sábado, 18 de fevereiro de 2012

Bom é estarmos aqui

Mc 9.2-9 Último Domingo após Epifania
Transfiguração de Nosso Senhor

 

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Queridos irmãos em Jesus Cristo.

Você gostaria de ter que sair de um lugar maravilhoso? Você gostaria de sair de um lugar onde tudo é bom?

Não gostaríamos... Ninguém gosta de dificuldades.

Nós gostamos do que é bom. Gostamos de não ter problemas ou dificuldades. Gostamos da calmaria, da mesma forma que os discípulos acordaram Jesus para que ele parasse a tempestade. Assim como os marinheiros atiraram Jonas ao mar, para acalmar sua fúria.

Agora vejamos o evangelho de Marcos, capítulo 9: Jesus chama Pedro e os irmãos Tiago e João. Diante destes apóstolos Jesus é transfigurado. Diz a bíblia: “Ali, eles viram a aparência de Jesus mudar. A sua roupa ficou muito branca e brilhante” (2-3). E como completa o evangelista Mateus (17.2): “o seu rosto ficou brilhante como o sol, e as suas roupas ficaram brancas como a luz.”

Além disso, aparecem Moisés e Elias. Os dois grandes profetas de Israel. Qualquer judeu ficaria extasiado.

E os dois conversam com Jesus, enquanto os apóstolos, de certa distância, veem tudo.

Então Pedro não aguenta calado e diz: “Mestre, como é bom estarmos aqui! Vamos armar três barracas: uma para o senhor, outra para Moisés e outra para Elias.” (5)

O texto afirma que Pedro nem sabia direito o que dizer (v. 6), então sugeriu construir as barracas. Talvez querendo ser gentil. Talvez percebendo a maravilha do momento, porque como judeu, ele conhecia o texto de Êx 34, que relata a transfiguração de Moisés. E algo semelhante estava acontecendo novamente. Ali, na sua frente.

Ao ver a transfiguração, Pedro sabia que algo grandioso estava acontecendo. Ao ver a nuvem e ouvir a voz dos céus, ele sabia que o próprio Deus estava ali presente. E eles eram testemunhas de tudo aquilo.

Ali, naquele momento, estavam Jesus, transfigurado, e dois dos maiores profetas de Israel: Moisés e Elias. E Pedro quer ficar ali. Assim como cada um de nós quer ficar num lugar seguro. Num lugar que nos faz bem.

Queridos irmãos...

Não existe lugar mais seguro que a presença de Deus. Na presença de Deus, os problemas vão aparecer também, mas seremos mais fortes que eles.

Na presença do Senhor seremos atacados por tentações, mas com a Palavra e os Sacramentos, Deus nos levará à vitória sobre o tentador.

Na presença de Deus também cantamos hinos e levamos nossas ofertas de gratidão. Confiantes de que Deus continua a nos amparar, mesmo que tudo mais nos falte.

Na presença de Deus trazemos nossos pedidos e nossa gratidão. E percebemos que Deus ouve e responde nossas orações, como ele mesmo prometeu. Sempre para o nosso bem.

Por isso podemos dizer que bom é estarmos aqui.

Pois quanta gente gostaria de estar aqui e não pode... Quantas pessoas são impedidas de vir à casa de Deus, por causa de dificuldades físicas... Quantas pessoas estão tão afastadas de Deus que sentem vergonha de vir...

É verdade que a Palavra de Deus as acompanha também em casa, mas bom mesmo é estar aqui. É poder ouvir a Palavra e cantar alegremente. É poder participar da Santa Ceia. É poder ter orientação neste mundo perdido.

Quantas vezes já ouvi, nestes poucos anos de ministério:

—Eu gostaria de poder ir à igreja...

—Era tão bom cantar junto com os irmãos...

—Me fazia tão bem receber a Santa Ceia em frente ao altar. E receber o perdão na Casa do Senhor...

Estas pessoas estavam impedidas de estar na igreja, por causa de sua saúde ou da idade avançada. E elas tinham seu momento de culto em casa, mas não tinham mais o prazer de vir até à Casa do Senhor e estar em comunhão com todos. Eles gostavam de receber a Ceia e a visita do pastor, Mas bom mesmo é estar aqui.

Voltando a Pedro, mais tarde, em sua segunda carta ele afirma: “Nós não estávamos contando coisas inventadas quando anunciamos a vocês a vinda poderosa do nosso Senhor Jesus Cristo, pois com os nossos próprios olhos nós vimos a sua grandeza. Nós estávamos lá quando Deus, o Pai, lhe deu honra e glória. Ele ouviu a voz da Suprema Glória dizer: ‘Este é o meu Filho querido, que me dá muita alegria!’” (2Pe 1.16-17)

Esta é a nossa tarefa também: anunciar o Salvador a todos que ainda não creem, para que creiam e sejam salvos. Anunciar as maravilhas do Senhor. Dizer e mostrar para todos que bom é estar aqui.

Jesus disse para não falarem nada sobre a transfiguração até a sua ressurreição. Este tempo já passou.

Agora é tempo de falar... De testemunhar a grandeza e a misericórdia de Deus, que enviou Jesus para salvar a todos.

É hora de apontar pra Jesus e mostrar o caminho da Salvação.

Aonde falar? Em toda parte: em casa para os mais próximos; no escritório; na fábrica; no trânsito; na escola e onde mais o Senhor nos der oportunidade.

Estas oportunidades aparecerão das formas mais inesperadas, como nos relatou a D. Íris, semana passada e como quero contar para vocês agora.

Em 2009, quando a Sara esteve internada no hospital Souza Aguiar, depois de uma visita, eu estava saindo do hospital, acompanhado de alguns membros da igreja.

Fomos para o elevador, tudo muito normal, quando de repente, aparece na porta do elevador um policial, todo agitado, olhando pra dentro, segurando sua arma. Ele segura a porta do elevador e faz um sinal com a cabeça. Aí aparece um maqueiro trazendo uma pessoa ferida. Tinha aqueles pinos de aço na perna. Era bastante magro. Muito jovem. E estava algemado à maca.

Percebeu-se que todos no elevador ficaram com medo. Ou no mínimo angustiados com a situação. E houve silêncio.

Mas um senhor, que ficou bem perto da cabeça do marginal, rompeu o silêncio e disse:

—Desta vez Jesus te livrou, pode não ter uma próxima. Pega firme com Jesus. Na cadeia tem um serviço religioso, procure ele. E quando sair, procure uma igreja evangélica.

Aquele homem falou e o criminoso respondeu:

—Vou procurar sim. Eu escapei por pouco da morte.

Não sei como esta história terminou, mas oro para que Deus nos dê sempre coragem de falar como aquele homem do elevador. Que falemos quer seja oportuno quer não.

Que testemunhemos do Senhor Jesus como Pedro fez.

Que assim, muitos ainda possam reconhecer que bom é estar aqui, na presença do Senhor. Porque aqui estamos seguros. Aqui, pela fé em Jesus, temos salvação. E o próprio Senhor nos acompanha no testemunho. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Venécia-ES

Soli Deo Gloria