Pular para o conteúdo principal

Coroa de Espinhos e pregos - símbolos cristãos

COROA DE ESPINHOS E PREGOS

Talvez o símbolo mais conhecido da Paixão de nosso Senhor seja a coroa de espinhos. Ela é lembrada nas linhas do hino de Paul Gerdhardt Salve caput cruentatum: “Ó fronte ensanguentada, ferida pela dor, de espinhos coroada, marcada pelo horror!”.

A coroa de espinhos foi fincada e forçada verdadeiramente na cabeça de Cristo foi parte do escárnio que eles impuseram. Ante Pôncio Pilatos Jesus sustentou o testemunho sobre seu reino divino. Os soldados se valeram desta afirmação para o ridicularizar. Eles colocaram uma capa escarlate sobre ele, uma coroa de espinhos em sua cabeça, e um bastão (um cetro fictício) em sua mão direita. Então com o bastão eles bateram a coroa de espinhos em sua cabeça, afligindo não só dor ao corpo mas também dor na alma e na mente.

Os espinhos penetrantes foram logo seguidos por pregos penetrantes. Que foram aqueles que cruzaram as mãos e os pés de Jesus. Depois de ressuscitar Jesus aparece ante os discípulos, mostra suas credenciais ao incrédulo Tomé, convidando-o a colocar seu dedo nas marcas dos pregos em suas mãos. No salmo 22 o Messias é profetizado assim: “rasgam as minhas mãos e os meus pés”.

Na simbologia cristã apenas três pregos — outro símbolo da Trindade — são tradicionalmente mostrados, na suposição que apenas um prego foi usado para fixar os pés de Jesus, um sobre o outro, na cruz. Foi pela cruz, os pregos e espinhos que Cristo nos redimiu. Nossa dívida com Deus foi cancelada, Deus a colocou de lado, “pregando-a na cruz” (Colossenses 2.14).

Tradução e adaptação: Jarbas Hoffimann

Postagens mais visitadas deste blog

Culto Luterano - O culto litúrgico 1

II - O Culto Litúrgico - História e Teologia A. Definindo Termos Não é fácil falar e definir um assunto que é tão amplo como a história do próprio homem. Mas, precisamos fazê-lo de alguma forma, pois é importante entender o que estamos fazendo quando nos reunimos. James F. White nos serve de auxílio nessa grandiosa empreitada, mostrando como diferentes pensadores protestantes, católicos e luteranos usam o termo. Escrevendo a partir da tradição metodista, o professor Paul W. Hoon define a vida cristã como sendo uma vida litúrgica. O culto para ele está vinculado diretamente aos eventos da história da salvação. Para ele, o núcleo do culto é “Deus agindo para dar a sua vida ao ser humano e para levar o ser humano a participar dessa vida”. As palavras-chave na compreensão de Hoon sobre culto parecem ser “revelação” e “resposta”. Trata-se, portanto, de uma relação recíproca em que Deus toma a iniciativa em relação ao homem por meio de Jesus Cristo e nós, por meio de Jesus Cristo, respondemo…

A pedra de moinho

Leia aqui o texto bíblico de Marcos 9.38-50

17º Domingo após Pentecostes 6.622
Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Queridos irmãos em Cristo.
A Paz do Senhor esteja com todos vocês.
O versículo escolhido para nortear nossa meditação é o 42, de Marcos 9, que diz: "Quanto a estes pequeninos que creem em mim, se alguém for culpado de um deles me abandonar, seria melhor para essa pessoa que ela fosse jogada no mar, com uma pedra grande amarrada no pescoço."
Vocês têm noção do tipo de pedra que Jesus está falando? É uma pedra de moinho. E existem muitos tipos de pedra de moinho. Por exemplo, existe o moinho manual, que pode ser girado facilmente com uma alavanca. Esta pedra pesa poucos quilos.
Se fosse essa pedra, de poucos quilos, presa ao pescoço com uma corrente, alguém conseguiria se livrar do afogamento? Não. Esta pedra, de poucos quilos já acabaria com a vida da pessoa que pulasse na água.
Mas a …

Culto Luterano - O culto litúrgico 2

B. Conhecendo a História É praticamente impossível compreender o culto luterano sem conhecer a história do culto litúrgico. A Igreja Luterana, por natureza, é conservadora teológica e liturgicamente. As igrejas reformadas do século XVI sustentavam que somente práticas ordenadas pelas Escrituras deveriam ser mantidas no culto público. Os reformadores luteranos adotaram um princípio mais conservador. Os luteranos estavam convencidos de que somente o que fosse proibido pela Escritura deveria ser abolido. Dessa forma, a Igreja Luterana não promoveu uma ruptura radical com a Igreja da pré-reforma, e sim, uma continuidade com tudo que aconteceu nos primeiros 1500 anos. Mais, os reformadores luteranos entenderam-se como herdeiros das práticas de culto do AT. As igrejas reformadas acreditavam ser possível retornar aos dias da simplicidade primitiva dos apóstolos. Os luteranos entendiam que isto era impossível, pois havia uma interveniência de 1500 anos de história. Os luteranos se reconheciam …