quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Muito obrigado. Ai que susto!!!

Estamos ficando desacostumados com a educação. Estamos nos acostumando com os mal-educados. Estamos nos tornando mal-educados… Não que nossos pais não nos tenham educado. Nós é que estamos deixando pra lá tudo o que eles nos ensinaram.
Já vai longe o tempo em que os mais jovens se levantavam quando entrava o diretor na sala de aula. Ou quando alguém mais velho chegava (especialmente da família) se pedia a bênção. Aliás, nem ao padre se pede mais a bênção (não sou católico, mas este é um gesto bonito, de respeito ao sacerdote). E assim, muitos outros exemplos de nossa crescente falta de educação e respeito, que se reflete em desrespeito à autoridade nos diversos níveis. Não tenho que “gostar” da autoridade para respeitar a pessoa que ocupa o cargo. Afinal, se sou cristão, sigo o princípio de que: “nenhuma autoridade existe sem a permissão de Deus, e as que existem foram colocadas nos seus lugares por ele. Assim quem se revolta contra as autoridades está se revoltando contra o que Deus ordenou, e os que agem desse modo serão condenados.” (Romanos 13.1-2)
Antes de voltar ao foco: este texto não diz que devemos aceitar autoridades ruins corruptas, etc… Só porque são “autoridade”. A tal da carteirada que é algo típico por aqui... Também não é isso. Está dizendo, antes, que tratemos com respeito quem exerce a autoridade. E é pra agir com respeito, mesmo quando as vamos contestar. E, sendo o caso, extirpar do cargo como se tira um câncer que nos estava condenando à morte. Mas com respeito e educação.
Voltando: estamos mais mal-educados, desrespeitosos, impacientes. E não é falta de surra, como alguém pode pensar… E a surra, pela surra, nunca adiantou.
Relato duas situações:
Outro dia, na Feirarte, onde muitas crianças vão para correr com seus patins, patinetes e bicicletas, um menino acertou com muita força a sua bicicleta em mim… Se quer fez menção de parar e pedir desculpas. Simplesmente seguiu seu caminho. Alguém poderia dizer: É apenas uma criança. E é. Mas uma criança mal-educada, desrespeitosa e que, se continuar assim, vai, um dia, bater o carro e fugir.
Outra situação: dentro de uma agência bancária, passei por duas senhoras que desciam as escadas. Uma delas, mais jovem (suponho ser a filha) e a outra com mais idade (suponho ser sua mãe). Quando eu ia passando, a mais jovem, que descia na frente, olhou para trás, já fazendo menção em voltar e disse:
-- Será que eu disse obrigado?
Ao que a senhora respondeu:
-- Sim, você disse obrigado.
-- Tem certeza?
-- Tenho.
Pronto, foram embora.
A atitude delas me leva a ainda ter esperança na humanidade. Mas confesso que levei um susto com a reação da moça. Pois percebo que a maioria das pessoas simplesmente iria embora. Talvez eu mesmo não voltasse.
Não só a mais jovem, apressada talvez por seus afazeres, disse o obrigado tão automaticamente que nem percebeu, como a outra senhora percebeu que o agradecimento tinha sido feito. Ambas estavam preocupadas com a gratidão. E muitas vezes vamos ao banco, ao mercado, à farmácia, à delegacia… E pensamos que não precisamos agradecer, pois os “funcionários não estão fazendo mais do que sua obrigação”.
Bem! Já vi filhos dizendo que os pais não fazem mais do que sua obrigação em sustentá-los… E discordo. Os pais fazem muito mais do que a obrigação, assim como a maioria das vezes os funcionários citados fazem além de suas obrigações.
Me dirijo especialmente a você que é pai e mãe (não que colocou no mundo apenas, isso é reprodutor, não é pai ou mãe): eduque seu filho. A escola não vai educar, vai ensinar matemática, português, etc… A vida não vai educar, muito pelo contrário. A você o criador deu a sublime tarefa de encaminhar as crianças: “Eduque a criança no caminho em que deve andar, e até o fim da vida não se desviará dele.” (Provérbios 22.6). Quer seu filho “do bem”? Ensine o caminho, porque se perder, qualquer um faz sozinho… Pra “se achar” quase sempre precisamos de um guia. Pra servir ao Senhor, SEMPRE precisamos do guia Jesus.

Jarbas Hoffimann é formado em Teologia e pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil, em Nova Venécia. (pastorjarbas@gmail.com; facebook.com/pastorjarbas, @pastorjarbas)


Estes e outros artigos são publicados no Jornal Correio 9, de Nova Venécia (curta para ser avisado das edições diárias, leitura completa online):