqueles que duvidam que Jesus de fato tenha existido. Sobre isso fala, por exemplo, o livro "Jesus – verdade ou mito?"

Quem é Jesus Cristo?

Encontramos muitas respostas:

• Jesus é o maior psicólogo de todos os tempos.

• Jesus foi um grande administrador.

• Jesus foi um homem muito especial.

• Jesus era um profeta, apenas um pouco inferior a Maomé.

• Jesus foi adotado por Deus no momento de seu batismo, mas nunca foi realmente Deus.

• Jesus era pobre e por isso só gostava dos pobres.

• Jesus nunca foi pobre, ele era muito rico. Prova disso são os presentes que recebeu dos magos.

• Jesus foi um baderneiro, que acabou morrendo.

• Jesus falhou em sua tarefa, porque não constituiu família.

E estas são apenas algumas, das milhares de coisas que dizem a respeito de Jesus.

Mas quem é Jesus? Pra você, quem é ele?

Alguém que te serve apenas nos momentos da necessidade? Alguém a quem recorrer para alcançar cura e sucesso nos projetos?...

Pedro teve que responder a esta pergunta:

"E vocês? Quem vocês dizem que eu sou?"

"O senhor é o Messias!"

É aquele que foi escolhido por Deus para o propósito de Salvar a humanidade. Assim como Deus prometeu, por todo o Antigo Testamento, em passagens como Is 7.14: "Pois o Senhor mesmo lhes dará um sinal: a jovem que está grávida dará à luz um filho e porá nele o nome de Emanuel."

Jesus é este que foi prometido. E que veio para ser o Salvador Ungido.

Hoje, muito se fala sobre Jesus.

Temos muito conhecimento sobre ele. Sabemos mais da vida de Jesus do que de qualquer outra pessoa no mundo. Mas quem é Jesus pra você?

Não tenha pressa em responder esta pergunta. Aliás, esta é uma daquelas perguntas que a gente precisa sempre de novo responder. Pra ver se continua crendo em Jesus ou se o mundo já nos mudou com tantas idéias a respeito de Jesus.

Vejam a resposta de Pedro:

"O senhor é o Messias!"

A mesma resposta também está registrada em Mateus 16.16: "O senhor é o Messias, o Filho do Deus vivo."

Então Jesus lembra algo que todos precisamos saber:

"Simão, filho de João, você é feliz porque esta verdade não foi revelada a você por nenhum ser humano, mas veio diretamente do meu Pai, que está no céu." (Mt 16.17)

Conhecer Jesus de verdade, é mais do que saber quem ele foi. Pra isso existem milhões de livros. Jesus é lembrado como alguém especial em quase todas as religiões do mundo. E sempre aparece como alguém muito importante.

Mas a pergunta que continua é:

Pra você, quem é Jesus?

Esta resposta não vem da razão. Ela vem da fé.

Jesus...

É aquele que foi prometido no Antigo Testamento.

É aquele que carregou sobre si os pecados do mundo inteiro e pagou por eles morrendo na cruz.

É aquele que ficou morto por nossa causa, mas ressuscitou no terceiro dia, garantindo a ressurreição a todos os fiéis.

É aquele que não apenas se preocupou com você uma vez, mas que continua te buscando até hoje. Que cuida de você em todos os momentos.

É aquele por meio de quem o Pai aceita nossas orações.

É aquele que quer salvar a todas as pessoas.

É aquele que chamou cada um de nós para sermos suas testemunhas no mundo.

É aquele que garante estar conosco todos os dias, até o fim deste mundo.

É aquele que vem a nós perdoando os pecados.

É aquele que vem a nós em sua palavra e nos santos Sacramentos.

Se perguntarem: Quem é Jesus?

A nossa resposta só pode ser uma: Jesus é o Messias. E por causa do seu sacrifício na cruz, eu tenho a vida eterna. Jesus é meu Senhor e meu Salvador. É ele quem me alivia as tristezas e transforma toda a dor em alegria.

É ele quem me levará, junto com todos os santos, à vida eterna, quando a minha hora chegar.

Jesus é o meu Salvador.

Amém.


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ