Destaque

Brasil da Ansiedade e do Rivotril

      Você já deve ter se deparado diversas vezes com a expressão de que o povo brasileiro é um povo alegre, cheio de felicidade e alegria n...

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Servir verdadeiro

Mc 7.1-13

 

 

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Tema: Servir verdadeiro...

...com os lábios

...com as mãos

 

Que a Paz esteja com vocês. Amém.

Queridos irmãos em Cristo Jesus Cristo.

Não faz muito tempo, tivemos uma crise mundial por causa de um novo tipo de gripe. Foi em 2009, a grupe suína, ou melhor, o Influenza H1N1. Foram milhares de pessoas infectadas, outras morrendo. Campanha nacional de vacinação...

Naquela vez só se falava de uma coisa:

Se recomendou que lavem bem as mãos e que se evite o contato pessoal. Como abraços, beijos, como se isso fosse possível para as crianças... Crianças brincam, correm dão as mãos e se abraçam naturalmente.

A igreja católica, na época, recomendou que nos cultos não fossem dados os ósculos santos...

É interessante a sensação reinante naquela época: quem precisava entrar num ônibus, metrô ou trem; quem precisava entrar em filas de bancos, salas de espera de consultórios ou, simplesmente, comprar alguma coisa no centro da cidade, sabia o pavor que as pessoas estavam de chegar umas perto das outras. De comer algo na rua. De falar olhando para a pessoa. De dar um abraço, pegar no mesmo corrimão que outro encostou...

Naquela vez houve um certo pânico. E o pânico generalizado não ajuda, mas todos ficamos aflitos em pensar que podemos, de uma hora pra outra, pegar uma doença que nos mataria rapidamente. Por isso houve pânico. Especialmente nos preocupávamos com os nossos filhos.

Os judeus que estavam conversando com Jesus também tinham suas tradições de limpeza. Eles lavavam as mãos antes de comer. E isso era bastante sério para eles. Um famoso historiador registra: “Quando lavavam as mãos, os judeus lavavam até o cotovelo. Eles davam grande valor a estas lavagens ou batismos e, nem pensavam em comer sem antes se lavar. Fazer isso era um ato impensável. Além disso, eles inventaram que um espírito mau sentava sobre a comida de quem não se lavasse e a comida, então seria prejudicial. Esse espírito era chamado de Shibta.”

É esta situação que Jesus está enfrentando, ao assentar-se para comer com seus discípulos.

Jesus não está incentivando a sujeira. Não está dizendo que tanto faz se comemos com as mãos limpas ou sujas. Mas no evangelho de Marcos Jesus diz que aqueles homens supervalorizavam o mandamento de homens e se esqueciam dos mandamentos de Deus. Eles olhavam se os outros estavam se lavando ou não, mas tratavam aos outros de uma forma que Deus não gostava.

Por isso Jesus os chama de hipócritas.

Notem que os fariseus não estão preocupados com a Lei de Deus. O que eles querem saber é porque os discípulos não cumprem a tradição. Versículo 5: “Por que é que os seus discípulos não obedecem aos ensinamentos dos antigos e comem sem lavar as mãos?”

A nossa mãe também nos ensinou a lavar as mãos antes de comer. Isso para a nossa saúde, mas para os fariseus isso valia tanto quanto dar o dízimo, por exemplo. Eram leis igualmente importantes e tratadas como se fossem lei de Deus. E não como leis saudáveis.

Jesus responde citando Isaías: “Este povo com a sua boca diz que me respeita, mas na verdade o seu coração está longe de mim. A adoração deste povo é inútil, pois eles ensinam leis humanas como se fossem mandamentos de Deus.” (Is 29.13)

E quantas vezes somos como aqueles fariseus! Servimos da boca pra fora! Pra que as outras pessoas nos vejam e nos aplaudam, mas por dentro não temos o verdadeiro amor. Por dentro estamos ocos como madeira inútil.

Precisamos sim servir verdadeiramente ao Senhor. Com os lábios e com as mãos.

Por vezes nossas mãos estarão sujas do pecado. Mas, como Jó, podemos sempre buscar ao Senhor: “O sabão não pode lavar os meus pecados; o sabão mais forte não pode limpar o mal que cometi.” (Jó 9.30).

Com as mãos sujas de pecado, é impossível servir verdadeiramente o Senhor. Mas João nos lembra que “se vivemos na luz, como Deus está na luz, então estamos unidos uns com os outros, e o sangue de Jesus, o seu Filho, nos limpa de todo pecado.” (1Jo 1.7).

Com os lábios sujos de pecado, é impossível servir verdadeiramente ao Senhor. Mas com Isaías também aprendemos que Deus nos torna puros, como fez ao profeta que disse: “Ai de mim! Estou perdido! Pois os meus lábios são impuros, e moro no meio de um povo que também tem lábios impuros. E com os meus próprios olhos vi o Rei, o Senhor Todo-Poderoso!

Aí um dos serafins voou para mim, segurando com uma tenaz uma brasa que havia tirado do altar. Ele tocou a minha boca com a brasa e disse:

– Agora que esta brasa tocou os seus lábios, as suas culpas estão tiradas, e os seus pecados estão perdoados.” (Is 6.5-7).

Poderíamos lembrar ainda muitos outros textos, como Mt 15, onde Jesus diz que não é o que comemos que nos tira a vida eterna. Mas o que brota do coração impuro.

Ou o texto onde Pedro ouve o Senhor dizer: “o que eu tornei puro, não torne impuro você”. (At 10)

Regras de higiene são importantes e necessárias, mas para a Salvação é preciso estar limpo por dentro.

Quando aparecem as novas doenças, nos preocupamos, foi assim como a Aids, a gripe aviária, a gripe asiática, a gripe suína e ainda aparecerão mais doenças. Nos preocupamos com nossa saúde física, mas esquecemos que estamos em perigo de morte dia após dia. Estamos vivos. E isso nos dá uma certeza: vamos morrer. Pois todos vão. Não sabemos se hoje ou daqui a 100 anos. Não sabemos como e esperamos que seja daqui a muito tempo e de forma boa.

Porém enquanto estamos aqui, fomos chamados a Servir ao Senhor, como os discípulos fizeram.

Servindo com os corações e lábios puros. Assim estamos seguros diante do Senhor, como lembra João no Apocalipse: “– Estes são os que atravessaram sãos e salvos a grande perseguição. São as pessoas que lavaram as suas roupas no sangue do Cordeiro, e elas ficaram brancas. É por isso que essas pessoas estão de pé diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu templo. E aquele que está sentado no trono as protegerá com a sua presença. Elas nunca mais terão fome nem sede. Nem o sol nem qualquer outro calor forte as castigará. Pois o Cordeiro, que está no meio do trono, será o pastor dessas pessoas e as guiará para as fontes das águas da vida. E Deus enxugará todas as lágrimas dos olhos delas.” (Ap 7.14-16)

E quem estará na presença do Senhor?

Tem uma música antiga que diz assim:

1. |: Senhor, quem entrará, no santuário pra te louvar? :|

|: Quem tem as mãos limpas e o coração puro,
que não é vaidoso e sabe amar. :|

2 |: Senhor, faze-me entrar no santuário pra te louvar? :|

|: Oh! Dá-me mãos limpas e um coração puro,
arranca a vaidade, ensina-me a mar. :|

3. |: Senhor, já posso entrar, no santuário pra te louvar? :|

|: Teu sangue me lava, teu fogo me queima,
o Espírito Santo inunda meu ser. :|

Este lavar sim adianta. Este resolve o problema de nossa vida: o pecado. E nos une ao Salvador. Lavados no sangue do Cordeiro, pela fé em Jesus Cristo, estamos prontos para servir com lábios e mãos puras. E prontos para levantar mãos santificadas ao Serviço do Senhor. Em amor ao próximo e a Deus, na certeza da vida eterna. Pois todos aqueles que lavaram as suas vidas no sangue do Cordeiro, servem agora, purificados. Até o dia da vida eterna.

Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Venécia-ES

Glórias Somente a Deus

domingo, 19 de agosto de 2012

Comida e bebida de salvação

 

Evangelho de João 6.51-69

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus Cristo.

Que a Paz esteja com vocês. Amém.

No evangelho de hoje Jesus está terminando sua pregação sobre o pão da vida. Ele usa a multiplicação de pães para mostrar que mais importante que o pão terreno é o pão celestial.

Precisamos do pão físico. Se não comermos vamos morrer. Por outro lado, precisamos do pão da vida, que é Jesus Cristo, pois ele nos dá a vida eterna.

Falando em pão, fiquei surpreso quando descobri que quase 70% da população brasileira gosta de encontrar-se em padarias. Perto daqueles pães e doces maravilhosos. Que enchem primeiro os olhos, depois o estômago.

Quando Jesus se comparou ao pão ele sabia muito bem da importância deste alimento tão simples.

Nesta última parte do texto do evangelho, Jesus fala de seu corpo e sangue. Ele fala da Santa Ceia. E na Ceia Jesus é nossa comida e bebida.

Mas como os judeus que estavam ouvindo Jesus em Cafarnaum, muitas pessoas vão perguntar: “– Como é que este homem pode dar a sua própria carne para a gente comer?” (Jo 6.52).

Pessoas como estas esquecem que a sabedoria de Deus é loucura para os seres humanos. Afinal, que loucura incomparável foi aceitar o sacrifício de seu próprio filho, para salvar a vida de pecadores indignos! E mais do que isso: Deus não apenas aceitou o sacrifício de Jesus, mas foi ele mesmo que prometeu e enviou Jesus para dar a Salvação a todos que crerem nele.

Então as próprias pessoas que estavam ouvindo Jesus naquele dia, disseram: “– O que ele ensina é muito difícil! Quem pode aceitar esses ensinamentos?” (Jo 6.60).

Apenas aqueles que são de realmente de Deus...

Infelizmente a Santa Ceia também foi cercada de confusão e interpretações falsas.

Mas existem basicamente três ensinos a respeito da Santa Ceia:

Transubstanciação, representação e presença real.

A transubstanciação ensina que o pão se transforma em corpo e o vinho se transforma em sangue. Este é o ensino católico.

A representação ensina que o pão e o vinho são simplesmente representações do corpo e sangue de Jesus, e o comungante recebe apenas pão e vinho. Este é o ensino de igrejas Reformadas, que surgiram com João Calvino e seus seguidores. (Igreja Anglicana, Igreja Presbiteriana, Igreja Episcopal, Igreja Batista, entre outras).

E a Presença Real ensina que junto com o pão e o vinho (consagrados no momento da Santa Ceia), o crente recebe corpo e sangue de Jesus para perdão dos pecados e fortalecimento da fé.

Destas três formas de ver a Santa Ceia, a única que pode ser comprovada na escritura é a presença real.

A Bíblia não diz que o pão vira corpo e o vinho vira sangue, mesmo assim, são corpo e sangue.

Na Bíblia, o próprio Jesus fala do comer e beber de seu corpo, e não diz isto representa o meu corpo, mas diz: isto é o meu corpo.

O Salvador diz com todas as letras:

“– Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se vocês não comerem a carne do Filho do Homem e não beberem o seu sangue, vocês não terão vida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é a comida verdadeira, e o meu sangue é a bebida verdadeira. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue vive em mim, e eu vivo nele.” (Jo 6.53-55).

Também, o apóstolo Paulo, ao escrever pros coríntios afirma:

“Pensem no cálice pelo qual damos graças a Deus na Ceia do Senhor. Será que, quando bebemos desse cálice, não estamos tomando parte no sangue de Cristo? E, quando partimos e comemos o pão, não estamos tomando parte no corpo de Cristo?” (1Co 10.16).

Paulo fala do cálice e sangue e também do pão e corpo.

Então, sendo fiéis à Palavra de Deus, temos que saber que ao comer o pão e o vinho na Santa Ceia, também estamos recebendo o corpo e sangue de Jesus Cristo. Como também afirmam nossas confissões luteranas:

“Cremos, ensinamos e confessamos que o corpo e o sangue de Cristo são recebidos, em virtude da união sacramental, com o pão e o vinho não só espiritualmente, pela fé, mas também oralmente, ... de maneira sobrenatural, celeste, segundo mostram claramente as palavras de Cristo, quando ordena tomar, comer e beber, como fizeram os apóstolos, pois está escrito: “E todos beberam dele”. (Mc 14.23). Da mesma forma diz São Paulo: “O pão que partimos, não é a comunhão do corpo de Cristo?” (1Co 10.16). Isto é, quem come esse pão, come o corpo de Cristo, o que também testificam, unânimes, os mais eminentes dentre os mestres antigos da igreja: Crisóstomo, Cipriano, Leão I, Gregório, Ambrósio, Agostinho.” (FC, Ep VII, 15).

Nossas confissões citam os Pais da igreja, para lembrar que o ensino sobre a presença real era unânime no início da igreja cristã.

Ao participar da Santa Ceia recebemos pão e vinho, mas junto com eles o corpo e o sangue de Jesus. Que são comida e bebida para nossa salvação.

Por isso é tão importante participar da Santa Ceia sempre. E também por isso é tão importante estar preparado.

Mas quem está realmente preparado para participar da Santa Ceia? Nosso catecismo menor responde:

“Verdadeiramente digno e bem preparado é aquele que tem fé nestas palavras: “Dado em favor de vós” e “derramado para a remissão dos pecados”. Aquele, porém, que não crê nessas palavras ou delas duvida, é indigno e não está preparado, pois as palavras “por vós” exigem corações verdadeiramente crentes.” (CMe, VI. 10)

Pela fé em Cristo todos estamos prontos para a Santa Ceia. E na Santa Ceia recebemos o perdão, vida eterna e Salvação.

O Sacramento do altar deve ser buscado por nós com toda a reverência e amor. Pois é um gesto de amor de Deus para conosco. A Santa Ceia é o Cristo palpável, para ser comido e bebido pelos crentes para fortalecimento da fé e perdão dos pecados.

Mas cabe ainda uma última recomendação: não participemos despreparados! Pois isso traz a ira de Deus.

Jesus nos dá tudo: deu-nos a fé, a salvação, a santa ceia, o perdão dos pecados, a vida eterna e muito mais. Temos tudo, então porque participaríamos despreparados: orgulho? Impenitência?

Preparar-se não é jejuar ou coisas semelhantes.

Para saber se estamos preparados podemos nos fazer as seguintes perguntas:

1. Eu entendo e creio nas palavras da instituição, sabendo que com o pão e o vinho recebo o corpo e sangue de Jesus?

2. Eu reconheço que sou pecador e estou arrependido destes pecados?

3. Eu sei o que Jesus fez por mim e desejo o perdão do Senhor, como ele prometeu?

4. Eu estou disposto a melhorar minha vida e apresentar os frutos do arrependimento diante do Senhor? Como lembra Mateus 3.8: “Façam coisas que mostrem que vocês se arrependeram dos seus pecados.”

Procurar estar preparado, não quer dizer que a Santa Ceia depende de nós. Seu poder e sua eficácia vêm do Senhor. Mas quem participa indigno bebe a ira de Deus sobre si. E isso, ninguém, em sã consciência, deveria querer.

A Santa Ceia é Jesus vindo a nós como alimento de Salvação. No que depender de nós, que sempre estejamos preparados para participar. Se briguei com alguém, que eu peça perdão e se outros me ofenderam, que eu perdoe. Se algo me impede de participar da Santa Ceia, Jesus ajuda a remover os obstáculos, para novamente poder receber este maravilhoso dom da salvação.

Jesus é a nossa comida e bebida para a vida eterna. Todos os que comerem do seu corpo e beberem do seu sangue tem a vida eterna. Palavra do Senhor. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Venécia-ES

Glórias Somente a Deus

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Desculpas para não ir à Igreja - 019

Muito esportista para ir à igreja. esportesVeja nos menus acima, onde encontrar uma igreja luterana no Brasil.
E ao lado, confira o horário do próximo culto na Castelo Forte de Nova Venécia-ES.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Reestruturando

Olá.

Estou reestrutando o blog e, no momento, a faixa superior de imagem ainda não está ok. Peguei qualquer uma que tinha, pra não ficar sem nada. A caixa de pesquisa ali é só um desenho.
E os arquivos linkados do 4shared não estão legais.
Espero poder resolver logo.

Fiquem com Desu.

Pjh.

Medidor de bondade

O vídeo é muito claro, mas você ainda pode ler Romanos 3.21-26.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

PEM 2012 - Atualizado estudo 7

Olá.

A você que não sabe o que é o PEM, é o Programa de Evangelismo e Mordomia da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB). Basicamente são estudos bíblicos em pequenos grupos.
Os materiais são publicados pela Editora Concórdia e eu tenho feito apresentações para os mesmos, que tenho usado na congregação Castelo Forte, onde sirvo.
Os estudos prontos até o momento, bem como as instruções de como usar para que os links funcionem, estão ao lado, na pasta do 4shared. Lado direito (barra lateral), em Palestras.

Este é apenas material de apoio multimídia. Os estudos bíblicos são vendidos pela Editora Concórdia, em livretos bem baratos.

Para facilitar, os lilnks diretos para os novos arquivos de texto bíblico seguem abaixo:

http://www.4shared.com/file/4smFyQNm/Sl_096005-006.html
http://www.4shared.com/file/NS_OmhQz/Sl_050001.html
http://www.4shared.com/file/uG_IhNyy/Sl_027001.html
http://www.4shared.com/file/nPJKaaPM/Sl_031015.html
http://www.4shared.com/file/zQVJ2Yiu/Ef_001017-023.html
http://www.4shared.com/file/Mb99kwpj/Ef_006010-020.html
http://www.4shared.com/file/IuOK8aP1/Sl_034.html
http://www.4shared.com/file/cVGD9s3v/Sl_105004-008.html
http://www.4shared.com/file/dINkLGYV/Dt_008017.html
http://www.4shared.com/file/E6xdMSaW/Lc_024049.html
http://www.4shared.com/file/Og5hY0bZ/At_001008.html
http://www.4shared.com/file/DGQ8cbp3/2Co_003005.html
http://www.4shared.com/file/dAiozyZS/2Co_009008.html
http://www.4shared.com/file/eIQg4GH0/Sl_037023-025.html
http://www.4shared.com/file/u-MF7ZxL/Is_040029-031.html
http://www.4shared.com/file/ziPqCaKT/1Pe_001005-006.html
http://www.4shared.com/file/YML2FJDE/1Pe_001003.html
http://www.4shared.com/file/5VUQTH6b/Jo_001012.html
http://www.4shared.com/file/lMftvR0B/1Co_012003.html
http://www.4shared.com/file/Djv5apUw/Rm_010017.html
http://www.4shared.com/file/MGJ1BoDn/Jo_003016.html
http://www.4shared.com/file/pfdFrM3k/Ef_002008.html
http://www.4shared.com/file/6iu2GATo/1Pe_001007.html
http://www.4shared.com/file/zwxVhRBy/Sl_033009.html

Os mesmos estão na pasta bíblia, dentro de PEM 2012, na pasta Palestras.
Que Deus abençoe o uso destes materiais.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Qual vontade fazer?

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês!
(2Co 13.13).

João 6.35-51

Qual vontade fazer?

A minha?

Ou a do Pai?

Queridos irmãos em Cristo Jesus Cristo.

Disse Jesus: “Eu desci do céu para fazer a vontade daquele que me enviou e não para fazer a minha própria vontade.” (Jo 6.38).

Hoje é dia dos pais. Comemoramos a vida daqueles que Deus nos deu para cuidar de nós quando nós não podíamos nos cuidar sozinhos.

Que tipo de pai você tem? Que tipo de pai você é? Que tipo de pai você gostaria de ser?

Você tem coragem para ser pai?

Pode parecer estranha esta última pergunta, mas se pensarmos bem, vamos concluir que é preciso ter muita coragem para ser pai. Não um pai qualquer, mas um pai de verdade. Aquele que está presente na vida de seus filhos.

É muito fácil sair fazendo filhos por aí e deixar pro mundo cuidar. Mas esse não é o pai que Deus Pai, espera que sejamos.

O nosso Pai do céu fala assim dos filhos: “Os filhos são um presente do Senhor; eles são uma verdadeira bênção. Os filhos que o homem tem na sua mocidade são como flechas nas mãos de um soldado. Feliz o homem que tem muitas dessas flechas! Ele não será derrotado quando enfrentar os seus inimigos no tribunal.” (Sl 127.3-5).

O pai que ama seus filhos e por eles é amado vive na maior bênção que pode ser desejada dentro de uma família. Nesta família haverá harmonia.

Não quer dizer que será uma família sem problemas. Também não será uma família livre de desentendimentos e discussões. Isto acontecerá nas famílias... Em todas elas...

Mas onde pais e filhos se amam, o amor supera o desentendimento e a harmonia reinará. Porque os pais sabem a importância dos filhos e os filhos sabem a importância de seus pais.

Repetindo a pergunta: Você tem coragem para ser pai?

Como tudo mais na vida do cristão, também é de Deus que vem esta coragem. É Deus quem supre as faltas dos pais.

Que pai nunca desejou dar um presente a seus filhos, mas não pôde? Que pai já não desejou passar mais tempo com os filhos pequenos, mas precisava trabalhar?

Assim somos nós, pais humanos...

E como é o nosso Pai celeste?

Talvez esta resposta seja muito mais fácil para nós filhos de Deus. Sabemos que nosso Pai é amoroso. Sabemos que ele quer nos salvar. Sabemos que ele se preocupa tanto conosco que deu seu Filho, Jesus Cristo, para nos tornar seus filhos também. Sabemos que ele nos procura para nos dar a salvação. Sabemos isso e muito mais, sobre a forma como Deus nos trata e nos procura incessantemente.

Nós somos filhos.

E os bons filhos sempre querem agradar seus pais. É verdade que às vezes desagradam, mas pedem desculpas e, com o coração arrependido, buscam fazer a vontade de seu pai, a quem amam.

E quanto ao nosso Pai celeste? Nós queremos fazer a vontade dele?

Humanamente falando, não! Pois o pecado nos afasta da vontade do Pai celeste. Nós buscamos fazer as nossas vontades e ignoramos a vontade do Pai.

E, infelizmente, a nossa vontade, muitas vezes vai nos levar a caminhos ruins, enquanto a vontade de Deus, sempre nos levará ao bom caminho que é Jesus Cristo. Que nos lembra a vontade do Pai: “que nenhum daqueles que o Pai me deu se perca, mas que eu ressuscite todos no último dia.” (Jo 6.39).

Então estamos divididos em duas vontades: a nossa e a do Pai. E qual vontade fazer? A minha? Ou a do Pai?

Jesus responde em nosso texto: “Eu desci do céu para fazer a vontade daquele que me enviou e não para fazer a minha própria vontade.” (Jo 6.38).

E a vontade de Deus, diz Jesus: é que todos sejam salvos. Você, eu e todos que ainda não conhecem o Salvador Jesus.

Para cumprir esta vontade, o Pai nos dá a fé em Jesus Cristo. E alimenta a fé, por meio de sua Palavra e dos santos Sacramentos.

Sempre que vimos à igreja, estamos cumprindo à vontade do Pai. Sempre que ouvimos e falamos do Evangelho, estamos fazendo a vontade do Pai. Sempre que participamos da Santa Ceia e fugimos do pecado, fazemos a vontade daquele que enviou Jesus Cristo.

Mas nem sempre será fácil fazer esta vontade. Muitas vezes o inimigo nos convencerá de que a nossa vontade é melhor para nós. Afinal de contas a vida é MINHA VONTADE.

Com esta frase muitos se esquecem de que suas vidas já não são mais suas, aliás, nunca foram. Pois quem nos dá a vida é o Pai que criou todas as coisas. Quem nos mantém é o mesmo Senhor e doador da vida. E com o apóstolo Paulo dizemos: “Assim já não sou eu quem vive, mas Cristo é quem vive em mim. E esta vida que vivo agora, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se deu a si mesmo por mim.” (Gl 2.20).

Quando as pessoas, no Evangelho de hoje, se deram conta de que não receberiam mais pão para comer, começaram a resmungar contra Jesus. Procuravam nas palavras dele algo para dizer que Jesus estava mentindo: “Este não é Jesus, filho de José? Por acaso nós não conhecemos o pai e a mãe dele? Como é que agora ele diz que desceu do céu?” (Jo 6.42).

É interessante notar que enquanto eles tinham a expectativa de ganhar mais pão, continuaram a ouvir Jesus, mas quando perceberam que Jesus não estava falando mais do pão físico e sim do pão espiritual, começam a procurar algo para contestar suas palavras. Eles queriam o pão, mas não queriam fazer a vontade do pai. Queriam fazer as suas vontades. Alimentar-se e fartar-se de graça. Mas não queriam saber da Graça do Salvador Jesus Cristo.

Ignorantes...

Perderam a maior oportunidade de suas vidas, por causa de alguns pães. Mesmo Jesus tendo alertado: “Os antepassados de vocês comeram o maná no deserto e morreram. Aqui está o pão que desce do céu; e quem comer desse pão nunca morrerá.” (Jo 6.49-50).

Você quer deste pão? Quem não quer? Quem não quer ter a vida eterna?

Jesus nos chama à vida eterna e nos chama a fazer a vontade do Pai. Porque importa fazer a vontade de Deus. E a vontade de Deus é que todos sejam salvos. Você, eu e todas as pessoas do mundo. Quem quer ser portador desta mensagem?

Eu quero.

Eu quero falar ao mundo que Jesus é o Salvador e que todos que nele creem têm a vida eterna.

Quero ser um pai que leva seus filhos a Jesus.

Quero um dia, junto com minhas filhas e esposa, entrar na vida eterna.

Porque a vontade do pai é que todos sejam salvos.

Então, qual vontade fazer? A minha ou a do Pai celeste?

Não há espaço para a dúvida.

Quero, por obra do Espírito Santo, ser nova criatura e testemunha do amor de Deus, para que assim, eu, você e todos quantos crerem sejamos salvos pelo Senhor Jesus. Pois todo aquele que crê em Jesus tem a vida eterna. E será um pai e um filho melhor neste mundo. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

domingo, 5 de agosto de 2012

Jesus dá o alimento completo

Jo 6.22-35

Período após pentecostes (Próprio 13)

Congregação Castelo Forte
Nova Venécia-ES

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus Cristo.

Vamos, ficar de pé e para orar.

Senhor, o pão nosso de cada dia nos dá hoje. Amém.

Queridos irmãos, nós normalmente dividimos o ser humano em duas partes: corpo e alma. E está muito bem assim. O ser humano tem corpo e alma. Mas qual seria o mais importante? Existe um mais importante? E se existe, qual seria: corpo ou alma?

Tentando responder a estas perguntas vamos meditar com o tema: “Jesus dá o alimento completo”.

Pensemos sobre nós mesmos. O que pensamos quando escutamos que as pessoas no mundo passam fome?

Não é assim que muitas vezes falamos?:

Isso é falta da palavra de Deus.

Falta de escutar o Evangelho.

Falta de receber a Santa Ceia e o perdão dos pecados.

Não é essa nossa conclusão à qual chegamos muitas vezes?

Sempre escutamos que Jesus quer chegar às pessoas e dizer: “Eu sou o pão da vida”, então concluímos que tais pessoas precisam escutar a Palavra de Deus.

Isso é verdade, mas é apenas parte da verdade.

Obviamente a Palavra de Deus guia todos os crentes até o céu. A Palavra de Deus encarnada em Jesus Cristo é o alimento para a alma, como diz o Salmo 119: a Palavra de Deus “está firmada para sempre” [89], “é o nosso prazer” [92], “nos da vida”[93], “é ilimitada”[96], “nos torna sábios”[98], “no dá prudência”[100], “nos ensina”[102], “é doce”[103], e “nos dá entendimento” [104].

Assim é descrita a Palavra de Deus. E esta Palavra nos transforma. E nos dá a vida eterna.

Mas também nos torna pessoas que se interessam pelo seu próximo. Assim como Jesus trouxe o alimento para a alma (sua Palavra) e ainda alimentou e curou muita gente.

Jesus alimentou completamente.

E para tornar mais clara a situação, quero dar um exemplo:

Alguém me disse:

— Tenho fome.

Dei a ele a Palavra de Deus e fui embora.

No outro dia o encontrei novamente. E outra vez me disse: — Tenho fome, muita fome...

— Não se preocupe, no céu não existe fome. Disse e fui embora novamente.

Porém, outro dia, caminhando pelas ruas da cidade vi aquela pessoa caída numa esquina suja. Estava magro, feio, faminto. De tão fraco, mau podia parar-se de pé. Estava com a Bíblia nas mãos e olhava esperançoso pro céu.

Então decidi fazer alguma coisa. Enquanto eu o ajudava, notei que a Bíblia estava aberta e marcada no seguinte texto:

“Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quantos queriam”. (Jo 6.11).

Eu tive que ver uma pessoa morrendo de fome para entender que Jesus e seus discípulos levaram o alimento completo. Para o corpo e para a alma.

E nós, como “bons cristãos” que somos, quantas vezes ficamos apenas no alimento espiritual? Quantas vezes passamos de longe dos famintos? Quantas vezes expulsamos os famintos de nossas portas?

Como temos esquecido a Palavra de Jesus em Mateus 25 (41-43): “Afastem-se de mim, vocês que estão debaixo da maldição de Deus! Vão para o fogo eterno, preparado para o Diabo e os seus anjos! Pois eu estava com fome, e vocês não me deram comida; estava com sede, e não me deram água. Era estrangeiro, e não me receberam na sua casa; estava sem roupa, e não me vestiram. Estava doente e na cadeia, e vocês não cuidaram de mim.”

Mas como as pessoas más, queremos nos justificar: “Senhor, quando foi que vimos o senhor com fome, ou com sede, ou como estrangeiro, ou sem roupa, ou doente, ou na cadeia e não o ajudamos?” (Mt 25.44).

E a resposta não poderia ser mais clara: “ todas as vezes que vocês deixaram de ajudar uma destas pessoas mais humildes, foi a mim que deixaram de ajudar.” (Mt 25.45).

Será que este texto não nos diz mais nada?

Jesus nos da o alimento completo. Para o corpo e para a alma. E nos ensina a fazer o mesmo ao nosso próximo.

Exemplo disto é também o povo de Israel caminhando pelo deserto, sendo alimentado física e espiritualmente por Deus. Tinham o maná e a Palavra de Deus.

E nós somos um tipo de Israel, ou o novo Israel, se querem chamar assim. Não pertencemos a este mundo. Somos viajantes. Estamos viajando para o céu, nosso verdadeiro lar. Mas Deus nos dá o alimento espiritual: Palavra, Batismo, Santa Ceia e perdão dos pecados e ainda nos dá o alimento físico diariamente, assim como pedimos no Pai Nosso.

Assim como nós temos fome física e espiritual, o povo do mundo também tem fome. E de quem é a tarefa de alimentar o mundo? Dos discípulos de Jesus. Eu e você.

Quando vamos acordar para ver que muitos que nos cercam estão com fome? Fome espiritual sim, mas muitos têm também a fome física também. Fome de comida. E cabe a nós ajudar essas pessoas. Afinal somos discípulos de Jesus. E ele nos ensina a dar o alimento completo. Ele nos ensina que precisamos nos revestir “com a nova natureza, criada por Deus, que é parecida com a sua própria natureza e que se mostra na vida verdadeira, a qual é correta e dedicada a ele.” (Ef 4.24). Pois como vamos dizer às pessoas: “eu te amo meu irmão”, se nem vemos que ele tem fome? Como vamos dizer “eu te amo meu irmão”, se lhes deixamos morrer de fome física?

Além disso sabemos que o ser humano é completo: corpo e alma. E Deus se importa com o ser completo.

E o que Jesus diz?

Ou melhor, o que Jesus faz?

Vejamos o Evangelho de hoje: “– Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome, e quem crê em mim nunca mais terá sede.” (Jo 6.35).

Jesus diz que alimenta a alma. Que ele é o alimento para a vida eterna, mas lembre que no texto anterior, João 6.1-15, Jesus tinha alimentado a uma multidão.

Assim vemos, mais uma vez, que Jesus se importa com o ser humano completo: corpo e alma.

E é o Pai que nos alimenta, também para que alimentemos ao faminto perto de nós. Dando alimento para o corpo e para a alma, para que todos nós fiquemos cada vez mais fortes e seguros na esperança da vida eterna. Pois a caridade é um forte testemunho de amor em nome do Senhor Jesus. E é dele que vêm todas as coisas boas que recebemos.

E, enquanto alimentamos o próximo física e espiritualmente, o Senhor também nos alimenta para a vida eterna, com a sua Palavra, que recebemos na mesma medida que recebemos. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Venécia-ES

Glórias Somente a Deus