Pular para o conteúdo principal

Unidos somos fortes

1Co 1.1-9

2º Domingo após Epifania

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Sl 40.1-11 / Is 49.1-7 / 1Co 1.1-9 / Jo 1.29-42a

 

A Paz do Senhor esteja com vocês. Amém.

Queridos irmãos em Jesus...

Vai parecer que estou sendo repetitivo, mas união aparece novamente no texto de hoje. Especificamente no texto do apóstolo Paulo aos coríntios. E num mundo cada vez mais de pessoas isoladas, os cristãos precisam saber o valor da união.

União com Cristo, que perdoa nossos pecados e por isso nos une a Deus Pai e Espírito Santo. Desta união com Deus, pela fé em Jesus, vem a união com as pessoas à nossa volta. Assim, ficamos unidos uns aos outros pela fé em Jesus Cristo. Uma união que será mais forte do que os problemas passageiros desta vida.

Mas o que isso representa em nossa vida? Qual a vantagem e qual a responsabilidade que esta união traz à nossa vida cristã?

O último versículo, de Coríntios, lido hoje, diz assim: “Deus é fiel e chamou vocês para que vivam em união com o seu Filho Jesus Cristo, o nosso Senhor.” (1Co 1.9)

Aí está repetido o desejo de Paulo: que vocês vivam em união com Jesus Cristo. É a vida cristã diariamente, não só quando me convém.

Ainda semana passada, falamos da vida nova, que vem pela união com Cristo. Uma vida cheia de esperança e alegria. Uma vida que não anda perdida, mas tem rumo certo: vida com Deus neste mundo e salvação eterna.

Na igreja falamos muito de união. Congregar é unir. Comunidade é um lugar onde as coisas são comuns. É um lugar de todos. É onde se comunga numa mesma fé.

Infelizmente, nós muitas vezes esquecemos o que é estar unido com Jesus Cristo. Mas a Palavra de Deus nos lembra e nos ensina. Para nos manter unidos e fortes até o fim.

missãoEm coríntios, o apóstolo Paulo começa lembrando que ele mesmo foi unido a Cristo. E algo interessante é que ele escreve a carta junto com outra pessoa: Sóstenes. Não se sabe muito a respeito de Sóstenes, a não ser que era judeu, chefe de uma sinagoga em Corinto e que naquela sinagoga levou uma surra diante do governador Gálio: “Então eles agarraram Sóstenes, o chefe da sinagoga, e o surraram diante do tribunal. Porém Gálio não se importou com isso.” (At 18.17).

Naquela ocasião Paulo estava sendo acusado de pregar contra as leis judaicas, por isso queriam leva-lo a julgamento, o que acabou não acontecendo. E Sóstenes leva uma surra de seus irmãos judeus. E Sóstenes, pela fé, se une a Cristo e a seu irmão Paulo.

Mais tarde, Paulo e Sóstenes, unidos a Cristo, querem anunciar a Palavra do Senhor às pessoas de Corinto e Paulo escreve a carta que lemos hoje.

Unidos, aqueles irmãos em Cristo, querem anunciar também a nós, como diz o apóstolo: “Esta carta é também para aqueles que em todos os lugares adoram o nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso.” (!Co 1.2). Ou seja, é para nós também.

Estes dois homens do Senhor, unidos, testemunham.

Esta é também a nossa tarefa: unidos testemunhar. E quando as pessoas vêm, acolhemos e integramos à mesma família de Deus, como nós uma vez fomos acolhidos e integrados.

Mas o inimigo quer semear a discórdia entre as pessoas. Entre as famílias e entre os membros do corpo de Cristo.

Se Satanás conseguir nos separar, vamos ficar fracos e a missão vai perder. Por isso tantas vezes a palavra de Deus diz para nós ficarmos unidos. Pois unidos somos fortes. Separados fraquejamos.

O próprio Jesus, em sua oração sacerdotal, pede ao Pai: “peço que todos sejam um. E assim como tu, meu Pai, estás unido comigo, e eu estou unido contigo, que todos os que crerem também estejam unidos a nós para que o mundo creia que tu me enviaste.” (Jo 17.21)

E esta união traz benefícios incomensuráveis e responsabilidades também: “Por estarem unidos com Cristo Jesus, vocês foram enriquecidos em tudo, tanto no dom de anunciar o evangelho como no dom da sabedoria espiritual.” (v. 5).

A mensagem é: crê em Jesus e você será salvo. E o praticar da palavra traz sabedoria.

Versículo 6: “A mensagem a respeito de Cristo está tão firme em vocês.”

Está mesmo? Então por que vacilamos tanto? Por que contestamos a Palavra de Deus? Por que muitas vezes, para mostrar nosso orgulho, pisamos no irmão? A mensagem a respeito de Cristo está firme em vocês? Se não está, ainda é tempo para crescer na Palavra e na comunhão. Hoje é o dia da salvação.

Para crescer nesta fé só há uma receita: ler e estudar a Palavra de Deus. Seja em Estudos Bíblicos, nos cultos, na leitura da Palavra e qualquer outra forma de contato.

Os momentos que estamos diante da Palavra de Deus são os mais especiais, porque nesses momentos o Senhor nos torna fortes para o dia-a-dia. Para enfrentar as tentações e vencer, unidos com Jesus Cristo. Porque não conseguimos a união por nós mesmos. É também um presente do Senhor para seu povo. Deus atende aquela oração feita por Jesus no Evangelho de João.

Assim, se estamos firmes na fé, o apóstolo diz: “Cristo vai conservá-los firmes até o fim para que no dia da volta do nosso Senhor Jesus Cristo vocês não tenham culpa de nada.” (v. 8).

É o próprio Senhor, em sua união conosco, que nos mantem firmes até o fim. Não precisamos temer que o inimigo nos afastará de Deus, pois ele não tem poder para isso. Somos propriedade exclusiva de Deus. Fomos comprados pelo sacrifício do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Nossa tarefa é anunciar Jesus, para Acolher e Integrar as pessoas à família de Deus.

Muitas vezes nos sentiremos como no texto de Isaías: “Todo o meu trabalho não adiantou nada; todo o meu esforço foi à toa.” E nesses momentos podemos expressar a mesma fé, que aparece exatamente no mesmo versículo: “Mesmo assim, eu sei que o Senhor defenderá a minha causa, que o meu Deus me recompensará.” (Is 49.4).

Não esperamos o reconhecimento do mundo, pela palavra de amor anunciada. É do Senhor que esperamos e receberemos tudo. Aliás, o mundo muitas vezes nos receberá com pedras. Assim como os apóstolos e tantos outros foram maltratados e martirizados. Mas em nossa união com Cristo, vamos ser fortes até o fim. Pois quando somos fracos, o Senhor se faz forte em nós.

É hora de união.

É hora de juntos, buscar orientação do Senhor para o trabalho da Bom Pastor, aceitando cada um assim como é, com suas fraquezas, assim como eu tenho as minhas, pois juntos nos tornamos fortes.

Também é hora de juntarmos forças para ajudar as pessoas que sofrem em nosso Estado.

Quanta dor, quanta tristeza! As pessoas começaram a semana felizes e hoje, nem lugar para enterrar os mortos têm. É uma situação que só de pensar desespera. Nesse momento o povo cristão precisa se unir para ajudar. Com orações sim. Mas também na prática. Enviando comida, água, remédios e tudo que for possível e necessário. Nós já ajudamos gente de lugares mais distantes, agora é o momento de ajudar o nosso próprio povo.

Mesmo nesse momento de dor, se estamos unidos a coisa vai ficar mais fácil. Porque unidos em nome de Cristo ficaremos fortes e levaremos conforto do Salvador às pessoas que perderam tudo.

É Jesus que nos une.

Que o Senhor nos faça permanecer sempre e cada vez mais unidos a ele e uns com os outros. Para que prevaleça a Palavra do Senhor e muitos ainda sejam acolhidos e integrados nesta família cristã, o Corpo de Cristo, o Cordeiro de Deus, em nome de quem todos recebem salvação. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Iguaçu-RJ

Soli Deo Gloria

Postagens mais visitadas deste blog

Culto Luterano - O culto litúrgico 1

II - O Culto Litúrgico - História e Teologia A. Definindo Termos Não é fácil falar e definir um assunto que é tão amplo como a história do próprio homem. Mas, precisamos fazê-lo de alguma forma, pois é importante entender o que estamos fazendo quando nos reunimos. James F. White nos serve de auxílio nessa grandiosa empreitada, mostrando como diferentes pensadores protestantes, católicos e luteranos usam o termo. Escrevendo a partir da tradição metodista, o professor Paul W. Hoon define a vida cristã como sendo uma vida litúrgica. O culto para ele está vinculado diretamente aos eventos da história da salvação. Para ele, o núcleo do culto é “Deus agindo para dar a sua vida ao ser humano e para levar o ser humano a participar dessa vida”. As palavras-chave na compreensão de Hoon sobre culto parecem ser “revelação” e “resposta”. Trata-se, portanto, de uma relação recíproca em que Deus toma a iniciativa em relação ao homem por meio de Jesus Cristo e nós, por meio de Jesus Cristo, respondemo…

A pedra de moinho

Leia aqui o texto bíblico de Marcos 9.38-50

17º Domingo após Pentecostes 6.622
Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Queridos irmãos em Cristo.
A Paz do Senhor esteja com todos vocês.
O versículo escolhido para nortear nossa meditação é o 42, de Marcos 9, que diz: "Quanto a estes pequeninos que creem em mim, se alguém for culpado de um deles me abandonar, seria melhor para essa pessoa que ela fosse jogada no mar, com uma pedra grande amarrada no pescoço."
Vocês têm noção do tipo de pedra que Jesus está falando? É uma pedra de moinho. E existem muitos tipos de pedra de moinho. Por exemplo, existe o moinho manual, que pode ser girado facilmente com uma alavanca. Esta pedra pesa poucos quilos.
Se fosse essa pedra, de poucos quilos, presa ao pescoço com uma corrente, alguém conseguiria se livrar do afogamento? Não. Esta pedra, de poucos quilos já acabaria com a vida da pessoa que pulasse na água.
Mas a …

Culto Luterano - O culto litúrgico 2

B. Conhecendo a História É praticamente impossível compreender o culto luterano sem conhecer a história do culto litúrgico. A Igreja Luterana, por natureza, é conservadora teológica e liturgicamente. As igrejas reformadas do século XVI sustentavam que somente práticas ordenadas pelas Escrituras deveriam ser mantidas no culto público. Os reformadores luteranos adotaram um princípio mais conservador. Os luteranos estavam convencidos de que somente o que fosse proibido pela Escritura deveria ser abolido. Dessa forma, a Igreja Luterana não promoveu uma ruptura radical com a Igreja da pré-reforma, e sim, uma continuidade com tudo que aconteceu nos primeiros 1500 anos. Mais, os reformadores luteranos entenderam-se como herdeiros das práticas de culto do AT. As igrejas reformadas acreditavam ser possível retornar aos dias da simplicidade primitiva dos apóstolos. Os luteranos entendiam que isto era impossível, pois havia uma interveniência de 1500 anos de história. Os luteranos se reconheciam …