terça-feira, 29 de setembro de 2009

Mt 28.16-20 - Texto bíblico comentado

Unir Forças

Mt 28.16-20

Estes são exatamente os últimos versículos do evangelho de Mateus.
E o texto diz assim:

[16]Os onze discípulos foram para a Galiléia e chegaram ao monte que Jesus tinha indicado. [17]E, quando viram Jesus, o adoraram; mas alguns tiveram suas dúvidas.


A dúvida é algo comum ao ser humano. Nós somos como Tomé e precisamos “ver para crer”. Por isso queremos ver milagres, como os judeus do tempo de Jesus e como tantos hoje.
Os discípulos, que com a morte de Jesus tinham se sentido sozinhos, ao verem Jesus, nem acreditam que é ele mesmo. Segue o texto:

[18]Então Jesus chegou perto deles e disse:
– Deus me deu todo o poder no céu e na terra.

Jesus reafirma que é Deus e que, cumprindo sua tarefa, agora compartilhará a salvação com todos os seres humanos. Mas ele precisa de mensageiros. Precisa de gente como eu e você, pra “pegar junto”. Pra falar do Senhor às nações, começando por aquele vizinho que você não gosta. Ou que não gosta de você.
Jesus então diz:

[19]Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo [20]e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês.

A tarefa é esta: testemunhar Jesus.
O objetivo é salvar as pessoas.
Mas muitas vezes nos sentiremos sozinhos na vida e nesta tarefa de testemunhar.
Quando isso acontecer, não tenha dúvidas.
Creia nas palavras de Jesus, que disse:
E lembrem disto: eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos.
O Salvador estará conosco todos os dias, até o fim dos tempos.
Os amigos podem nos abandonar, o governo esquecer de nós, a família nos virar as costas. Mesmo assim, o Senhor será nossa família, nosso governo e nossa vida.
Com Jesus ao nosso lado, sempre estaremos protegidos dos ataques dos inimigos. E, como disse o apóstolo Paulo:

[13]Com a força que Cristo me dá, posso enfrentar qualquer situação.
Todos vocês que são de Cristo, sigam em paz, pois o Senhor está com vocês. Amém.

Fp 4.10-20 - Texto bíblico comentado

Paulo acompanhado por Jesus

Neste texto vemos o Apóstolo Paulo, que escreve, movido pelo Espírito Santo, para agradecer aos Filipenses por sempre terem estado do seu lado nos momentos bons e ruins.
Ele diz:

Fp 4.10-20 [10]Na minha vida em união com o Senhor, fiquei muito alegre porque vocês mostraram de novo o cuidado que têm por mim. Não quero dizer que vocês tivessem deixado de cuidar de mim; é que não tiveram oportunidade de mostrar esse cuidado. [11]Não estou dizendo isso por me sentir abandonado, pois aprendi a estar satisfeito com o que tenho.

O apóstolo agradece por todo apoio que aquelas pessoas têm lhe dado. Nos momentos difíceis, eles foram a sua força. E com isso Paulo nos dá também um grande exemplo: é necessário reconhecer e agradecer às pessoas que Deus coloca em nosso caminho, para nos ajudar.
Segue o apóstolo:

[12]Sei o que é estar necessitado e sei também o que é ter mais do que é preciso. Aprendi o segredo de me sentir contente em todo lugar e em qualquer situação, quer esteja alimentado ou com fome, quer tenha muito ou tenha pouco.

Aí está algo que precisamos aprender novamente: estar feliz em qualquer situação. A mídia quer nos fazer crer que as coisas dos outros são sempre melhores. Que a grama do vizinho é sempre mais verde. Que a casa daquele artista é melhor que a minha. Que o meu celular não presta mais e muito menos minha esposa ou meu marido...
Paulo aprendeu a estar feliz com o que tinha. E agradecia a Deus por tudo. E disse mais:

[13]Com a força que Cristo me dá, posso enfrentar qualquer situação.

Aí está o segredo: com Cristo enfrentaremos os problemas e as tribulações. Talvez as tribulações estarão conosco a vida toda. Isso não significa que Deus nos abandonou. Se sofrimento fosse sinal de abandono de Deus, teríamos que tirar da Bíblia: Paulo, que sofreu muito, a viúva pobre, o profeta Jeremias e tantos outros, praticamente todos os primeiros cristãos e apóstolos, que foram mortos por causa de Cristo.
Mas hoje as pessoas esquecem que Jesus disse: “tome a sua cruz e me segue”. Elas querem gritar: eu não aceito isso, ou não aceito aquilo, e seguem dando ordens ao Senhor. Esquecem que Paulo disse que a força não vem de nós, mas de Cristo.
Segue o apóstolo com sua gratidão:

[14]Mesmo assim vocês fizeram bem em me ajudar nas minhas aflições. [15]Vocês, filipenses, sabem muito bem que, quando eu saí da província da Macedônia, nos primeiros tempos em que anunciei o evangelho, a igreja de vocês foi a única que me ajudou. Vocês foram os únicos que participaram dos meus lucros e dos meus prejuízos. [16]Em Tessalônica, mais de uma vez precisei de auxílio, e vocês o enviaram. [17]Não é que eu só pense em receber ajuda. Pelo contrário, quero ver mais lucros acrescentados à conta de vocês. [18]Aqui está o meu recibo de tudo o que vocês me enviaram e que foi mais do que o necessário. Tenho tudo o que preciso, especialmente agora que Epafrodito me trouxe as coisas que vocês mandaram, as quais são como um perfume suave oferecido a Deus, um sacrifício que ele aceita e que lhe agrada. [19]E o meu Deus, de acordo com as gloriosas riquezas que ele tem para oferecer por meio de Cristo Jesus, lhes dará tudo o que vocês precisam. 20Ao Deus e Pai seja dada glória para todo o sempre! Amém!

E a gratidão final é a Deus, que acompanhou tanto Paulo, quanto aos filipenses. Todos agiram movidos por Cristo, pelo amor ao próximo.
Cabe a cada um de nós, olhar aos outros com o mesmo amor. Acompanhando os outros naquilo que pudermos. E sabendo também que Jesus está sempre acompanhando aqueles que são dele. Amém.

1Rs 19.1-18 - Texto bíblico comentado


Elias acompanhado por Deus

1Rs 19.1-18
[1]O rei Acabe contou à sua esposa Jezabel tudo o que Elias ha-via feito e como havia matado à espada todos os profetas do deus Baal. [2]Aí ela mandou um mensageiro a Elias com o seguinte recado: – Que os deuses me matem, se até amanhã a esta hora eu não fizer com você o mesmo que você fez com os profetas! [3]Elias ficou com medo e, para salvar a vida, fugiu com o seu a-judante para a cidade de Berseba, que ficava na região de Judá. Deixou ali o seu ajudante [4]e foi para o deserto, andando um dia inteiro. Aí parou, sentou-se na sombra de uma árvore e teve vontade de morrer. Então orou assim: – Já chega, ó Senhor Deus! Acaba agora com a minha vida! Eu sou um fracasso, como foram os meus antepassados. [5]Elias se deitou debaixo da árvore e caiu no sono. De repente, um anjo tocou nele e disse: – Levante-se e coma. [6]Elias olhou em volta e viu perto da sua cabeça um pão assado nas pedras e uma jarra de água. Ele comeu, e bebeu, e dormiu de novo. 7O anjo do Senhor Deus voltou e tocou nele pela segunda vez, dizendo: Levante-se e coma; se não, você não aguentará a viagem. [8]Elias se levantou, comeu e bebeu, e a comida lhe deu força bastante para andar quarenta dias e quarenta noites até o Sinai, o monte sagrado.

O que está acontecendo com o profeta Elias? Por que ele foge?
A resposta é simples: ele estava com medo...
Israel estava mergulhada na idolatria, sob o comando de Jezabel, esposa de Acabe e Deus tinha dado a Elias a tarefa de acabar com a idolatria. Para isso ele tinha desafiado os profetas de Baal e, depois de provar que apenas o Senhor é Deus, todos os profetas de Baal foram mortos e o povo prometeu abandonar a idolatria.
Mas Jezabel era idólatra e não ficou nada satisfeita com o acontecido.
Por isso o medo de Elias. Não é falta de confiança em Deus, mas o medo natural do ser humano ao sentir-se sozinho. Por isso ele vai ao Senhor no monte e...

[9]Ali ele entrou numa caverna para passar a noite, e, de repente, o Senhor Deus lhe perguntou: – O que você está fazendo aqui, Elias? [10]Ele respondeu: – Ó Senhor, Deus Todo-Poderoso, eu sempre tenho servido a ti e só a ti. Mas o povo de Israel quebrou a sua aliança contigo, derrubou os teus altares e matou todos os teus profetas. Eu sou o único que sobrou, e eles estão querendo me matar! [11]O Senhor Deus disse: – Saia e vá ficar diante de mim no alto do monte. Então o Senhor passou por ali e mandou um vento muito forte, que rachou os morros e quebrou as rochas em pedaços. Mas o Senhor não estava no vento. Quando o vento parou de soprar, veio um terremoto; porém o Senhor não estava no terremoto. [12]Depois do terremoto veio um fogo, mas o Senhor não estava no fogo. E depois do fogo veio uma voz calma e suave. [13]Quando Elias ouviu a voz, cobriu o rosto com a capa. Então saiu e ficou na entrada da caverna. E uma voz lhe disse: – O que você está fazendo aqui, Elias? [14]Ele respondeu: – Ó Senhor, Deus Todo-Poderoso, eu sempre tenho servido a ti e só a ti. Mas o povo de Israel quebrou a sua aliança contigo, derrubou os teus altares e matou todos os teus profetas. Eu sou o único que sobrou, e eles estão querendo me matar!

Muitas vezes nós queremos ver coisas grandiosas. Esperamos por milagres espantosos e gigantescos, mas Deus raramente agiu assim. Aqui, com Elias, o Senhor poderia ter aparecido no vento for-te, no terremoto ou no fogo, mas não, o Senhor apareceu no vento suave.
Assim também aparece muitas vezes em nossas vidas: na brisa suave. Os terremotos da vida, as tempestades e o fogo que consome nosso ser estão por nos destruir. Mas ao pararmos e chegarmos ao Senhor, a brisa suave toca nosso rosto e nós somos renovados.
Assim foi com Elias. Ele estava desorientado e perdido, achava-se abandonado, mas algo acontece.

[15]Então o Senhor Deus disse: – Volte para o deserto que fica perto de Damasco. Chegando lá, entre na cidade e unja Hazael como rei da Síria. [16]Unja Jeú, filho de Ninsi, como rei de Israel e unja Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, como profeta, para ficar em lugar de você. [17]As pessoas que não forem mortas por Hazael serão mortas por Jeú, e todos os que escaparem de Jeú serão mortos por Eliseu. [18]Mas eu deixarei sete mil pessoas vivas em Israel, isto é, todos aqueles que não adoraram o deus Baal e não beijaram a sua imagem.

Elias ouve do Senhor: vá ungir outros profetas para estarem com você. Eles te ajudarão a acabar com a idolatria. Mesmo assim, saiba que há 7 mil fiéis.
Pra simplificar, este número 7 mil significa dizer: você não está sozinho Elias, ainda há uma multidão incontável de pessoas que são fiéis.
Assim também, na sua vida, pode parecer que existem muitos problemas, muitos terremotos, ventanias e fogo, mas o Senhor acompanha você assim como acompanhou a Elias, até o dia em que o levou para o céu, num redemoinho, acompanhado por cavalos e carruagem de fogo.
Nós não subiremos com fogo, mas o Senhor voltará para bus-car os que forem fiéis até o fim. Amém.

domingo, 27 de setembro de 2009

A pedra de moinho

Leia aqui o texto bíblico de Marcos 9.38-50


17º Domingo após Pentecostes 6.622

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


Queridos irmãos em Cristo.

A Paz do Senhor esteja com todos vocês.

O versículo escolhido para nortear nossa meditação é o 42, de Marcos 9, que diz: "Quanto a estes pequeninos que creem em mim, se alguém for culpado de um deles me abandonar, seria melhor para essa pessoa que ela fosse jogada no mar, com uma pedra grande amarrada no pescoço."

Vocês têm noção do tipo de pedra que Jesus está falando? É uma pedra de moinho. E existem muitos tipos de pedra de moinho. Por exemplo, existe o moinho manual, que pode ser girado facilmente com uma alavanca. Esta pedra pesa poucos quilos.

Se fosse essa pedra, de poucos quilos, presa ao pescoço com uma corrente, alguém conseguiria se livrar do afogamento? Não. Esta pedra, de poucos quilos já acabaria com a vida da pessoa que pulasse na água.

Mas a pedra que Jesus sugere é outra. De um moinho bem maior. A pedra era tão grande, que para fazê-la girar eram usados animais. Um ou mais jumentos.

Se alguém ainda tinha dúvidas da gravidade do alerta do Senhor, acredito que aqui não há mais dúvidas. Se já é difícil sobreviver a uma pedra de moinho manual, como sobreviver à pedra de algumas toneladas? Nem era preciso cair na água. O simples puxão da pedra mataria a pessoa...

Estas palavras duras se dirigem as discípulos, porque eles tinham encontrado um homem expulsando demônios e, "porque ele não é do nosso grupo" os discípulos o proibiram.

Tendo feito isso, os discípulos atrapalharam o trabalho de alguém que estava plantando na obra do Senhor. Alguém que estava expulsando "demônios pelo poder do nome do senhor". Não em próprio nome, mas em nome de Jesus Cristo. O nosso Senhor.

A Palavra do Senhor nos lembra que nós, não somos os donos do Senhor Jesus. Pelo contrário, nós é que somos dele, por que ele nos comprou com sua morte na cruz.

Mas pode acontecer que surja a inveja entre nós, ao vermos outros falando do Senhor e sendo ouvidos. Pode ser que pensemos que eles estão usurpando um direito nosso. Mas o apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo diz: "Por isso precisam compreender que ninguém ... pode dizer "Jesus é Senhor", a não ser que seja guiado pelo Espírito Santo." (1Co 12.3). E então é muito importante o testemunho de todos. De cada um que é cristão também o nosso, como cristãos luteranos.

Entretanto ninguém está realmente servindo o Senhor, quando afasta as pessoas de Jesus. Por exemplo, não adianta fazer um batismo "em nome do Senhor" dentro de um centro de macumba. Além de ser inútil, ainda é heresia e deboche contra o Senhor que nos deu o batismo.

Da mesma forma, falsos mestres vão aparecer sempre e invocarão no nome do Senhor para fazer seus supostos milagres. Mas não são do Senhor e nem mesmo estão guiando as pessoas ao Senhor. Pelo contrário, usam a Palavra do Senhor...

Vejam o alerta de Jesus: "aparecerão falsos profetas e falsos messias, que farão milagres e maravilhas para enganar, se possível, até o povo escolhido de Deus. Prestem atenção!" (Mc 13.22-23).

Sendo assim, como entender o texto de Marcos 9? É simples, a vida do servo do Senhor é reta e não é simplesmente por chamar o nome do Senhor, ou por fazer milagres, que é realmente um discípulo de Jesus. É muito mais do que isso.

O próprio Senhor lembra: "Não é toda pessoa que me chama de 'Senhor, Senhor' que entrará no Reino do Céu, mas somente quem faz a vontade do meu Pai, que está no céu. Quando aquele dia chegar, muitas pessoas vão me dizer: 'Senhor, Senhor, pelo poder do seu nome anunciamos a mensagem de Deus e pelo seu nome expulsamos demônios e fizemos muitos milagres!' Então eu direi claramente a essas pessoas: 'Eu nunca conheci vocês! Afastem-se de mim, vocês que só fazem o mal!'" (Mt 7.21-23). Aí está a chave da compreensão do texto.

Realizar milagres não prova que você é enviado por Deus. Dizer que tem revelações também não é prova alguma. Ser conhecido como aquele que tem a oração poderosa muito menos. Falar em línguas não significa nada. Pois "somente quem faz a vontade do meu Pai, que está no céu" é terá a vida eterna.

O problema registrado em Marcos 9.38-50 é a preocupação dos discípulos de que aquela pessoa não fazia parte do grupo deles. Não era daquele grupinho fechado. E achavam que estava usurpando o nome de Jesus. Mas muito pelo contrário, aquele homem foi um cooperador na obra do Senhor. Ajudando pessoas e fazendo a vontade do Pai.

Assim, os discípulos é que estão atrapalhando o reino de Deus. Eles é que deveriam pular na água com uma pedra de moinho ao pescoço.

Somos uma igreja cristã. Somos de Jesus. Filhos de Deus. Mas não somos os donos da verdade e não somos os únicos que creem em Cristo. Também não somos os únicos que vão pro céu. Aliás, quem garante que todos aqui vão pro céu? Vai pra vida eterna quem é do Senhor e faz a vontade do Pai. Vai pro céu quem for acolhido pelo Senhor, pela fé em Jesus.

Aí viramos nossos olhos para os outros personagens do evangelho de hoje. Aqueles que foram ajudados pelo homem que expulsava demônios. Os "pequeninos que creem" em Jesus.

Jesus quer acolher a todos. Ele acolheu também àqueles pequeninos por meio do testemunho daquele homem que não teve sequer seu nome mencionado. Mesmo sem sabermos o seu nome, ele foi um verdadeiro discípulo, que acolheu aos irmãos.

Por outro lado, os discípulos estavam fazendo as pessoas tropeçar, pois estavam criando uma divisão, como se existissem os discípulos de primeira classe (o grupo deles) e os outros.

E então vem o alerta muito sério de Jesus:

"Se uma das suas mãos faz com que você peque, corte-a fora! ... Se um dos seus pés faz com que você peque, corte-o fora! ... Se um dos seus olhos faz com que você peque, arranque-o! Pois é melhor você entrar no Reino de Deus [sem a mão, ou o pé ou o olho do que estar perfeito fisicamente] e ser jogado no inferno." (Mc 9.43,45,47).

Jesus não quer que ninguém se mutile. Aliás, se nós fôssemos cortar tudo que nos faz pecar, começaríamos pela cabeça, pois é do cérebro que saem os pensamentos ruins.

Jesus está usando hipérboles. Assim como dizemos: "eu poderia comer um boi" e não podemos comer. Mas entende-se que estamos com muita fome. Assim Jesus fala da pedra de moinho e de cortar partes do corpo.

Ele está dizendo: não brinquem com o pecado!

Como um pai diz para seu filho não brincar com o perigo. Assim como um dependente de drogas carregar consigo sempre um punhado da droga, mesmo que prometa não usar.

É como fazer uma roleta russa. Conhecem o termo? Deixa-se apenas uma bala no tambor da arma de seis ou sete tiros. Aí gira-se o tambor até que pare sozinho. Aponta-se a arma pra cabeça e se puxa o gatilho pra ver se está com sorte.

No caso do pecado, brincar com ele é como fazer roleta russa, mas não com uma bala no tambor. Brincar com o pecado é colocar todas as balas no tambor, girar, apontar pra cabeça e disparar esperando que a bala não saia.

O pecado é coisa séria. E se Jesus foi tão duro no alerta aos discípulos, foi também para nos ensinar da gravidade de conscientemente cair em pecado ou fazer alguém outro afastar-se do Senhor. É melhor amarrar a tal pedra, porque assim, morrendo o transgressor, menos pessoas serão desviadas.

Como última coisa, lembre-se que Jesus quer acolher a todos. A mim e a vocês também. A todas as pessoas de nosso bairro e do mundo.

O pecado é grave, mas o Senhor nos livra das tentações e perdoa os pecados. Assim como ele continuou com seus discípulos, ele continua conosco diariamente. Os discípulos, depois de aprenderem o que realmente importa, foram grandes mensageiros do Reino de Deus.

Somos do Senhor! Que possamos ser também úteis instrumentos do Senhor e ter a alegria de guiar outros pequeninos até ao Pai e juntos ter a vida eterna. Amém.


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Glórias Somente a Deus

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Marcos 9.38-50 - Exegese


Mais uma exegese, para auxiliar no estudo bíblico, de Marcos 9, versículos 38 a 50.
Você pode ler neste Mc 9.38-50.

No fim de semana publicarei o Sermão.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

humildade infantil

Humildade infantil


16º Domingo após Pentecostes


Texto bíblico: Mc 9.30-37


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


Queridos irmãos em Cristo.

A Paz do Senhor esteja com todos vocês.

Imaginem a situação:

São 12 funcionários esperando uma promoção. Todos eles estão no mesmo nível. Têm capacidades e formação parecidas. E o chefe, pensam eles, vai escolher um para o comando.

Ou então:

Um prefeito e 12 vereadores do mesmo partido. Está chegando a campanha e os vereadores pensam: o prefeito vai sair e alguém precisa tomar o seu lugar. Ou um vice em sua chapa, pelo menos. Os vereadores ao seu lado são capazes, mas quem será escolhido para governar?

Agora voltem seus olhos para Jesus e seus 12 discípulos. É claro que o Senhor nunca foi um empresário. Muito menos prefeito. Mas estas duas situações talvez nos façam entender melhor o que aconteceu naquele dia registrado em Marcos 9.30-37.

Havia uma disputa por poder. Talvez motivada pelo fracasso de Bartolomeu, Judas, Felipe, Mateus, Tomé, Tiago filho de Alfeu, Simão, André e Tadeu! Eles falharam em libertar o menino de um espírito mau, porque confiaram em suas próprias forças (Marcos 9.14-29).

Talvez a disputa ainda tenha outros ingredientes, como o fato de Jesus ter escolhido Pedro, Tiago e João para presenciar sua transfiguração. Talvez os demais discípulos tenham visto isso como um gesto de que Jesus gostava mais daqueles discípulos.

Talvez ainda a motivação fosse os exemplos externos. Os outros mestres que andavam por ali. Aqueles mestres juntavam seus discípulos, os ensinavam e depois cada discípulo se tornava um mestre, vivendo de seus ensinos e buscando a fama entre todos os outros. Assim eram os mestres de então.

Mas Jesus era um mestre diferente. Ele nunca ensinou com o objetivo de ser famoso. Ao contrário, muitas vezes exigiu silêncio sobre seus milagres. Ele também não preparou seus discípulos para serem simplesmente novos mestres de um povo perdido. Jesus veio falar do Reino de Deus, Reino prometido já no jardim do Éden, quando Deus diz à serpente: "eu farei com que você e a mulher sejam inimigas uma da outra, e assim também serão inimigas a sua descendência e a descendência dela. Esta esmagará a sua cabeça, e você picará o calcanhar da descendência dela." (Gênesis 3.15). E este descendente veio: é Jesus Cristo, o Messias prometido.

Aqui em Gênesis temos apenas uma das tantas promessas de salvação ao pecador. E foi para ser nosso Salvador que Jesus veio. E veio anunciando que o Reino de Deus está próximo.

Parte do anúncio do Reino era avisar sobre sua morte e ressurreição. E isso Jesus faz quando ia com os seus discípulos para a Galileia. A Palavra do Senhor nos diz que os discípulos "não entendiam o que Jesus dizia, mas tinham medo de perguntar". (v. 32).

Parece que os discípulos estavam mais preocupados em saber quem era melhor do que o outro. Queriam saber qual deles era o mais importante. Mas importante como?

O pedido de Tiago e João nos ajuda a entender o que estavam pensando: "Quando o senhor sentar-se no trono do seu Reino glorioso, deixe que um de nós se sente à sua direita, e o outro à sua esquerda." Assim registra Marcos 10.37. E aqui claramente Tiago e João aparecem querendo ser importantes no Reino que viria. Talvez eles estivessem cheios de confiança por terem visto pessoalmente a transfiguração de Jesus. E vão pedir antes que outros peçam.

Parece a situação de uma festa infantil: a gente chega e tá tudo pronto, esperando o momento dos parabéns. Todos sabem que os doces são par depois, mesmo assim fica todo mundo se vigiando, porque se alguém pegar primeiro, eu posso também. Assim se justifica um erro, culpando outra pessoa.

Essa atitude de superioridade aflora várias vezes entre os discípulos. E, pelo menos uma vez, os discípulos se julgaram melhores que outros seguidores de Jesus.

Em Marcos 9.38-41 aparece outra pessoa expulsando demônios em nome de Jesus. E os discípulos o proíbem, afinal, como dizem eles: "ele não é do nosso grupo". (Mc 9.38).

O que será que passou pela cabeça dos discípulos?

—Nós não conseguimos salvar ajudar menino, agora vem esse consegue libertar outros! Mais um para concorrer conosco no Reino do Senhor? Essa não! Já somos 12... Que reino tem 12 chefes?...

Estas três situações:

os discípulos querendo saber quem era mais importante.

Tiago e João querendo ser mais importantes.

E os discípulos proibindo um homem que ajudava em nome do Senhor Jesus...

Aparecem registradas em Marcos, capítulos 9 e 10.

Os olhos dos discípulos estavam tão concentrados na glória do Reino, que esqueceram o que Jesus anunciou em Marcos 9.30-32: —O Filho do Homem será entregue nas mãos dos homens, e eles vão matá-lo; mas três dias depois ele ressuscitará."

Essa morte e ressurreição supera qualquer desejo de "status". Pois mais importante do que títulos de nobreza é a salvação eterna. Mais importante que uma vida cheia de facilidades financeiras é ter Jesus. E foi a Salvação que Jesus conquistou ao morrer e ressuscitar.

Para acabar com as discussões tolas, Jesus toma uma criança como exemplo. Ele diz: "Aquele que por ser meu seguidor, receber uma criança como esta estará também me recebendo." (v. 37).

Num primeiro momento parece que Jesus está falando sobre a criança, mas não é! A ênfase está na atitude de receber ou não ao próximo. Em amor, humildade, paciência, domínio próprio...

Quem recebe a criança não espera nada em troca. A criança não tem poder, ou dinheiro, ou amigos influentes. A criança não dará sorrisos amarelos só pra agradar, nem se contentará com falsa bajulação, apenas pra conseguir favores.

Na criança Jesus acaba com a discussão ensinando que os cristãos vivem em amor ao próximo e não na busca inútil de importância aos olhos do mundo.

Quem é importante? É aquele que serve! Aquele que recebe o irmão ou recebe aquele que quer se tornar nosso irmão!

Servimos como o Senhor Jesus nos serviu primeiro. Morrendo para nos dar a Salvação.

Jesus é o nosso exemplo e nosso Salvador. Somos por ele recebidos como crianças. E quando acolhemos o próximo, acolhemos o Senhor Jesus e o próprio Deus em nossa vida.

Taí algo em que concentrar esforços: no amor ao próximo e no amor a Deus por nós. Disso vocês jamais se arrependerão. Amém.


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Glórias Somente a Deus

terça-feira, 15 de setembro de 2009

sábado, 12 de setembro de 2009

pra que discutir?

Leia aqui Marcos 9.14-29


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


Queridos irmãos em Cristo.

A Paz do Senhor esteja com todos vocês.

Quando li novamente este texto de Marcos 9, me veio à mente muitas situações pelas quais passamos quase sempre. Momentos de discussão.

E onde costumam levar os momentos de discussão? A mais discussão, rancores e inimizades.

Mas qual era a situação em Marcos 9?

Logo no início do capítulo acontece a transfiguração de Jesus Cristo, fato presenciado por apenas três discípulos de Jesus: Tiago, João e Pedro. Foi o momento em que Deus falou pessoalmente: "Este é o meu Filho querido. Escutem o que ele diz!" (Mc 9.7).

Estavam também presentes ali, como uma concessão divina, Elias e Moisés, dois dos grandes profetas do povo de Israel, se não os maiores profetas...

Não é a toa que Pedro diz: "Mestre, como é bom estarmos aqui!" (Mc 9.5). Ele estava fascinado com a proximidade de Deus. E dos profetas. Ele ficou maravilhado com a revelação divina do Senhor Jesus Cristo, confirmada pela voz de Deus que vinha do céu.

Mas eles precisavam descer...

Ao descer a situação não podia ser pior. Um pai desesperado trouxe seu filho para os discípulos de Jesus, mas eles não conseguiram libertar o menino. Então os escribas usaram isso contra eles. Estavam tentando desacreditar os discípulos e por consequência, Jesus também. Então eles estão discutindo e no meio disso tudo está o pai com seu filho. E em volta, assistindo pra ver o desfecho a multidão.

De repente desce Jesus, do monte Tabor. Uma montanha que tem mais ou menos 2km de caminho de subida e que é bastante íngreme.

Jesus aparece e as pessoas ficam surpresas e logo acorrem a ele.

Jesus, percebendo o desentendimento pergunta: "O que vocês estão discutindo com eles?" (v. 16).

Antes mesmo que alguém respondesse o pai pula na frente e fala do seu caso. Conta também que tinha entregue o menino as discípulo s que não conseguiram nada, se não, fracasso.

Jesus acabou com a discussão e tomou o caso nas mãos.

A primeira coisa que fez foi repreender a todos que ali estavam e, no meio desses, os próprios discípulos, que também faziam parte da "Gente sem fé".

Discutir não ia resolver, aliás, raramente resolve algo quando alguém se exalta e perde a razão. Quando ofende àquele a quem chama de irmão por bobagens. Só pra "não ficar pra trás"!

Pessoas que discutem por qualquer coisa, também ouviriam "Gente sem fé". Pra que vocês discutem? Tragam o caso de vocês pra mim. Assim Jesus fez: "Tragam o menino aqui." (v. 19).

Assim que Jesus diz isso a multidão se aglomera rapidamente. Todos querem ver o que vai acontecer. E não é bonito o que todos vão presenciar: chega uma criança, possuída por um demônio, que lhe causava problemas físicos (comparáveis ao que hoje chamamos de epilepsia). Quando chega à presença de Jesus o espírito mau agita violentamente o menino, que cai e começa a rolar-se no chão. Certamente se enchendo de mais lacerações e feridas. Aos olhos do pai e aos olhos da multidão, que já tinham visto os discípulos falharem.

Antes ainda de curar, Jesus pergunta desde quando o menino estava assim e ouve do pai que era desde muito pequeno. Quanto sofrimento para um pai e uma família! Quantas vezes viu seu filho quase morto afogado ou queimado, pois o espírito muitas vezes jogava o menino na água e no fogo. Então o pai implora: "se o senhor pode, então nos ajude." (v. 22).

Será que Jesus pode? Afinal os discípulos falharam...

Será que aquele homem parou de crer em Jesus? Não parou. Mas sua fé fraquejava e duvidava. Talvez não sabendo mais a quem recorrer em tantos anos de agonia. Talvez como Pedro, que ao sentir as águas e o vento, começou a afundar, mesmo vendo o Senhor andar por cima da água e, então, ouviu de Jesus: "Como é pequena a sua fé" Por que você duvidou?" (Mt 14.31).

Talvez como nós, muitas vezes, ao recorrer a tudo que podemos, nos deparamos com pessoas que disseram poder fazer tudo, mas nossa confiança não é mais a mesma. Estamos a ponto de sentar à beira do caminho, baixar a cabeça e chorar.

É uma reação natural de alguém que já está cansado, que foi provado e atacado de tentações. Mas que ainda crê no Senhor.

Então Jesus prova uma vez mais a fé daquele homem: "Tudo é possível para quem tem fé." (v. 22).

"Então o pai gritou: —Eu tenho fé! Ajuda-me a ter mais fé ainda!"(v. 23). Essa era a resposta de fé. Esta é a resposta do cristão frente aos problemas da vida. Mesmo quando é humilhado numa discussão. Ele sabe quem o defende e que não precisa dar o troco. Quem quer dar o troco ou ter a última palavra, está servindo de arma de Satanás para semear a discórdia.

Você quer ser um servo de Satanás? Fique se metendo em discussões inúteis. Semeie a discórdia no trabalho, no lar e na igreja. Talvez você consiga sair sempre por cima. Talvez você consiga não ser humilhado. Mas o que você conseguirá com certeza é o desprezo de todos. Pois ninguém mais vai querer ter você por perto. E mais do que isso. Você talvez crie feridas tão grandes que jamais cicatrizem na família, no trabalho e na sua igreja.

Jesus não discutiu porque era por causa inútil. O importante era ajudar aquele pai e seu filho e falar do Reino de Deus, para salvar mais e mais pessoas.

Mas ainda tem uma última coisa: por que os discípulos não conseguiram libertar o menino? Afinal, eles já tinham feito isso antes. Eles já tinham expulsado demônios e curado pessoas, mas naquele momento não conseguiram.

A resposta é simples: eles não conseguiram porque estavam confiando em si mesmos e em seus procedimentos. Esqueceram o básico. Esqueceram de pedir ao Pai em oração. "Este tipo de espírito só pode ser expulso com oração." (v. 29).

Interessante notar que Jesus não precisa orar, afinal ele é a palavra de Deus encarnada. Ele é o próprio Deus. Ele recebe o menino, o liberta e o devolve ao seu pai.

Assim, se na nossa vida, tudo mais falhar, mesmo aqueles que se dizem enviados por Deus. Jesus jamais falhará.

Ele nos dá o perdão dos pecados, mesmo que nós jamais tenhamos merecido seu sacrifício.

Ele está conosco hoje e estará sempre. Até o dia em que voltar para nos levar à vida eterna.

Duas coisas então:

1. Não se metam em discussões inúteis. Apenas para provar que são melhores. Os melhores são os humildes. Os melhores são os que se abaixam para lavar os pés do irmão, mesmo que o mundo não entenda.

2. Nunca se esqueça que Jesus jamais falhará com você. E se Jesus não falha, porque deixar pra procurá-lo só no fim. Busque o Senhor em oração e na sua Palavra e ele sempre te ouvirá e, no tempo certo, te atenderá. Afinal, quem não negou-se a dar a própria vida por você, não se negará a te ouvir.

Que o Senhor nos conserve a fé até o fim, amém.


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Glórias Somente a Deus

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Marcos 9.14-29 - exegese



Exegese do texto para a semana.
Marcos, capítulo 9, versículos 14 a 29.
Na segunda você pode conferir o sermão que surgiu do estudo.

Arquivo aqui

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

louvor completo

para ler todo o texto bíblico clique aqui

Louvor completo

"Aleluia! Que todo o meu ser te louve, ó Senhor!" (Salmo 146.1)



Aleluia vem do hebraico "Halleluyah". A primeira parte desta palavra significa "Louvem!", "Adorem" ou "Elogio". A segunda parte é "Yah", uma forma abreviada do nome de Deus (Javé ou Iahwé). Portanto aleluia significa "Louvem Deus Javé", "Adorem Deus Javé" ou, simplesmente: "Adorem a Deus", pois o próprio nome de Deus a Bíblia traduz por "eu sou o que sou". Enfim, dizer aleluia é dizer: Deus seja louvado. Assim como está escrito nas cédulas de Real.

Mas o que pensa um corrupto ao receber sua propina em dinheiro, afinal suborno não pode ser em cheque ou cartão?... O que pensa uma pessoa que recebe troco a mais? Será que ela olha pro dinheiro e diz: Deus seja louvado?

Se diz, ela está enganada no seu louvor a Deus. Pois Deus não quer ser louvado no erro e no pecado. E passar os outros pra trás pode ser legal pro mundo, mas pra Deus o jeitinho brasileiro continua sendo desonestidade. Pecado.

O Salmista pede que todo o seu ser louve ao Senhor. Que esta possa ser também a nossa oração... Que ao celebrarmos o aniversário de nossa independência como país, lembremos da nossa dependência do Senhor... E que assim sempre o louvemos por todas as coisas boas que ele tem feito em nossa vida. E na vida dos outros por meio de nós. Que o Senhor Jesus reine em nossas vidas até a Pátria Celeste, o nosso lar eterno. Que nos foi conquistado pela morte de Jesus na cruz e que nós ganhamos pela fé no Salvador. Deus seja. Amém.

Senhor meu Deus, que todo o meu ser te louve, pois tu és o único que tem todo o poder, toda honra e toda glória para sempre. Abençoa a nossa Pátria terrestre, enquanto aguardamos a nossa Pátria Celeste. Que teu amor possa reinar em nosso país, por Jesus. Aleluia! Amém.

Pjh (04/09/2009)

o mais importante

Para ler todo o texto bíblico clique aqui.

O mais importante



"ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus, e Deus lhes dará todas essas coisas. (Lucas 12.31)

O que é mais importante? Qual é a prioridade da sua vida?

Às vezes somos levados a correr para todos os lados, mas não encontramos algo no que firmar nossos esforços. Vivemos num tempo em que o viver cansa só de pensar nele. A gente é levado a crer que precisa de uma casa, de um carro, de uma bicicleta pra passear com os filhos, de um excelente emprego, de empregada pra cuidar da casa, de faculdade para os filhos, isso quando eles ainda nem entraram no jardim...

A vida hoje parece exigir cada vez mais da pessoa e temos sido levados a isso. Pesquisa recente apontou que as pessoas gastam cada vez mais com internet e TV por assinatura. Algumas famílias estão comprometendo 20% da renda com estes gastos, mas será que isso é realmente essencial?

Legal é! Mas será que é, de fato, necessário?

O que é mais importante para uma vida boa neste mundo? Mais do que isso, o que é importante para a vida eterna?

Jesus nos responde em Lucas 12: "o Reino de Deus". Isso é o mais importante, porque Deus, nosso Pai, não nos esquecerá jamais. Pode ser que não tenhamos aquela TV de última geração, mas o amor do Pai é o que realmente importa. A TV passará, virão outras. E a propaganda nos dará sempre a impressão de que nossa vida não presta.

Mas ao lado de Deus sempre saberemos que somos tão importantes, que Jesus nos dá, pela fé, a vida eterna. E somos amados incondicionalmente por Deus. Amém.

Amado Deus e Pai, obrigado por olhares por minha vida e por tudo que preciso. Ensina-me a não me preocupar excessivamente com o dia de amanhã. E ensina-me, sobretudo, a confiar em tua divina providência de amor, que cuida da minha vida. Obrigado amado Senhor. Amém.


Pjh (03/09/2009)

sábado, 5 de setembro de 2009

o que aprendemos?

14º Domingo após Pentecostes

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


Leia aqui o texto bíblico: Mc 7.24-37

Queridos irmãos em Cristo.
A Paz do Senhor esteja com todos vocês.
O texto de Marcos 7.24-37 conta duas histórias diferentes, de momentos em que Jesus carinhosamente recebe uma pessoa que sofria.
Na primeira história, Jesus não queria ser encontrado, diz o Evangelho no versículo 24: "Jesus ... entrou numa casa e não queria que soubessem que estava ali."
Jesus estava sendo muito procurado, pois sua fama começava a crescer. Afinal, nos dias anteriores ele tinha alimentado uma multidão, tinha andado por cima da água. Tinha ido à sinagoga e fez calar os judeus que queriam falar mal dos discípulos, que não tinha se purificado como os judeus queriam.
Então chegamos às nossas duas histórias.
Na primeira, uma mulher busca cura para sua filha.
Na segunda, pessoas trazem um homem para ser curado.
O que estas duas pessoas têm a nos ensinar?
O que estas duas situações têm a nos ensinar?
O que Jesus tem a nos ensinar, ao pedir que não se contasse nada a respeito do milagre?
A mulher que busca cura para sua filha enfrenta vários obstáculos: • ela é mulher; • está sozinha; • Jesus tinha se escondido numa casa; e ainda • quando encontra Jesus ela ouve: "Deixe que os filhos comam primeiro. Não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo para os cachorros."
O que você faria ao se deparar com tal situação? Muita gente desiste... Muita gente olha para os problemas de sua vida e acha que Deus o abandonou. Na hora da prova, viram as costas e, desanimados, vão embora. Aquela mulher não.
Algumas igrejas afirmam que, nós somos os filhos dessa história, e como filhos temos o direito ao que está sobre a mesa. Aí podemos exigir de Deus aquilo que está reservado para nós. E cada um exige aquilo que acha merecer. Alguns pedem família estável, outros um bom emprego, outros saúde, e muitas outras coisas que possam se achar merecedores.
Esse ensinamento está errado. Ao falar dos filhos, Jesus não se refere a cristãos e não cristãos. Jesus está falando de judeus e não judeus, como ele mesmo afirma em Mateus 15.24: "Eu fui mandado somente para as ovelhas perdidas do povo de Israel." E o pecador por si mesmo, não tem direito nenhum, pois tudo vem de Cristo e ele é nosso Salvador. Em Cristo, somos declarados justos e tornados herdeiros da vida eterna. Mas isso não nos garante vida sem dificuldade aqui. Como o próprio Jesus disse: "As raposas têm as suas covas, e os pássaros, os seus ninhos. Mas o Filho do Homem não tem onde descansar." e "Se alguém quer ser meu seguidor, que esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto para morrer como eu vou morrer e me acompanhe."
A nossa grande lição está na própria atitude da mulher. Tudo está contra ela: a enfermidade da filha, o fato de ser mulher e sozinha, Jesus tendo sumido e todo o resto. Mesmo assim ela não desiste. Ela encontra Jesus e pede sua ajuda. Ao ouvir Jesus dizer que o pão é para os filhos ela aceita as migalhas.
Essa mulher teve uma fé humilde e nessa fé, Jesus lhe dá aquilo que ela quer. Pois o fiel sabe que até as migalhas do Senhor são para a nossa proteção e salvação.
A segunda pessoa curada era um surdo e gago.
Ao trazer o homem as pessoas esperam que Jesus imponha as mãos sobre ele. Essa era uma prática comum entre os curandeiros da época de Jesus. Aliás, até hoje se associa às mãos o poder de curar. Ainda ontem ouvi propaganda assim: amanhã, no culto tal, os nossos pastores farão oração com imposição de mãos. E na TV pedem para "por a mão sobre o lugar enfermo".
Jesus contraria a multidão: "Jesus o tirou do meio da multidão e pôs os dedos nos ouvidos dele. Em seguida cuspiu e colocou um pouco de saliva na língua do homem. Depois olhou para o céu, deu um suspiro profundo e disse ao homem: — 'Efatá!'" (Mc 7.33-34).
A multidão esperava ver um show para ter fé. Jesus se retira para curar o necessitado. E também não impôs as mãos como faziam os milagreiros de sua época. E Jesus curou o homem.
Algo interessante é que hoje em dia, muitas pessoas que são surdas e que, consequentemente não conseguem falar, podem ser curadas cirurgicamente. Mesmo assim, levam muito tempo até falarem corretamente. Estas pressoas precisam aprender a ouvir e a falar, como uma criança começando a dizer suas primeiras palavras. É um exercício de erro e acerto que demora.
Jesus disse: "Efatá" e os ouvidos daquele homem se abriram. E mais do que isso, a Bíblia nos diz: "E naquele momento os ouvidos do homem se abriram, a sua língua se soltou, e ele começou a falar sem dificuldade." (Mc 7.35).
Mesmo hoje, nós sendo capazes de curar alguns casos de surdez, ainda assim, nada se compara ao milagre feito por Jesus naquele dia.
Logo depois desta cura, Jesus virou para a multidão e "...ordenou a todos que não contassem para ninguém o que tinha acontecido;" (Mc 7.36).
Por que Jesus pede segredo?
Porque ainda era a hora de sua manifestação final. Ainda não tinha chegado a hora em que ele cumpriria plenamente sua tarefa. Ainda não tinha chegado o tempo de ir para Jerusalém, para ser morto por nossos pecados e ressuscitados para a nossa vida eterna.
Jesus pede segredo, porque não queria ser mais um milagreiro. Jesus não fazia milagres para aparecer. Se não teria feito no meio da multidão. O Senhor fazia seus milagres, quando eram necessários. Quando ele sentia uma profunda compaixão por aqueles que, com fé, vinham até ele.
Lembram que em sua terra, Nazaré, Jesus não pode fazer muitos milagres, porque as pessoas não criam nele? Mesmo assim, aos que creram Jesus atendeu e enviou curados, como registra o início do capítulo 6, do Evangelho de Marcos. Os judeus vivem pedindo para Jesus fazer milagres. E Jesus não faz nada a pedido deles. Satanás tenta Jesus para que faça milagres e prove que é o Filho de Deus, Jesus também não faz.
Mas ao ver as pessoas sofrendo, ao anunciar o Reino de Deus, Jesus curou muitas pessoas e alimentou multidões. Andou por cima da água, ressuscitou Lázaro e tantos outros sinais. Aliás, estes sinais milagrosos eram sinais de que Jesus era de fato o Messias. Profetizado no Antigo Testamento.
Como lembra Isaías 29.18: "Naquele dia, os surdos ouvirão a mensagem que será lida no livro fechado e lacrado, e os cegos ficarão livres da escuridão e poderão ver."
E Isaías 35.5: "Então os cegos verão e os surdos ouvirão."
João Batista manda mensageiros pergunta para Jesus: "O senhor é aquele que ia chegar ou devemos esperar outro?" (Mt 11.3). Jesus poderia simplesmente ter respondido: Eu sou! Mas ele confirma que é o Messias dizendo: Digam a ele que os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e os pobres recebem o evangelho." (Mt 11.5).
O que aprendemos de tudo isso?
Primeiro: não desistir de buscar ao Senhor quando as vêm as dificuldades e mesmo que fossem migalhas, elas nos saciarão, assim como 5 pães alimentaram uma multidão.
Segundo: o Senhor não vai fazer tudo do jeito que esperamos. Ele tirou o surdo da multidão e fez diferente do que eles esperavam, mas, como eles mesmos puderam perceber: "Tudo o que ele faz ele faz bem." (Mc 7.37).
E por último: Jesus tem muito mais a oferecer do que milagres. Aquela mulher que viu sua filha curada, ficou feliz, mas depois morreu, assim como sua filha, como o homem que tinha sido surdo, Lázaro e todos os outros. O que os tornou diferentes foi a fé no Salvador. Por causa da fé em Jesus Cristo eles se tornaram herdeiros da vida eterna.
Assim o Senhor faz comigo e com você.
Ele nos dá a fé. Ele sustenta a fé por meio da sua Santa Palavra e dos Sacramentos (Santa Ceia e Batismo) e ele nos levará para a glória eterna, quando o dia chegar.
Que até lá a vida de vocês esteja cheia de paz. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Glórias Somente a Deus

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Estudos bíblicos aprofundados


A partir de hoje, sempre que possível, postarei estudos que faço para a preparação das mensagens nos cultos e nos blogs. Se lhe interessar, procure por exegese e baixe os arquivos.
São arquivos sempre em produção e revisão então é possível que haja erros de ortografia, ou mesmo pareçam incompletos. À medida que forem sendo modificados, os documentos serão substituídos.

O desta semana é sobre Marcos 7.24-37

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam.

13º Domingo após Pentecostes


 

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


 

Leia o texto de Marcos 7.14-23, clicando aqui.


 

Que a Paz esteja com vocês. Amém.


 

Queridos irmãos em Cristo Jesus Cristo.

O que você entende com esta frase de Jesus: "Se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam."?

...

Vocês têm ouvidos, mas eles ouvem? Eles ouvem o que o Senhor tem a dizer?

É triste perceber que muitas pessoas têm ouvidos que não ouvem o Salvador. E é claro que o texto do evangelista Marcos não fala de deficiência auditiva. Jesus usa uma expressão para chamar a atenção. Como se dissesse: "Prestem atenção! Não deixem minhas palavras entrarem por um ouvido e sair pelo outro."

E o que era tão importante as pessoas ouvirem?

"Tudo o que vem de fora e entra numa pessoa não faz com que ela fique impura, mas o que sai de dentro, isto é, do coração da pessoa, é que faz com que ela fique impura." (Mc 7.15).

Obviamente, também, Jesus está se referindo à impureza espiritual. Porque era esse o assunto que o Mestre falava aos chefes dos judeus naquele dia. Os judeus estavam preocupados com os cerimoniais de purificação, como lavar as mãos, mas por outro lado eram péssimo exemplo de conduta moral. Então Jesus diz o que realmente nos torna impuros diante de Deus: "... os maus pensamentos, a imoralidade sexual, os roubos, os crimes de morte, os adultérios, a avareza, as maldades, as mentiras, as imoralidades, a inveja, a calúnia, o orgulho e o falar e agir sem pensar nas consequências." (Mc 7.21-22).

Antes que comecemos a nos defender e acusar a outros é bom lembrar do Salmo 53.3, que diz: "todos caíram, se desviaram assim do caminho certo, e são igualmente corruptos. Não há mais ninguém que faça o que é direito, não há nem mesmo uma só pessoa."

Diante de Deus todos os seres humanos são iguais: pecadores. Impuros desde o nascimento. Assim o nosso coração é cheio de maldade. E são essas atitudes maldosas que afastam de Deus.

Aquele onde habita o Espírito Santo não pode se contaminar com essas coisas. Precisa, dia após dia, estar na presença do Senhor, pois só assim permanecerá puro.

É triste, mas precisamos reconhecer: nosso coração trama maldades. Quando Jesus diz que do coração vêm os "maus pensamentos" ele sabe o que está dizendo.

A palavra que aparece no texto original da Bíblia, não é um mero pensar, mas um tramar. O coração trama maldades contra os outros. O coração de quem não é de Cristo fica articulando vinganças e remorsos.

Isso tudo sem falar no inimigo, que quer nos afastar do Senhor. E tudo, até a coisa mais perfeita, nas mãos do tentador, vira arma de ataque. Com o objetivo de destruir a nossa fé em Jesus. Até a Palavra de deus pode ser virada contra nós. Foi assim na tentação de Jesus. Satanás citou a Palavra de Deus para tentar fazer Jesus pecar. O que ele pode fazer conosco? Pode usar amigos, vizinhos, nosso próprio coração para nos afastar do Senhor.

Porém quando Jesus nos encontra ele nos limpa. Somos transformados em nova criatura. Com coração puro e as mãos limpas, sem precisar de sabões modernos.

Limpos estamos prontos para viver em Cristo. Livres de toda a impureza e de todo o pecado. Porém ainda existe pecado em nós e, enquanto estamos no mundo, o pecado vai querer dominar nossas vidas e afastar de Deus. E muitos esquecem Jesus, dando ouvidos ao coração pecador. Enchem suas vidas de problemas, fazendo todo tipo de coisa ruim. Jogam a sua vida na imundície novamente.

A pergunta se repete: vocês, que são cristãos, têm ouvidos para ouvir Jesus?

Hoje novamente o Salvador vem ao nosso encontro e lembra que na cruz ele nos limpou de todo pecado. Pela fé em Jesus Cristo temos a vida eterna e temos Jesus nos acompanhando aqui sempre.

Vocês têm ouvidos, ouçam o que diz a Palavra de Deus:

"A língua é um fogo. Ela é um mundo de maldade, ocupa o seu lugar no nosso corpo e espalha o mal em todo o nosso ser. Com o fogo que vem do próprio inferno, ela põe toda a nossa vida em chamas. O ser humano é capaz de dominar todas as criaturas e tem dominado os animais selvagens, os pássaros, os animais que se arrastam pelo chão e os peixes. Mas ninguém ainda foi capaz de dominar a língua. Ela é má, cheia de veneno mortal, e ninguém a pode controlar." (Tg 3.6-8).

Do coração vêm as coisas ruins que podem nos tornar impuros diante de Deus. Estas coisas ruins sabem pela língua. Língua que quer ferir de morte ao irmão.

E Tiago ainda lembra como, por vezes, somos hipócritas: "Usamos a língua tanto para agradecer ao Senhor e Pai como para amaldiçoar as pessoas, que foram criadas parecidas com Deus. Da mesma boca saem palavras tanto de agradecimento como de maldição. Meus irmãos, isso não deve ser assim. Por acaso pode a mesma fonte jorrar água doce e água amarga? Meus irmãos, por acaso pode uma figueira dar azeitonas ou um pé de uvas dar figos? Assim, também, uma fonte de água salgada não pode dar água doce." (Tg 3.9-12).

Nosso coração é purificado pelo Sangue de Jesus.

Nos vestimos com a santidade de Cristo, então como poderíamos pensar e falar mal do próximo? Isso é algo que transforma nossa língua e nosso coração em fonte de impureza.

Mas Jesus nos purifica.

Na Santa Ceia ele perdoa pecados e nos fortalece a fé.

Que bom é poder saber que nosso coração pode ser fonte de limpeza e não fonte de imundície.

Que bom é saber que lavados em Cristo estamos no caminho da vida eterna.

Que sempre possamos andar com Cristo, limpos de todo o pecado e que por nossos caminhos, nosso coração e nossa língua possam encher nossos caminhos de flores, para perfumar o caminho de todos.

Amém.


 

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ


 

Glórias Somente a Deus