Destaque

Cansei de "ser desonesto"

     Não... Não enlouqueci.      Faz um tempão que estou incomodado com frases que ouço (e leio) repetidamente. E mesmo uma mentira, repe...

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Terra de sangue

Eclipse Lunar     Estranho! Quando a Lua fica escondida, todos querem enxergá-la. Quando está radiante, poucos a percebem. Ela não deveria chamar a atenção pela sombra do eclipse, mas pelo reflexo da luz solar. Aliás, a Lua é bonita pelo brilho apreciado a 384 mil quilômetros de distância. Quem descobriu isto foi o segundo homem que nela deixou suas pegadas naquele julho de 1969: “É um lugar tão desolado, tão completamente sem vida”. Ele precisou voltar à Terra e valorizar aquilo que ficou para trás. Agora descobriram água em Marte e desejam conquistar o planeta vermelho. Enquanto isto, acabam com a água no único lugar habitável. Estranho, muito estranho!
     O nosso problema é encontrar beleza no lugar onde pisamos. Temos a mania de olhar para longe, o que é bom quando a maldade da ambição não destrói o que está ao redor. Até porque fomos criados para conquistar, inventar, progredir. Mas a cobiça sempre provocou destruição, morte, ruína. Tudo por esta ideia que o forte vence o fraco, o grande acaba com o pequeno, o esperto aniquila o incapaz. É a propaganda enganosa da “seleção natural” tão presente na família, na economia, na política. No meio disto, duas perguntinhas atormentam: “De onde viemos? Para onde vamos?”. Nem Marte nem as estrelas irão responder.
     Eu tinha dez anos e vi pela televisão a conquista da Lua. Lembro que minha avó insistia que tudo era mentira. Morreu não acreditando, mas nunca duvidou que o Criador, encarnado na “roupa espacial” da humilhação (Fp 2.1-11) pisou na Terra para conquistar o impossível à ciência humana, o amor. Hoje, o que chama a atenção são os eclipses (do grego “deixar para trás”) da luz divina. Por isto, o pedido aos seguidores de Cristo: “Sejam filhos de Deus, vivendo sem nenhuma culpa no meio de pessoas más, que não querem saber de Deus. No meio delas vocês devem brilhar como as estrelas no céu” (Fp 2.14). 

Marcos Schmidt