domingo, 8 de maio de 2016

Mas e Barsabás? #chateado #sqn

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).
Sl 133 / At 1.12-26 / Ap 22.1-20 / Jo 17.20-26

O Senhor conhece o coração de todos

A Paz do Senhor esteja com vocês. Amém.
Nesta semana, na quinta-feira, a Igreja Cristã comemorou a Ascensão de Nosso Senhor Jesus. A Ascensão é a data de lembrar a subida do Senhor aos céus.
Um dia Jesus voltará de lá, mas só o Pai sabe essa data. Mas Jesus voltará. Naquele dia virá para condenar os infiéis e para levar os fiéis à vida eterna.
O texto de Atos 1, acontece logo depois de Jesus voltar pro céu. E mostra o começo da caminhada da Igreja, agora, sem a presença física do Senhor Jesus.
A Igreja precisa continuar e precisa se preparar para cumprir a missão que o Senhor deixou em Atos 1.8: “Porém, quando o Espírito Santo descer sobre vocês, vocês receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até nos lugares mais distantes da terra.” Confirmando o que tinha dito em Mateus 28.19-20: “vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês. E lembrem disto: eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos.”.
Mas como cumprir tamanha tarefa? Como levar a Palavra se eu mesmo não me sinto conhecedor da Palavra? Como confortar o irmão, se eu estou sem conforto?
Estas são perguntas que são respondidas na vivência do amor de Deus. Na casa do Senhor. Na união com os irmãos na fé. E aqueles cristãos de Atos têm esta lição para nós: “Eles sempre se reuniam todos juntos para orar” (v. 14). E assim o Senhor os unia e os orientava. Porque o Senhor conhece o coração de todos.
Na dificuldade que aqueles primeiros cristãos tiveram, eles recorreram ao Senhor. A dificuldade foi a falta de um apóstolo, porque o traidor estava morto. Judas não quis o perdão de Deus e preferiu atirar-se para a morte eterna.
A igreja ali reunida tinha um problema a resolver. Tinha uma obra a fazer, mas lhes faltava um apóstolo entre os 12. Diz a Palavra do Senhor, que estavam reunidas 120 pessoas. E estes decidiram buscar um substituto para o lugar vago.
Entre os 120 havia dois homens (At 1.23) que se enquadravam nos critérios procurados, eram Matias e Barsabás. E agora? Precisavam apenas de 1 e não de 2...
Se fosse em uma de nossas reuniões, nós faríamos uma votação. Mas os judeus tinham um sistema diferente. Eles faziam um sorteio e entendiam que o sorteio revelava a vontade do Senhor. E eles não tiravam “a melhor de três” quando o sorteio não dava o que eles queriam. Eles aceitavam o resultado, qualquer que fosse. Aceitando a vontade do Senhor. E trabalhando para que o que foi decidido fosse, então, cumprido.
A Igreja de hoje decide suas ações nas Assembleias e o voto concorde da maioria é aceito por todos. Mas aqueles que tiveram menos votos, não vão ficar chateados, todos vão trabalhar juntos, pois todos queremos a mesma coisa: permanecer na fé e testemunhar o Senhor Jesus. Não se trata de vitória ou derrota. Não estamos buscando fazer a nossa vontade valer. Tomamos decisões para melhor cumprir a vontade do Senhor. Como os cristãos de Atos 1.
Aqueles cristãos, então, oraram e, depois de orar, sortearam. Do sorteio a resposta que tiveram era que o novo apóstolo seria Matias. E assim aconteceu.
Mas e Barsabás? Ficou chateado? Ficou frustrado? Não. Ele também aceitou o resultado da assembleia e continuou entre os seguidores de Jesus, não como um apóstolo, mas como um entre tantos discípulos, que puderam levar o nome do Senhor até os confins da terra.
Se Barsabás, o Justo, tivesse ficado chateado com a não eleição, teria perdido a oportunidade de atuar no serviço do Senhor. Não teria participado dos primeiros passos no crescimento da Igreja. Mas ele, com os outros discípulos continuavam unidos em oração. E mesmo quando discordavam, agiam com amor uns pelos outros, para andarem sempre unidos em torno de Jesus Cristo.
Queridos irmãos, o Senhor conhece o coração de todos. Ele sabe o que a Igreja está pensando e pretendendo. Ele sabe quando você está sofrendo e quando está mentindo para si mesmo. O Senhor sabe cada momento da sua vida e se preocupa com cada um deles. E o Senhor nos colocou em uma comunidade para, unidos, nos fortalecermos mais e mais. Para nos apoiarmos no momento de crise. Para juntos, decidirmos o que é melhor para o cumprimento da missão de Deus.
O inimigo quer semear a desunião e a discórdia dentro da igreja. Entre os primeiros discípulos ele agiu e continuará agindo na igreja, até a volta de Jesus.
Não se permita tornar-se um instrumento do inimigo. Quando vier a dificuldade de relacionamento, seja em casa, seja na igreja, lembre que o Senhor conhece o coração de todos. Inclusive o seu. Você não precisa e nem pode ter segredos para ele. E peça a Deus para deixar nossa igreja cada vez mais unida e forte.
Faça como os discípulos em Atos: busque o Senhor em oração. Sabendo que o Senhor ouve e responderá no devido tempo. Se tem algo na igreja que você acha que poderia melhorar, trabalhe para isso, mas faça com amor, respeito e oração. Respeitando a opinião do irmão, que não é seu inimigo, ou seu adversário, mas um cooperador na obra do Senhor e que pode estar vendo de outro modo aquilo que você vê.
Assim, seguiremos unidos e fortes, cumprindo a missão de levar Cristo para todos. E nos momentos difíceis, seremos o apoio aos fracos. Mas quando nós formos fracos, o Senhor fará dos irmãos a nossa fortaleza.
É assim que a Igreja age. É assim que o cristão age. Sabendo que o Senhor conhece o que se passa em nosso coração. E por isso ele conhece o grande amor que temos por sua missão e pelo interesse de Salvar a todos.
Com amor ainda maior, o Senhor Jesus se entregou para a nossa salvação. E por esse amor ele nos deu a missão para salvar a todos. Para cumprir esta tarefa precisamos ser um em Cristo. Para ser um em Cristo, o Senhor nos enche de amor ao próximo, para que o inimigo nunca tenha poder sobre nós.
Assim, guiados pelo Espírito Santo, vamos continuar unidos, como o Senhor pede ao Pai no Evangelho de João.
E não haverá obstáculo intransponível. O Senhor, que conhece os nossos corações, guiará a sua Igreja no bom caminho. Amém.


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)