sábado, 7 de novembro de 2015

Você é rico? E a sua salvação?

“Falta mais uma coisa para você fazer. Venda tudo o que você tem, e dê o dinheiro aos pobres, e assim você terá riquezas no céu. Depois venha e me siga. Quando o homem ouviu isso, ficou muito triste, pois era riquíssimo.” (Lucas 17.22-23)
O texto bíblico acima é de Lucas 17 e conta do encontro que Jesus teve com um jovem líder judeu, que era rico. Não é um texto sobre a administração. Jesus não está ensinando o comunismo (afinal: “meu reino não é deste mundo”).
Alguns entendem que este texto indicaria que Jesus tem “preferência” pelos pobres. Há teologias inteiras construídas sobre esse argumento da “preferência” de Jesus pelos pobres. Lembra-se: “É mais difícil um rico entrar no Reino de Deus do que um camelo passar pelo fundo de uma agulha.”  (Lucas 17.25). Então se criaram hipóteses do que Jesus estaria querendo dizer com isso...
Por exemplo: Há a afirmação de que este “buraco da agulha” seria uma pequena porta em Jerusalém que, um camelo, ajoelhado (então com muito esforço) passaria. Mas não é esta a interpretação deste texto, se você acha que é isso, te ensinaram equivocadamente.
A explicação é bem mais simples: Jesus está usando uma hipérbole (lembram do português na escola?) para dizer que para um rico é impossível (não só difícil) entrar no reino do céu. Mas não para qualquer rico...
Se fosse qualquer rico, teríamos que aceitar que o rei Davi não foi salvo e até parar de ler seus Salmos... Abraão era tão rico, que não havia pasto suficiente para todo seu rebanho e de seu sobrinho Ló e, por isso, precisaram se separar. Houve mulheres ricas que ajudaram no ministério do apóstolo Paulo. Há muitos outros exemplos de ricos fiéis a Cristo.
O texto lembra é que nenhum rico entrará, por suas forças (ou pela força de suas riquezas) no céu. Mas o pobre também não. Lembre-se: “o amor ao dinheiro é uma fonte de todos os tipos de males”. (1º Timóteo 6.10). Não é o dinheiro e sim “o amor ao dinheiro” que é mau. Os recursos financeiros são bons, pois com eles podemos ajudar o próximo. Podemos fazer o bem, por exemplo, investindo na Apae, ou a AASERDEQ que vai ajudar dependentes químicos de nossa cidade.
Mas quem preza suas riquezas, mais do que a Jesus, está perdendo a salvação. Esse não vai entrar no reino do céu, seja rico ou seja pobre. Tentar conquistar a salvação pelas próprias forças afasta de Jesus. Pois a salvação é “por graça” (Efésios 2.5)
E, por fim, quem disse que Jesus “prefere” alguém? De onde surgiu isto? Jesus não “prefere” alguém. Quem acha que Deus tem preferência, desconhece textos como este: “Mas agora Deus já mostrou que o meio pelo qual ele aceita as pessoas não tem nada a ver com lei. A Lei de Moisés e os Profetas dão testemunho do seguinte: Deus aceita as pessoas por meio da fé que elas têm em Jesus Cristo. É assim que ele trata todos os que creem, pois não existe nenhuma diferença entre as pessoas.” (Romanos 3.21-22).
Jesus prefere você. Seja rico ou pobre. Lembre-se que é pela força do sacrifício de Jesus que se é salvo e não pelo poder das riquezas. Use o que você tem com sabedoria.

Jarbas Hoffimann
é formado em Teologia
e pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil,
em Nova Venécia.
(http://www.
facebook.com/pastorjarbas)