Pular para o conteúdo principal

Whatsapp na Igreja

Resultado de imagem para whatsapp igreja

Há muitas coisas com as quais a Igreja não precisava lidar “antigamente” que precisa lidar hoje. De tempos em tempos isso acontece. Já no primeiro século, teve que lidar com a necessidade ou não da circuncisão. Mais adiante confessou, no Credo Apostólico, que cria em um Deus que é Triúno… Logo depois precisou dizer que Jesus Cristo era Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem, no Credo Niceno e depois ainda reafirmar que apesar de ser Deus Pai, Filho e Espírito Santo, é apenas um Deus Triúno. Isso foi feito no Credo Atanasiano.
Na nossa “geração passada”, muitos tiveram que lidar com a TV, por exemplo. E muitos erraram com a TV. A “demonizaram”. Tornaram o aparelho no mal que, na verdade, está e sempre esteve no coração humano (Mateus 15.19: “Porque é do coração que vêm os maus pensamentos, os crimes de morte, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, as mentiras e as calúnias.”).
Depois, estas mesmas “igrejas” que demonizaram a TV, fizeram e fazem uso dela. E, muitas vezes, de forma a explorar a fé alheia e enriquecer seus “profetas do caos” ou “da prosperidade”.
Pois bem… Hoje, a Igreja precisa aprender a lidar com os grupos de afinidade surgidos em diversas plataformas digitais. Certamente a mais famosa é o Whatsapp. Já usado em larga escala por todos (uma estatística publicada no jornal “Estadão”, de maio de 2017, já contabilizava 120 milhões de brasileiros usando a ferramenta). E na igreja, muitos também usam.
Como era óbvio, várias pessoas, muito bem intencionadas, começaram a criar os grupos dentro da igreja (grupo do coro, das mulheres, dos homens, da juventude, da célula… grupo da congregação, grupo de pastores, etc… O limite é a imaginação.).
Mas como agir num grupo de Whatsapp da Igreja? Pode ter regras? E na igreja luterana, conhecida por ser Evangélica, será que pode haver regras para uso de Whatsapp?
Não só pode. DEVE. Mas como isso funciona na prática?
Bem, vamos nos socorrer da Palavra de Deus e de conhecimento prático, para tentar fazer sempre o melhor uso. LEMBRANDO que também no Whatsapp “eu deveria ter um comportamento cristão”. Não é um local de escape para o pecado. E se um cristão precisa de “um escape para pegar”, reveja seu cristianismo...
Como qualquer grupo social, o Whatsapp também precisa de regras. A Igreja é um grupo social e tem regras (como associação, inclusive, tem seu Estatuto registrado em cartório). Condomínios têm regras, se não ninguém consegue ali viver. Já imaginou se cada final de semana, num condomínio, os vizinhos começassem a disputar quem tem o som mais alto na festa… E assim por diante.
Então, algumas RECOMENDAÇÕES:
  1. Qual é o foco de seu grupo? Se é da juventude, assuntos da juventude. Se é do distrito (aqui especificamente aos luteranos), assuntos do distrito. Ah! Mas tem aniversário da minha congregação, posso publicar no grupo do Distrito? Se é do interesse do distrito. Se vocês esperam a presença do distrito, claro. E uma dica sempre boa é que são grupos de “interesse de crescimento espiritual”, então, não é permitido compartilhar algo que não contribua para isso. Quer contar piada? Guarde para o seu grupo de piadas, não para o da igreja. (1Tessalonicenses 5.11: “Portanto, animem e ajudem uns aos outros, como vocês têm feito até agora.”)
  2. O que você vai publicar é teologicamente diferente daquilo que sua Igreja ensina? Não publique. Por exemplo, nossa Igreja ensina o batismo infantil. Não publique algo que fale contra isto. A menos que você esteja num grupo de estudos e esteja discutindo o assunto, mesmo assim, fale antes com o líder espiritual de sua denominação.
  3. Não publique vídeos, gifs, tirinhas, áudios com palavrões ou de teor vulgar (Efésios 4.29: “Não digam palavras que fazem mal aos outros, mas usem apenas palavras boas, que ajudam os outros a crescer na fé e a conseguir o que necessitam, para que as coisas que vocês dizem façam bem aos que ouvem.”), ou mesmo pornográfico. São coisas que não deveriam nem ser mencionadas entre nós. (Efésios 5.10-12: “Procurem descobrir quais são as coisas que agradam o Senhor. Não participem das coisas sem valor que os outros fazem, coisas que pertencem à escuridão. Pelo contrário, tragam todas essas coisas para a luz. Pois é vergonhoso até falar sobre o que essas pessoas fazem em segredo.”).
  4. Evite mandar a mesma coisa para diversos grupos que envolvam as mesmas pessoas, ou mandar em particular e de novo, no grupo. É chato.
  5. Evite áudios. Ninguém pode ouvir os áudios, a menos que esteja em local privado. Já as mensagens de texto podem ser respondidas quase que imediatamente.
  6. Está em dúvida se algo é desagradável ao Senhor? Traga para a Luz. (Efésios 5.13: “E, quando qualquer coisa é trazida para a luz, então a sua verdadeira natureza é revelada.”). Bem… É pornografia? Não precisa nem perguntar se você está errado. Você está errado já de consumir pornografia, ainda mais de levar outros a consumirem. Você se torna reponsável pelo seu pecado e pelo do outro também. Não fique achando desculpas. Reconheça seu pecado, peça perdão e receba, do Senhor, o perdão que é para todos.
  7. Não publiquem vídeos que falem mal ou ridicularizem outras igrejas… Isso é apenas fofoca. Se tem algo para tratar, fale com o líder de sua igreja (normalmente o pastor) para que haja, na igreja, instrução sobre o tema.
  8. Não use os grupos (ou o Facebook) para mandar indiretas para os outros. Se você não tem a coragem de tratar os problemas claramente, indiretas também não resolvem. E indiretas acabam mostrando que você é uma pessoa traiçoeira e não disposta a resolver os problemas como nos ensina Mateus 18.15 em diante. Além do mais, tem gente que acha que a “indireta” nunca é pra si e outros que acham que “todas as indiretas” são pra si. É inútil. (Tiago 4.11: “Meus irmãos, não falem mal uns dos outros. Quem fala mal do seu irmão em Cristo ou o julga está falando mal da lei e julgando-a. Pois, se você julga a lei, então já não é uma pessoa que obedece à lei, mas é alguém que a julga.”)
  9. Não use os grupos para adquirir contatos das pessoas, sem a permissão delas. Se você é vendedor, ou faz propaganda de algo, não use os grupos da igreja com esta finalidade. Peça permissão da própria pessoa para enviar algo, antes de enviar. E JAMAIS publique no grupo da Igreja, coisas que não são permitidas. Se o fizer, sem querer, peça desculpas e siga livre.
  10. Meio óbvio isso, mas vamos lá: não use o grupo para “caçar” uma namorada ou um namorado. Há outros locais pra isso. A dica do “adquirir” o contado, do ponto 9, vale aqui também.
  11. Caso gostaria de discutir algum assunto mais polêmico ou tem dúvida em relação a algum texto da Bíblia, envie primeiro ao líder de sua Igreja (normalmente o pastor é encarregado destas dúvidas). Muitas vezes, dúvidas podem levantar polêmicas desnecessárias, que nem são a sua intenção ao querer tirar a dúvida.
  12. O mesmo da “propaganda” vale para convidar as pessoas para algo que não é de interesse da Igreja. Quer convidar para um show? ótimo… Só não faça no grupo da Igreja sem autorização. Mesmo que seja um show gospel.
  13. E o “síndico”? Bem. Alguém precisa organizar o grupo. Deve ser alguém capaz de lidar com as situações que vão aparecer (nem sempre deveria ser o pastor, ele já tem trabalho demasiado para fazer). Primeiro, em particular. Depois, caso necessário, apresentar a solução em público. Não é uma função fácil, mas alguém precisa fazer.
  14. Agora, se depois disso, alguém insistir que quer publicar, por exemplo, pornografia… Simples: deve ser excluído do grupo. Não se pode “tolerar o pecado” como se nada fosse. É pecado. E não deveria ser publicado em grupo algum, muito menos no da igreja.
  15. Recomendo que, na função pastoral, em vez de grupos, se use as listas de transmissão. Elas têm um caráter mais informativo. Num grupo todo mundo manda e todo mundo recebe. Numa lista de transmissão, apenas quem criou a lista é que recebe respostas, caso alguém responda. Ou seja, manda para todos, mas recebe em particular.
  16. Uma conversa se tornou particular. Vá para o privado.

Espero ajudar. Me aventurei a escrever o que está acima (com pesquisas na internet e de experiência própria) a pedido de um amigo. Se tem algo que não concorda, me fale. Se algo deve ser acrescentado, fale também. Lembre-se que nosso objetivo SEMPRE é testemunhar Jesus. E isso tem de ser feito até nos grupos de Zap.

Pastor Jarbas
Congregação Castelo Forte
Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Nova Venécia, ES

Postagens mais visitadas deste blog

Culto Luterano - O culto litúrgico 1

II - O Culto Litúrgico - História e Teologia A. Definindo Termos Não é fácil falar e definir um assunto que é tão amplo como a história do próprio homem. Mas, precisamos fazê-lo de alguma forma, pois é importante entender o que estamos fazendo quando nos reunimos. James F. White nos serve de auxílio nessa grandiosa empreitada, mostrando como diferentes pensadores protestantes, católicos e luteranos usam o termo. Escrevendo a partir da tradição metodista, o professor Paul W. Hoon define a vida cristã como sendo uma vida litúrgica. O culto para ele está vinculado diretamente aos eventos da história da salvação. Para ele, o núcleo do culto é “Deus agindo para dar a sua vida ao ser humano e para levar o ser humano a participar dessa vida”. As palavras-chave na compreensão de Hoon sobre culto parecem ser “revelação” e “resposta”. Trata-se, portanto, de uma relação recíproca em que Deus toma a iniciativa em relação ao homem por meio de Jesus Cristo e nós, por meio de Jesus Cristo, respondemo…

A pedra de moinho

Leia aqui o texto bíblico de Marcos 9.38-50

17º Domingo após Pentecostes 6.622
Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Queridos irmãos em Cristo.
A Paz do Senhor esteja com todos vocês.
O versículo escolhido para nortear nossa meditação é o 42, de Marcos 9, que diz: "Quanto a estes pequeninos que creem em mim, se alguém for culpado de um deles me abandonar, seria melhor para essa pessoa que ela fosse jogada no mar, com uma pedra grande amarrada no pescoço."
Vocês têm noção do tipo de pedra que Jesus está falando? É uma pedra de moinho. E existem muitos tipos de pedra de moinho. Por exemplo, existe o moinho manual, que pode ser girado facilmente com uma alavanca. Esta pedra pesa poucos quilos.
Se fosse essa pedra, de poucos quilos, presa ao pescoço com uma corrente, alguém conseguiria se livrar do afogamento? Não. Esta pedra, de poucos quilos já acabaria com a vida da pessoa que pulasse na água.
Mas a …

Culto Luterano - O culto litúrgico 2

B. Conhecendo a História É praticamente impossível compreender o culto luterano sem conhecer a história do culto litúrgico. A Igreja Luterana, por natureza, é conservadora teológica e liturgicamente. As igrejas reformadas do século XVI sustentavam que somente práticas ordenadas pelas Escrituras deveriam ser mantidas no culto público. Os reformadores luteranos adotaram um princípio mais conservador. Os luteranos estavam convencidos de que somente o que fosse proibido pela Escritura deveria ser abolido. Dessa forma, a Igreja Luterana não promoveu uma ruptura radical com a Igreja da pré-reforma, e sim, uma continuidade com tudo que aconteceu nos primeiros 1500 anos. Mais, os reformadores luteranos entenderam-se como herdeiros das práticas de culto do AT. As igrejas reformadas acreditavam ser possível retornar aos dias da simplicidade primitiva dos apóstolos. Os luteranos entendiam que isto era impossível, pois havia uma interveniência de 1500 anos de história. Os luteranos se reconheciam …