Pular para o conteúdo principal

A estátua do pequeno Matthew


Estes dias, acompanhando as redes sociais, uma foto me chamou a atenção. A foto foi tirada em um cemitério americano, naqueles belos gramados verdes e cheios de lápides. Só que, no meio daquelas inúmeras lápides cinzas e padronizadas, uma era bem diferente. Acima da lápide havia uma estátua. Era a imagem de um menino. Ele vestia camiseta, bermuda, meias e tênis, como qualquer outro garoto. Aquele menino da estátua estava sorridente, levantando-se de uma cadeira de rodas, também retratada na estátua. Sim, ele estava feliz, com suas pernas cheias de forças, com sorriso no rosto, olhando para o alto. A sua mão estava estendida aos céus, como se alguém estivesse o levando dali.

Ao pesquisar a respeito da imagem, logo achei a história por detrás daquela lápide. O nome do menino é Matthew Stanford Robison. Ele teve problemas ao nascer e, por isto, teve sequelas, ficando com uma grave paralisia. Matthew viveu até os 10 anos. E, como forma de homenagem, seu pai fez aquela estátua maravilhosa do seu filho amado. Não mais com sequelas e limitado a uma cadeira de rodas, mas sorridente, cheio de movimento e força, levantando-se em direção aos céus.
Não sei qual é a fé professada pela família de Matthew, mas aquela estátua representa perfeitamente a nossa esperança cristã. A lápide fria não é o fim de nossas histórias. A promessa bondosa de nosso Deus é enxugar a cada lágrima, consolar-nos de todas as dores, terminar para sempre com enfermidades e sofrimentos. Esta foi e continua sendo a promessa para Matthew, seus pais e a cada um de nós: “Ele enxugará dos olhos deles todas as lágrimas. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor. As coisas velhas já passaram” (Apocalipse 21.4). A garantia de que tudo isto acontecerá é o glorioso domingo de Páscoa. O túmulo do Salvador Jesus ficou vazio. Ele ressuscitou. Ele vive. Ele ressuscitará a mim e a você e a todos os nossos queridos que descansam desta vida de sofrimentos.
Então fica a dica: quão confortador é saber que, assim como Jesus vive, nós também viveremos. Sem paralisia, sem câncer, sem depressão, sem enfermidade qualquer. Criancinhas, jovens, adultos e vovôs. Todos os que descansam nas mãos do Senhor viverão para sempre e, ao invés de olhos lacrimejados e semblantes sofridos, teremos um sorriso no rosto e um corpo perfeito. Como a estátua do pequeno Matthew.

Pastor Bruno A. K. Serves
CEL Cristo, Candelária-RS

Postagens mais visitadas deste blog

Culto Luterano - O culto litúrgico 1

II - O Culto Litúrgico - História e Teologia A. Definindo Termos Não é fácil falar e definir um assunto que é tão amplo como a história do próprio homem. Mas, precisamos fazê-lo de alguma forma, pois é importante entender o que estamos fazendo quando nos reunimos. James F. White nos serve de auxílio nessa grandiosa empreitada, mostrando como diferentes pensadores protestantes, católicos e luteranos usam o termo. Escrevendo a partir da tradição metodista, o professor Paul W. Hoon define a vida cristã como sendo uma vida litúrgica. O culto para ele está vinculado diretamente aos eventos da história da salvação. Para ele, o núcleo do culto é “Deus agindo para dar a sua vida ao ser humano e para levar o ser humano a participar dessa vida”. As palavras-chave na compreensão de Hoon sobre culto parecem ser “revelação” e “resposta”. Trata-se, portanto, de uma relação recíproca em que Deus toma a iniciativa em relação ao homem por meio de Jesus Cristo e nós, por meio de Jesus Cristo, respondemo…

A pedra de moinho

Leia aqui o texto bíblico de Marcos 9.38-50

17º Domingo após Pentecostes 6.622
Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Queridos irmãos em Cristo.
A Paz do Senhor esteja com todos vocês.
O versículo escolhido para nortear nossa meditação é o 42, de Marcos 9, que diz: "Quanto a estes pequeninos que creem em mim, se alguém for culpado de um deles me abandonar, seria melhor para essa pessoa que ela fosse jogada no mar, com uma pedra grande amarrada no pescoço."
Vocês têm noção do tipo de pedra que Jesus está falando? É uma pedra de moinho. E existem muitos tipos de pedra de moinho. Por exemplo, existe o moinho manual, que pode ser girado facilmente com uma alavanca. Esta pedra pesa poucos quilos.
Se fosse essa pedra, de poucos quilos, presa ao pescoço com uma corrente, alguém conseguiria se livrar do afogamento? Não. Esta pedra, de poucos quilos já acabaria com a vida da pessoa que pulasse na água.
Mas a …

Culto Luterano - O culto litúrgico 2

B. Conhecendo a História É praticamente impossível compreender o culto luterano sem conhecer a história do culto litúrgico. A Igreja Luterana, por natureza, é conservadora teológica e liturgicamente. As igrejas reformadas do século XVI sustentavam que somente práticas ordenadas pelas Escrituras deveriam ser mantidas no culto público. Os reformadores luteranos adotaram um princípio mais conservador. Os luteranos estavam convencidos de que somente o que fosse proibido pela Escritura deveria ser abolido. Dessa forma, a Igreja Luterana não promoveu uma ruptura radical com a Igreja da pré-reforma, e sim, uma continuidade com tudo que aconteceu nos primeiros 1500 anos. Mais, os reformadores luteranos entenderam-se como herdeiros das práticas de culto do AT. As igrejas reformadas acreditavam ser possível retornar aos dias da simplicidade primitiva dos apóstolos. Os luteranos entendiam que isto era impossível, pois havia uma interveniência de 1500 anos de história. Os luteranos se reconheciam …