domingo, 20 de novembro de 2011

Instinto Cristão

Estamos nos aproximando do final do ano eclesiástico, o ano da igreja. Nesse período meditamos e nos preparamos para comemorar o Natal, a primeira vinda de Jesus ao mundo e, ao mesmo tempo, nos preparamos para sua segunda vinda no dia do Juízo Final.
O evangelista Mateus registra em seu livro, no capítulo 25, versículos 31 até 46, palavras do Senhor Jesus a respeito do “Grande Julgamento” que acontecerá no último dia. Quando lemos e meditamos sobre este texto, dificilmente conseguimos criar outra imagem em nossa mente a não ser a de um tribunal, um juiz muito justo separando os salvos dos condenados. Pois é exatamente isso que Jesus relata nesse texto.
Porém, quero convidar o caro leitor a observar com muita atenção um detalhe interessante no texto: a reação dos sentenciados:
“Senhor, quando foi que vimos o senhor com fome, ou com sede, ou como estrangeiro, ou sem roupa, ou doente, ou na cadeia...?”
Os sentenciados, tanto salvos como condenados, têm a mesma reação, uma reação de admiração diante do critério usado para tal julgamento: as boas obras!!! Talvez nós também nos assustemos com este critério. Afinal, não repetimos a cada momento que nossa salvação é pela fé e não pelas boas obras?! Não temos estampado por todos os lados o lema da Reforma
“O justo viverá por fé”?! (Romanos 1.17)
Antes de continuar a leitura, peço que medite um pouco a respeito da seguinte afirmação: “Deus salva pela fé, mas julga pelas obras!”
Instinto [do latim instinctu] – 1. Tendência natural; aptidão inata. 2. Força de origem biológica, própria do homem e dos animais superiores, que atua de modo inconsciente, espontâneo, automático, independente de aprendizado. 3. Espécie de inteligência rudimentar que dirige os seres vivos em suas ações, à revelia de sua vontade e no interesse de sua conservação.
Querido amigo, as boas obras, para o cristão, são instintivas, naturais, próprias dele, algo que acontece de forma tão natural que, ao ser julgado por elas, ele se espanta – “mas como assim? Tudo isso sempre foi algo tão natural em minha vida, repartir o amor que recebi de Deus com o próximo, como isso pode me tornar merecedor da vida eterna?”
É claro que a nossa salvação é única e exclusivamente pela fé, pois é somente por meio desta fé verdadeira que o Espírito Santo nos move a praticar boas obras.
Por outro lado, os condenados também se espantam, pois são pessoas que vivem suas vidas preocupados com a vida eterna, mas sem confiar inteiramente em Cristo e sua obra redentora. Acham que o que Cristo conquistou por nós na cruz não é o suficiente para nos garantir a vida eterna. Desta forma, acabam por querer “fazer por merecer”. Levam uma vida inteira tentando realizar “grandes obras” aos olhos humanos, que lhes dêem reconhecimento e status social. Essas “pequenas obras” do amor cristão não servem para eles. Por isso serão lançados no inferno com o Diabo e seus anjos.
O cristão verdadeiro não se orgulha de suas obras. Diariamente se alimenta da Palavra de Deus, nutrindo sua alma para a prática das obras próprias dos seus filhos; humildemente permite que Deus guie sua vida e suas ações e, firme na fé em Jesus Cristo, segue seu caminho rumo à vida eterna.
Que o nosso testemunho de vida possa levar muitos a conhecerem o verdadeiro amor de Deus revelado em Jesus Cristo, e que dessa forma, muitos possam ouvir, no último dia o maravilhoso convite:
”Venham, vocês que são abençoados pelo meu Pai! Venham e recebam o Reino que o meu Pai preparou para vocês desde a criação do mundo.” (Mt 25.34).
Amém.

Pastor Marcio Loose
Pastor Evangélico Luterano
Volta Redonda - RJ