sábado, 5 de setembro de 2009

o que aprendemos?

14º Domingo após Pentecostes

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


Leia aqui o texto bíblico: Mc 7.24-37

Queridos irmãos em Cristo.
A Paz do Senhor esteja com todos vocês.
O texto de Marcos 7.24-37 conta duas histórias diferentes, de momentos em que Jesus carinhosamente recebe uma pessoa que sofria.
Na primeira história, Jesus não queria ser encontrado, diz o Evangelho no versículo 24: "Jesus ... entrou numa casa e não queria que soubessem que estava ali."
Jesus estava sendo muito procurado, pois sua fama começava a crescer. Afinal, nos dias anteriores ele tinha alimentado uma multidão, tinha andado por cima da água. Tinha ido à sinagoga e fez calar os judeus que queriam falar mal dos discípulos, que não tinha se purificado como os judeus queriam.
Então chegamos às nossas duas histórias.
Na primeira, uma mulher busca cura para sua filha.
Na segunda, pessoas trazem um homem para ser curado.
O que estas duas pessoas têm a nos ensinar?
O que estas duas situações têm a nos ensinar?
O que Jesus tem a nos ensinar, ao pedir que não se contasse nada a respeito do milagre?
A mulher que busca cura para sua filha enfrenta vários obstáculos: • ela é mulher; • está sozinha; • Jesus tinha se escondido numa casa; e ainda • quando encontra Jesus ela ouve: "Deixe que os filhos comam primeiro. Não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo para os cachorros."
O que você faria ao se deparar com tal situação? Muita gente desiste... Muita gente olha para os problemas de sua vida e acha que Deus o abandonou. Na hora da prova, viram as costas e, desanimados, vão embora. Aquela mulher não.
Algumas igrejas afirmam que, nós somos os filhos dessa história, e como filhos temos o direito ao que está sobre a mesa. Aí podemos exigir de Deus aquilo que está reservado para nós. E cada um exige aquilo que acha merecer. Alguns pedem família estável, outros um bom emprego, outros saúde, e muitas outras coisas que possam se achar merecedores.
Esse ensinamento está errado. Ao falar dos filhos, Jesus não se refere a cristãos e não cristãos. Jesus está falando de judeus e não judeus, como ele mesmo afirma em Mateus 15.24: "Eu fui mandado somente para as ovelhas perdidas do povo de Israel." E o pecador por si mesmo, não tem direito nenhum, pois tudo vem de Cristo e ele é nosso Salvador. Em Cristo, somos declarados justos e tornados herdeiros da vida eterna. Mas isso não nos garante vida sem dificuldade aqui. Como o próprio Jesus disse: "As raposas têm as suas covas, e os pássaros, os seus ninhos. Mas o Filho do Homem não tem onde descansar." e "Se alguém quer ser meu seguidor, que esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto para morrer como eu vou morrer e me acompanhe."
A nossa grande lição está na própria atitude da mulher. Tudo está contra ela: a enfermidade da filha, o fato de ser mulher e sozinha, Jesus tendo sumido e todo o resto. Mesmo assim ela não desiste. Ela encontra Jesus e pede sua ajuda. Ao ouvir Jesus dizer que o pão é para os filhos ela aceita as migalhas.
Essa mulher teve uma fé humilde e nessa fé, Jesus lhe dá aquilo que ela quer. Pois o fiel sabe que até as migalhas do Senhor são para a nossa proteção e salvação.
A segunda pessoa curada era um surdo e gago.
Ao trazer o homem as pessoas esperam que Jesus imponha as mãos sobre ele. Essa era uma prática comum entre os curandeiros da época de Jesus. Aliás, até hoje se associa às mãos o poder de curar. Ainda ontem ouvi propaganda assim: amanhã, no culto tal, os nossos pastores farão oração com imposição de mãos. E na TV pedem para "por a mão sobre o lugar enfermo".
Jesus contraria a multidão: "Jesus o tirou do meio da multidão e pôs os dedos nos ouvidos dele. Em seguida cuspiu e colocou um pouco de saliva na língua do homem. Depois olhou para o céu, deu um suspiro profundo e disse ao homem: — 'Efatá!'" (Mc 7.33-34).
A multidão esperava ver um show para ter fé. Jesus se retira para curar o necessitado. E também não impôs as mãos como faziam os milagreiros de sua época. E Jesus curou o homem.
Algo interessante é que hoje em dia, muitas pessoas que são surdas e que, consequentemente não conseguem falar, podem ser curadas cirurgicamente. Mesmo assim, levam muito tempo até falarem corretamente. Estas pressoas precisam aprender a ouvir e a falar, como uma criança começando a dizer suas primeiras palavras. É um exercício de erro e acerto que demora.
Jesus disse: "Efatá" e os ouvidos daquele homem se abriram. E mais do que isso, a Bíblia nos diz: "E naquele momento os ouvidos do homem se abriram, a sua língua se soltou, e ele começou a falar sem dificuldade." (Mc 7.35).
Mesmo hoje, nós sendo capazes de curar alguns casos de surdez, ainda assim, nada se compara ao milagre feito por Jesus naquele dia.
Logo depois desta cura, Jesus virou para a multidão e "...ordenou a todos que não contassem para ninguém o que tinha acontecido;" (Mc 7.36).
Por que Jesus pede segredo?
Porque ainda era a hora de sua manifestação final. Ainda não tinha chegado a hora em que ele cumpriria plenamente sua tarefa. Ainda não tinha chegado o tempo de ir para Jerusalém, para ser morto por nossos pecados e ressuscitados para a nossa vida eterna.
Jesus pede segredo, porque não queria ser mais um milagreiro. Jesus não fazia milagres para aparecer. Se não teria feito no meio da multidão. O Senhor fazia seus milagres, quando eram necessários. Quando ele sentia uma profunda compaixão por aqueles que, com fé, vinham até ele.
Lembram que em sua terra, Nazaré, Jesus não pode fazer muitos milagres, porque as pessoas não criam nele? Mesmo assim, aos que creram Jesus atendeu e enviou curados, como registra o início do capítulo 6, do Evangelho de Marcos. Os judeus vivem pedindo para Jesus fazer milagres. E Jesus não faz nada a pedido deles. Satanás tenta Jesus para que faça milagres e prove que é o Filho de Deus, Jesus também não faz.
Mas ao ver as pessoas sofrendo, ao anunciar o Reino de Deus, Jesus curou muitas pessoas e alimentou multidões. Andou por cima da água, ressuscitou Lázaro e tantos outros sinais. Aliás, estes sinais milagrosos eram sinais de que Jesus era de fato o Messias. Profetizado no Antigo Testamento.
Como lembra Isaías 29.18: "Naquele dia, os surdos ouvirão a mensagem que será lida no livro fechado e lacrado, e os cegos ficarão livres da escuridão e poderão ver."
E Isaías 35.5: "Então os cegos verão e os surdos ouvirão."
João Batista manda mensageiros pergunta para Jesus: "O senhor é aquele que ia chegar ou devemos esperar outro?" (Mt 11.3). Jesus poderia simplesmente ter respondido: Eu sou! Mas ele confirma que é o Messias dizendo: Digam a ele que os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e os pobres recebem o evangelho." (Mt 11.5).
O que aprendemos de tudo isso?
Primeiro: não desistir de buscar ao Senhor quando as vêm as dificuldades e mesmo que fossem migalhas, elas nos saciarão, assim como 5 pães alimentaram uma multidão.
Segundo: o Senhor não vai fazer tudo do jeito que esperamos. Ele tirou o surdo da multidão e fez diferente do que eles esperavam, mas, como eles mesmos puderam perceber: "Tudo o que ele faz ele faz bem." (Mc 7.37).
E por último: Jesus tem muito mais a oferecer do que milagres. Aquela mulher que viu sua filha curada, ficou feliz, mas depois morreu, assim como sua filha, como o homem que tinha sido surdo, Lázaro e todos os outros. O que os tornou diferentes foi a fé no Salvador. Por causa da fé em Jesus Cristo eles se tornaram herdeiros da vida eterna.
Assim o Senhor faz comigo e com você.
Ele nos dá a fé. Ele sustenta a fé por meio da sua Santa Palavra e dos Sacramentos (Santa Ceia e Batismo) e ele nos levará para a glória eterna, quando o dia chegar.
Que até lá a vida de vocês esteja cheia de paz. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Glórias Somente a Deus