Pular para o conteúdo principal

estamos no mundo, mas dele não somos

Texto Bíblico: João 17.11b-19

Pai santo, pelo poder do teu nome, o nome que me deste, guarda-os para que sejam um, assim como tu e eu somos um. 12Quando estava com eles no mundo, eu os guardava pelo poder do teu nome, o mesmo nome que me deste. Tomei conta deles; e nenhum se perdeu, a não ser aquele que já ia se perder para que se cumprisse o que as Escrituras Sagradas dizem. 13E agora estou indo para perto de ti. Mas digo isso enquanto estou no mundo para que o coração deles fique cheio da minha alegria. 14Eu lhes dei a tua mensagem, mas o mundo ficou com ódio deles porque eles não são do mundo, como eu também não sou. 15Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno. 16Assim como eu não sou do mundo, eles também não são. 17Que eles sejam teus por meio da verdade; a tua mensagem é a verdade. 18Assim como tu me enviaste ao mundo, eu também os enviei. 19Em favor deles eu me entrego completamente a ti. Faço isso para que, de fato, eles também sejam completamente teus.


Mensagem

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


Estamos no mundo, mas dele não somos

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

"Estamos no mundo, mas dele não somos, aqui nós vivemos distantes do lar; a nossa morada de paz se reveste, a pátria celeste é o nosso lugar."

Este hino tão bonito que tanto gostamos de cantar, nós lembra Cl 3.1: "Vocês foram ressuscitados com Cristo. Portanto, ponham o seu interesse nas coisas que são do céu, onde Cristo está sentado ao lado direito de Deus." (Cl 3.1). Ponham o seu interesse nas coisas do céu.

O texto do Evangelho que lemos hoje é parte da oração que Jesus fez antes de subir ao céu. Ele pede que a glória de Deus seja revelada e que Deus proteja seus seguidores. Jesus estava indo para o céu, mas os seus discípulos continuaram aqui na terra. "Agora estou indo para perto de ti. Eles continuam no mundo, mas eu não estou mais no mundo. Pai santo, pelo poder do teu nome, o nome que me deste, guarda-os para que sejam um, assim como tu e eu somos um." (Jo 17.11)

Jesus nos deixou aqui na terra. Por enquanto!...

Vivemos no mundo. E jamais podemos esquecer que enquanto estamos no mundo temos o diabo, o mundo e a nossa própria natureza pecadora nos cercando. Estes três inimigos querem nos desviar da fé.

Mas Jesus quer que olhemos para o céu.

O Salmo de hoje nos lembra isso: Felizes são aqueles que não se deixam levar pelos conselhos dos maus, que não seguem o exemplo dos que não querem saber de Deus e que não se juntam com os que zombam de tudo o que é sagrado! (Sl 1.1).

Por o interesse nas coisas do céu é viver em Cristo. É buscar a vinda do seu reino. É esquecer os convites do mundo e pensar no bem do próximo.

Em Atos, os discípulos estão colocando o interesse nas coisas do céu. Eles logo vão para Jerusalém e começam a reunir-se, para juntos crescer na fé e no amor ao próximo. Eles inclusive escolhem mais um apóstolo, para tomar o lugar daquele que traiu Jesus.

Por o interesse nas coisas do céu é cuidar-se para não cair em pecado, pois: "...o inimigo de vocês, o Diabo, anda por aí como um leão que ruge, procurando alguém para devorar." (1Pe 5.8).

Por o interesse nas coisas do céu é ser "...humilde debaixo da poderosa mão de Deus." (1Pe 5.6). É saber que aconteça o que acontecer, Deus está conosco enquanto estamos percorrendo o caminho neste mundo.

Por o interesse nas coisas do céu é falar com Deus. É entregar a ele todas as nossas preocupações e dificuldades, assim como Pedro diz: "Entreguem todas as suas preocupações a Deus, pois ele cuida de vocês." (1Pe 5.7).

Resumindo: por o interesse nas coisas do céu é entregar a vida nas mãos de Deus. É confiar nele e saber que tudo o que somos e temos depende Dele. Toda a nossa vida está em suas mãos. A nossa vida aqui na terra e a vida eterna dependem de Deus.

Jesus já está no céu. Nesta semana, na quinta-feira, nós comemoramos o dia da Ascensão de Jesus. Ele foi ao Pai, mas nunca nos abandonou, nem abandonará.

Jesus já foi ao céu e de lá virá para nos levar com ele. O céu é nossa parada final, por isso precisamos por o nosso interesse nas coisas do céu.

Porém colocar o interesse nas coisas do céu não quer dizer não ligar para o que acontece à nossa volta. "Ah! Eu só quero ir pro céu, que é o meu lugar. O mundo que se vire sozinho."

Por o interesse nas coisas do céu é olhar em volta de si. É preocupar-se com os irmãos e com o próximo. É testemunhar. É orar pelo irmão afastado e por aqueles que não se afastaram.

Por o interesse nas coisas do céu é saber que "estamos no mundo, mas dele não somos" e enquanto estamos no mundo vamos cooperar na obra de Deus.

Enquanto estamos no mundo viveremos como cristãos. Obedecendo à Lei de Deus. Participando dos Sacramentos. Testemunhando nossa fé. Ofertando. Orando. Vivendo em Cristo.

O pecado quer nos dominar. O Diabo, o mundo e a nossa natureza pecadora nos tentam. Eles querem nos fazer pecar. Quando nós pecamos e não nos arrependemos somos condenados ao inferno. Mas quando nos arrependemos de nossos pecados, quando nós confessamos a Deus os nossos erros ele nos perdoa e dá a vida eterna que Cristo ganhou para nós.

O nosso defensor não é qualquer um. É o próprio Jesus que ora por nós. E ele tem todo o poder no céu e na terra como diz Daniel: "Deram-lhe o poder, a honra e a autoridade de rei, a fim de que os povos de todas as nações, línguas e raças o servissem. O seu poder é eterno, e o seu reino não terá fim." (Dn 7.14) e Jesus quer que nós estejamos sempre unidos aos nossos irmãos: "E peço que todos sejam um. E assim como tu, meu Pai, estás unido comigo, e eu estou unido contigo, que todos os que crerem também estejam unidos a nós para que o mundo creia que tu me enviaste." (Jo 17.21).

Enquanto tivermos fé em Jesus Cristo nada poderá nos abalar. E no fim receberemos a herança da vida eterna. Pois estamos no mundo e aqui precisamos continuar, para o bem de muitos. Mas não somos do mundo. Nossa morada está sendo preparada pelo Senhor de Céu e Terra. O nosso amado Salvador Jesus. Amém.


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Glórias Somente a Deus

Postagens mais visitadas deste blog

Culto Luterano - O culto litúrgico 1

II - O Culto Litúrgico - História e Teologia A. Definindo Termos Não é fácil falar e definir um assunto que é tão amplo como a história do próprio homem. Mas, precisamos fazê-lo de alguma forma, pois é importante entender o que estamos fazendo quando nos reunimos. James F. White nos serve de auxílio nessa grandiosa empreitada, mostrando como diferentes pensadores protestantes, católicos e luteranos usam o termo. Escrevendo a partir da tradição metodista, o professor Paul W. Hoon define a vida cristã como sendo uma vida litúrgica. O culto para ele está vinculado diretamente aos eventos da história da salvação. Para ele, o núcleo do culto é “Deus agindo para dar a sua vida ao ser humano e para levar o ser humano a participar dessa vida”. As palavras-chave na compreensão de Hoon sobre culto parecem ser “revelação” e “resposta”. Trata-se, portanto, de uma relação recíproca em que Deus toma a iniciativa em relação ao homem por meio de Jesus Cristo e nós, por meio de Jesus Cristo, respondemo…

A pedra de moinho

Leia aqui o texto bíblico de Marcos 9.38-50

17º Domingo após Pentecostes 6.622
Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Queridos irmãos em Cristo.
A Paz do Senhor esteja com todos vocês.
O versículo escolhido para nortear nossa meditação é o 42, de Marcos 9, que diz: "Quanto a estes pequeninos que creem em mim, se alguém for culpado de um deles me abandonar, seria melhor para essa pessoa que ela fosse jogada no mar, com uma pedra grande amarrada no pescoço."
Vocês têm noção do tipo de pedra que Jesus está falando? É uma pedra de moinho. E existem muitos tipos de pedra de moinho. Por exemplo, existe o moinho manual, que pode ser girado facilmente com uma alavanca. Esta pedra pesa poucos quilos.
Se fosse essa pedra, de poucos quilos, presa ao pescoço com uma corrente, alguém conseguiria se livrar do afogamento? Não. Esta pedra, de poucos quilos já acabaria com a vida da pessoa que pulasse na água.
Mas a …

Culto Luterano - O culto litúrgico 2

B. Conhecendo a História É praticamente impossível compreender o culto luterano sem conhecer a história do culto litúrgico. A Igreja Luterana, por natureza, é conservadora teológica e liturgicamente. As igrejas reformadas do século XVI sustentavam que somente práticas ordenadas pelas Escrituras deveriam ser mantidas no culto público. Os reformadores luteranos adotaram um princípio mais conservador. Os luteranos estavam convencidos de que somente o que fosse proibido pela Escritura deveria ser abolido. Dessa forma, a Igreja Luterana não promoveu uma ruptura radical com a Igreja da pré-reforma, e sim, uma continuidade com tudo que aconteceu nos primeiros 1500 anos. Mais, os reformadores luteranos entenderam-se como herdeiros das práticas de culto do AT. As igrejas reformadas acreditavam ser possível retornar aos dias da simplicidade primitiva dos apóstolos. Os luteranos entendiam que isto era impossível, pois havia uma interveniência de 1500 anos de história. Os luteranos se reconheciam …