Destaque

Cansei de "ser desonesto"

     Não... Não enlouqueci.      Faz um tempão que estou incomodado com frases que ouço (e leio) repetidamente. E mesmo uma mentira, repe...

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Artigo, Adão Paiani - A pastora das trevas

*Adão Paiani

     A IECLB (Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil), a mais antiga denominação luterana em nosso país, trazida pelos imigrantes alemães chegados ao Rio Grande do Sul no século XIX, se colocou na defesa da mais torpe, vil, miserável, canalha e abjeta das causas, o aborto, ou assassinato de crianças inocentes e indefesas ainda no ventre das mães.

     Ao permitir que a "pastora" das trevas abrigada em seu meio, Lusmarina Campos Garcia, fosse ao Supremo Tribunal Federal defender a descriminalização da maior das atrocidades que um ser humano pode cometer contra outro,  a IECLB demonstra que de cristã absolutamente mais nada tem, mas tornou-se apêndice e instrumento das idéias de uma diabólica Nova Ordem Mundial.

     Ao abrigar em seus quadros a torpe figura da foto (no blog do autor tem a foto) - comunista, feminista, abortista, petista e defensora de tudo o que de mais desprezível existe na face da terra - a outrora digna, tradicional  e respeitável IECLB sinaliza ao Brasil e ao mundo que tornou-se um valhacouto de covardes, bárbaros e canalhas defensores não dos mais sagrados princípios cristãos, mas da mais indigna de todas as bandeiras, travestida do direito de matar inocentes.


     É com tristeza que escrevo estas palavras, pois  por muitos anos mantive com a IECLB laços de grande admiração e respeito, e lá por muitos anos pude conviver com homens e mulheres da mais pura e genuína fé cristã; mas ante tamanha indignidade é impossível se calar.


     A IECLB que foi a vida e missão de homens como os Pastores e Teólogos Gottfried Brakemeier, Rolf Drost e Godofredo Boll, dentre tantos outros pilares da fé cristã e luterana; a IECLB da Casa Matriz de Diaconisas (CMD) e suas "schwesters" dedicadas à caridade, ao amor e cuidado de crianças, doentes e idosos; a IECLB  da Comunhão dos Obreiros Diaconais (COD); a IECLB da Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas (OASE); a IECLB do legado de Martinho Lutero e Dietrich Bonhoeffer - essa deixou de existir.


     Uma história quase bicentenária de fé e trabalho hoje se resume a uma Lusmarina de tal. Triste epílogo de uma fé.


     O preço de tamanha indecência, torpeza e crueldade certamente será cobrado na eternidade.


     É o que eu acredito e espero.

*Advogado do RS.

Obs.:
Nós somos luteranos da IELB, que não compactua com causas como esta do aborto. Se uma mulher, em desespero, acaba por abortar, será acolhida como alguém que precisa da Palavra de perdão e de amor. Mas não endossamos a tentativa de legalizar (não estão tentando descriminalizar, mas legalizar) o aborto.