sábado, 13 de março de 2010

Uma nova pessoa

2Co 5.16-21


4º Domingo na Quaresma


Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).


RecemNascido Queridos irmãos em Cristo.
A paz do Senhor seja com todos vocês.
Hoje vamos sair um pouco do foco do Antigo Testamento, que ví-nhamos tendo nas últimas semanas. E vamos meditar sobre o texto de 2º Coríntios 5.
O Antigo Testamento, porém, hoje é um salmo de louvor. Onde Isaías lembra que o Deus de Israel, o nosso Deus também, mora no meio do seu povo. Ou seja, não é um Deus que está longe, mas que ouve nossas orações. Não é uma força motora superior que nos criou e nos deixou à nossa própria sorte. Muito pelo contrário, o Senhor está entre nós. E neste momento também, o Senhor está entre nós, seus filhos.
Agora voltamos nossos olhos ao Novo Testamento. Olhamos para a epístola ou carta de Paulo aos Coríntios.
De todo o texto lido, vamos destacar o versículo 17, que nos diz: “Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo.”
Mas vejamos primeiro a situação. Paulo diz: “Por isso, daqui em diante, não vamos mais usar regras humanas quando julgamos alguém.”
Não dá para não lembrar de textos como:
Mt 7.1-2: “Não julguem os outros para vocês não serem julgados por deus. Porque Deus julgará vocês do mesmo modo que vocês julgarem os outros e usará com vocês a mesma medida que vocês usarem para medir os outros.”
Lc 6.37: “Não julguem os outros, e Deus não julgará vocês. Não condenem os outros, e Deus não condenará vocês. Perdoem os outros, e Deus perdoará vocês.”
Ainda: Jo 7.24: “Parem de julgar pelas aparências e julguem com justiça.”
Parece que Paulo fala do costume ruim que as pessoas têm de julgar umas às outras, mas não é disso que ele está falando aqui.
Julgar os outros, como mostram estes outros três versículos da Pala-vra de Deus, é condenado. E não leva à lugar nenhum, se não à desa-vença e à desgraça.
Porém Paulo fala do julgar a Jesus Cristo. E julgar os mensageiros de Cristo. Assim como muitos ainda fazem hoje em dia.
Não me entendam mal. Os mensageiros de Cristo, chamem-se eles como se chamarem. Sejam eles pastores, bispos, padres, evangelistas, missionários, papa. Qualquer um que se diz mensageiro do Salvador...
Eles não estão acima de julgamento. E o julgamento aqui, nada mais é do que verificar, pela Palavra de Deus, se eles estão, de fato, dizendo a Palavra de Deus. Pois o próprio apóstolo, ao escrever para os Gálatas, alerta: “Mas, se alguém, mesmo que sejamos nós ou um anjo do céu, anunciar a vocês um evangelho diferente daquele que temos anunciado, que seja amaldiçoado.” (Gl 1.8). E o Evangelho que Paulo anunciava está todo na Sagrada Escritura. Por isso não precisamos de novas revelações. Nem de novos Cristos. Um só é o Cristo, um só é o Evangelho. E ele nos traz salvação.
planta-thumb Paulo anima a ouvirmos os verdadeiros mensageiros de Cristo. E procurar seguir aquilo que eles ensinam, pois se são verdadeiros, estão falando a Palavra de Deus.
Então vem o nosso versículo chave:
“Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo.” (2Co 5.17)
Poderíamos ficar por dias falando sobre este texto. Pois ele é claro em si mesmo e todos nós o entendemos muito bem. O que acontece é que nossa velha pessoa quer nos afastar da nova pessoa que Cristo nos torna. E então aquilo que seria claro como um lindo dia de verão, se torna escuro como a mais profunda caverna.
A vontade do Senhor que é límpida e clara, fica turva aos olhos.
O apóstolo sentiu na pele essa luta para viver no Senhor e registrou em Romanos 7, para que nós soubéssemos:
“não faço o bem que quero, mas justamente o mal que não quero fazer é o que eu faço. ... Como sou infeliz! Quem me livrará deste corpo que me leva para a morte? Que Deus seja louvado, pois ele fará isso por meio do nosso Senhor Jesus Cristo!” (Rm 7.19,24-25)
É muito fácil dizer: “eu sou de Cristo, agora vou fazer a vontade do Senhor”. O difícil é fazer a tal vontade do Senhor.
Queremos dizer que é com outro.
Queremos apontar o dedo aos pecados do outro.
Enxergamos o graveto no olho do outro, mas não vemos o galho que atrapalha nossa vista.
E assim vamos vivendo. Sendo de Cristo, mas lutando contra o pecado. Assim é a nova pessoa. Aquela para qual as coisas velhas já passaram.
A nova pessoa em Cristo não é alguém que não cometa pecados. Is-so não existe neste mundo.
Mas a nova pessoa não se conforma com o pecado. Ou melhor: “Não vivam como vivem as pessoas deste mundo, mas deixem que Deus os transforme por meio de uma completa mudança da mente de vocês. Assim vocês conhecerão a vontade de Deus, isto é, aquilo que é bom, perfeito e agradável a ele.” (Rm 12.2).
Somos pecadores, mas por causa da fé em Cristo não queremos pecar.
Oramos no Pai-Nosso “E não nos deixes cair em tentação”. E procuramos fugir da tentação, pois confiamos que o senhor nos livrará de todas as tentações. E por isso mesmo, não nos lançamos novamente nos braços do pecado.
Como vivem as pessoas do mundo?
A resposta mais fácil é: em pecado.
Como vivemos nós?
Aí a resposta começa a ficar mais difícil. Pois sabemos que Deus nos chamou para a luz. Sabemos que Deus nos salva em Jesus Cristo. Sabemos tudo que Deus espera de nós. Mas muitas vezes que é com os outros. Esta é a atitude da pessoa velha que habitava em nós.
Ouvi dizer que “não se ensina truques novos para cachorro velho”. Alguns dizem que o animal seria cavalo ou macaco, mas pouco importa. Importa a verdade por trás deste provérbio.
Quer dizer: se você fez isso ou aquilo a vida inteira, não tem como mudar. Mentira!
E o provérbio está errado, pelo menos quanto à fé, porque não se ensinará truque novo a um cão velho. Ou melhor, não se ensinará algo novo a uma pessoa velha, mas Deus transforma o velho em novo e em Cristo somos novas pessoas. Pessoas renascidas pelo batismo. Pessoas renascidas pelo sangue de Jesus.
Somos pessoas completamente renovadas e, por isso, não é possível aceitar que o pecado habite pacificamente a nossa vida. Precisamos lutar contra o pecado com as armas do Senhor: a sua santa Palavra e os santos Sacramentos. Precisamos recorrer ao Senhor em oração e ele nos ouvirá sempre.
Porque “Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo.”
A nossa velha vida, que estava condenada, agora espera pela vida e-terna. A nossa velha natureza, que se afastava de Deus, agora, renovada, busca o Senhor.
Se alguém não sabe a diferença entre a velha e a nova pessoa, vejam o que diz a Palavra do Senhor:
“Em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus.” (2Co 5.21).
“Ó Deus, cria em mim um coração puro e dá-me uma vontade nova e firme!” (Sl 51.10)
“Eu lhes darei um coração novo e uma nova mente. Tirarei deles o coração de pedra, desobediente, e lhes darei um coração humano, obediente.” (Ez 11.19)
“Vocês só poderão ter frutas boas se tiverem uma árvore boa. Mas, se tiverem uma árvore que não presta, vocês terão frutas que não prestam. Porque é pela qualidade das frutas que sabemos se uma árvore é boa ou não presta.” (Mt 12.33)
O Senhor nos tornou de inimigos em amigos de Deus.
Os pecados que eram nossos, foram pagos com a morte de Jesus.
Pela fé no Salvador, fomos transformados em novas pessoas.
Pessoas que creem em Jesus e que, por causa da fé, têm a Salvação eterna.
Que Deus nos faça sempre sermos novas pessoas. Até o dia da sua gloriosa vitória final. Amém. E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)uma_nova_vida


E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guarará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Glórias Somente a Deus