terça-feira, 21 de junho de 2016

Vai um cafezinho aí? Bom de verdade.

Mais um “achado” científico muda o que antes a ciência dava como certo. Mas desta vez; que bom! Pode-se tomar o café sem se preocupar se ele causa ou não câncer. Por 25 anos se indicava que causaria a temível e terrível doença. Agora “sabe-se” (sabe-se lá até quando se saberá) que é (ou deve ser) a temperatura muito elevada o “gatilho” do câncer… Daí quem ainda se manteve na mira foi o amado “chimarrão galdério”, que é servido na temperatura de fervura (este é o ponto da temperatura da água).
Certamente, você que é um pouco mais velho, lembra de quantas vezes as pesquisas científicas já mudaram de ideia. Mas isso é justamente fazer ciência: é não dar nada como terminado e continuar pesquisando (utilizando o método científico), pois amanhã podem surgir ferramentas que não se tem hoje e aprimoramentos científicos nunca antes sonhados. Daí se revisa a pesquisa. Por isso também, nada “cientificamente” provado pode ser considerado como verdade definitiva.
Ovo já foi “veneno”, depois não era bem assim e passou a ser recomendado. Sobre gorduras, cada dia tem uma nova: um dia é a banha de porco que não presta, no outro dia é a manteiga, depois é a margarina, mas daí alguém diz que é só a “light”... Depois nada mais faz mal.
Em muitos momentos a ciência se parece mais com os “achismos” de rede social. As “redes sociais deram voz a uma legião de imbecis”, segundo Umberto Eco (falecido em 19 de fevereiro deste ano). Ele tem razão. As pessoas veem um “post” e “retuítam” sem nem saber do que se trata, de fato. Sem profundidade, sem pesquisa. Já vi corrente de oração pelos personagens de “Diários de Vampiro”, “The Walking Dead”, “Breaking Bad”, entre outros. Um monte de gente digitando “amém” pra ajudar os personagens. Quase comentei: “kkkkkk”, mas fiquei com pena da inocência e avisei.
No campo político, vejo “posts” mentirosos sobre todas as figuras públicas, de todos os partidos. A infâmia e imbecilidade parece não escolher alvo, atira para todo o lado. Isso é próprio daquele que acha que sabe tudo, mas, de fato, nada sabe… (Que saudade do Sócrates, não o Dr. Corinthians, que também deixa saudades nesse pífio futebol de hoje, mas mais saudades do original: filósofo, que disse, depois de muito estudar: “só sei que nada sei”). Hoje ninguém estuda e sabe tudo.
É aquele que grita para não “perder uma discussão”, pois o grito é a solução daquele que está sem argumento fático. Gritar é impor-se pela força… Porque os argumentos inexistem.
Segundo Eco, então, a TV já tinha colocado o “idiota da aldeia” num patamar onde ele se achava superior. “O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade.” E num mundo individualista, parece não interessar mais “a verdade”... Interessa aquilo que é verdade para você. Nesse panorama de verdades de todos os lados, parece que distamos cada vez mais do que é real. Quando cada um “decide” o que é verdade, ela já não é.
No campo da religião, o que ontem era, hoje não é mais e amanhã, quem sabe… Vai depender da cabeça do “paxxxtor” (ou como queiram chamar). Ontem se demoniza a Igreja Católica, amanhã são os orixás, depois o “negócio” é ficar rico, daí um concorrente começa a fazer milagres e a vertente muda… Quando pensa-se que nada mais é possível, aparece um pseudo-rabino-evangélico-sei-lá-o-quê… E parece que seguem a máxima atribuída a Paulo Maluf: “falem mal, mas falem de mim”. E daí deputados brigam pra todo lado, para permanecer na “mídia”... O que ontem era inimigo, amanhã será compadre. Parece não importar “a verdade”... Importa aparecer.
E o café? O café é gostoso (Pra quem gosta. É bem verdade.).
O café causa câncer, “opa, pera”... Não causa mais (pelo menos não por enquanto, tomara que nunca mais, porque eu não vou parar de beber).
No mundo há muitas verdades. E, respeitando a opinião de cada um que lê este artigo, digo que a verdade revelada é Jesus Cristo, único Salvador.
Na religião cristã existe um axioma: “Deus é e se revela”. Isso é verdade. Ele era, é e será para sempre o mesmo. Sua verdade não muda: ele quer salvar a todo aquele que está longe dele (os de perto também). Se você tem outras “verdades”, com todo o respeito peço, apenas pense no assunto. Hoje ainda é hora de ler, aprofundar conhecimentos, opiniões e conhecer o que é verdade. Essa não é uma “verdade” para mim. É A VERDADE. E nem depende de que outros acreditem, para que seja verdade. É e pronto. Que tal um café, agora? Já que mesmo que causasse câncer, a vida aqui é um pedaço daquela que espera todo aquele que crê em Jesus.


2 P.S. (E não é “Play Station 2”):
1. Os abrasileiramentos de palavras estrangeiras aprendi com José Ângelo Campos, na época em que trabalhamos juntos em um dos jornais da cidade. Ele repórter e redator… Eu digitava. Grato por isso.
2. “idiota”, é bom saber, é uma das formas para a palavra “político” em seu original. A outra é “politicós”.O “politicós” é aquele que se interessa e quer ajudar o outro. O “idiota” só se interessa no que o ajuda, sendo honesto ou não.


Jarbas Hoffimann é formado em Teologia e pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil, em Nova Venécia. (pastorjarbas@gmail.com; facebook.com/pastorjarbas, @pastorjarbas)