domingo, 14 de novembro de 2010

Agindo em Ação de Graças

2Ts 3.1-13
Penúltimo Domingo do Ano Eclesiástico
Culto de Ação de Graças


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Sl 98 / Ml 4.1-6 / 2Ts 3.1-13 / Lc 21.5-36

Que a Paz do Senhor esteja com vocês. Amém.

Queridos irmãos...

Neste dia em que estamos lembrando o Dia de Ação de Graças, nós, então, vamos olhar com um pouco mais de atenção o texto de 2Ts 3.

Neste trecho o apóstolo Paulo já está concluindo sua carta ao Tessalonicenses e faz algo que para ele era bem comum: Ele pede e recomenda a oração.

Para Paulo, a oração de gratidão era muito importante. Muitas vezes ele repete isso. Alguns exemplos são Ef 5.4: “Não usem palavras indecentes, nem digam coisas tolas ou sujas, pois isso não convém a vocês. Pelo contrário, digam palavras de gratidão a Deus.”. E 2Co 2.14: “Mas dou graças a Deus porque, unidos com Cristo, somos sempre conduzidos por Deus como prisioneiros no desfile de vitória de Cristo. Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas.”.

Além de muitos outros textos, como no início de suas cartas, muitas vezes o apóstolo diz que sempre dá graças a Deus pelas pessoas que creem no Senhor Jesus.

crianças orando Neste trecho de Tessalonicenses ele está encerrando uma carta e incentiva as pessoas que orem por ele: “Finalmente, irmãos, orem por nós para que a mensagem do Senhor continue a se espalhar rapidamente e seja bem aceita, como aconteceu entre vocês.” (2Ts 3.1). O pedido de oração não é simplesmente: “orem por nós”. É um pedido de oração com uma finalidade muito especial: “orem por nós para que a mensagem do Senhor continue a se espalhar rapidamente e seja bem aceita”. É um pedido por salvação. É um pedido para o bem de outros. E esta é uma das formas mais bonitas de dar Ação de Graças: agir pelo bem do próximo, mesmo que seja orar por ele.

Paulo pede também que os irmãos orem por seu livramento da maldade, assim como oramos e “Livra-nos do mal”.

E o incentivo à oração lembra que:

- O Senhor é fiel (v. 3).

- O Senhor nos mantém firmes e livra do Maligno (v. 4).

- O Senhor quer fazer compreender o tamanho do amor de Deus, para que eles continuem em Cristo.

Queridos irmãos...

Ação de graças é agir com gratidão. É louvar ao Senhor, porque ele tem ouvido nossas orações. E, com toda confiança, podemos continuar pedindo e agradecendo.

É agir. E não fazer como os preguiçosos que havia em Tessalônica: “Estamos afirmando isso porque ouvimos dizer que há entre vocês algumas pessoas que vivem como os preguiçosos: não fazem nada e se metem na vida dos outros.” (v. 11). A estes o apóstolo diz para que trabalhem e ocupem suas mentes com coisas boas, em vez de ficar se metendo na vida alheia e criando discórdia. E diz muito seriamente: “Quem não quer trabalhar que não coma.” (2Ts 3.10).

Ação de graças não é apenas um dia, lembrar que os alimentos sobre nossa mesa, são dons de Deus, mas a cada dia, ao deitar e ao levantar, lembra que a própria vida é dom de Deus. Lembrar que a Salvação (a nova vida) é dom de Deus...

Mas como agir com gratidão?

Tem tanta coisa pra fazer...

E tudo se resume no amor a Deus e no amor ao próximo, demonstrado na prática.

Porque a gratidão não tem muita explicação.

Como agradecer aos meus pais por terem me gerado e cuidado de mim?

Como agradecer as noites mal dormidas e por terem aguentado muita chatice calados?

Como agradecer pelo esforço para fazer de mim uma boa pessoa e me tornar um bom cidadão, bom marido e bom pai?

Como agradecer por terem me levado a Jesus?

Outra perspectiva:

Como agradecer a quem doa os órgãos de seu filho que acaba de morrer tragicamente?

Como agradecer a um irmão que me doa o rim ou a medula?

E a perspectiva mais importante:

Como agradecer a Deus pela criação?

Como agradecer a Deus pela Salvação?

Como agradecer a Deus pelo cuidado e amparo?

Como agradecer pela comida e vestimenta, trabalho e tudo mais?

Então, se não dá pra explicar, pelo menos podemos agir graciosamente. Demonstrando amor a Deus e ao próximo. A fim de que todos possam também ter coisas boas nesta vida e, além disso, a salvação de suas almas.

Certamente é mais fácil dar graças quando tudo vai bem. Mesmo que muitos, ao se sentirem confortáveis, se esqueçam de Deus.

Jesus mostrando o caminho Difícil mesmo é agradecer a Deus em meio ao sofrimento. Agradecer porque, mesmo sofrendo, o Senhor não nos abandona, como não abandonou Jó, ou Paulo, ou Pedro ou qualquer cristão sobre a face da terra.

O coração grato enfeita o rosto.

Mas a gratidão a Deus não é algo que possa ser superficial. Ela é intrínseca. Ela faz parte da vida do cristão. Agradecemos pelo muito, ou pelo pouco. Somos gratos...

Ou, como diria Paulo: “Sei o que é estar necessitado e sei também o que é ter mais do que é preciso. Aprendi o segredo de me sentir contente em todo lugar e em qualquer situação, quer esteja alimentado ou com fome, quer tenha muito ou tenha pouco.” (Fp 4.12).

Que cada um de nós possa aprender este segredo. E que nossa vida seja uma constante ação de Graças ao Senhor que nos salva e responde bondosamente às nossas orações.

E como diz Paulo aos Tessalonicenses: “vocês, irmãos, não se cansem de fazer o bem.” (2Ts 3.13). Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Soli Deo Gloria