sábado, 20 de fevereiro de 2016

Faça o que eu falo e faço.

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

A paz do Senhor esteja com todos vocês.

Faça o que eu falo e faço.

Em Filipenses, o Apóstolo Paulo traz um dos versículos que eu, particularmente, mais gosto da Bíblia. O versículo 17:
Meus irmãos, continuem a ser meus imitadores. E olhem com atenção também os que vivem de acordo com o exemplo que temos dado a vocês.”

Esta frase de Paulo sempre me chamou a atenção.
Porque ele mesmo se oferece como exemplo.
Na nossa sociedade hipócrita parece que não podemos nos citar como exemplo. O exemplo sempre tem que ser de alguém outro.

Hoje, parece que se você disser algo semelhante ao que disse Paulo, está se vangloriando. Está sendo presunçoso.
Mas você só estaria sendo hipócrita se fosse como o fariseu no templo, que só falava bem de si mesmo, mas por dentro era uma criatura podre. Ele se orgulhava de ser a criatura mais especial naquele ambiente, quando na verdade estava contaminado por sua arrogância e seu pecado.

Aquela pessoa que age de acordo com a vontade de Deus pode sim, usar a sua vida como exemplo para outros. Assim como Paulo usa.
Este texto contraria o ditado: “faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”. Porque Paulo está dizendo exatamente: “façam o que eu faço”.
E que bom quando alguém pode, com toda humildade, simplicidade e verdade dizer: “continuem a ser meus imitadores”. Façam como eu.

Mas Paulo quer que nós imitemos o quê?

Vamos pensar, o que as pessoas imitam?
Imitam aqueles a quem admiram ou com os quais convivem.
Imitam os cantores da moda, pessoas famosas. Imitam seus amigos (sejam eles bons ou maus exemplos...)
Nas redes sociais, repetem frases de pessoas que julgam inteligentes.
As crianças aprendem nos imitando, por isso, nas casas onde se grita muito, as crianças estão sempre gritando… Onde se diz muitos palavrões, as crianças aprendem a xingar. E, também, onde se faz oração antes do almoço, as crianças sempre vão esperar que se faça as orações onde estiverem, mesmo que seja num restaurante ou numa festa. E isso é bom.

Paulo, que imitava Jesus Cristo em sua forma de amar ao próximo, diz: “Meus irmãos, continuem a ser meus imitadores. E olhem com atenção também os que vivem de acordo com o exemplo que temos dado a vocês.”
Quer dizer: não apenas imitem a mim, mas imitem todos os cristãos que vivem de acordo com a vontade de Deus. Pois assim, cada um vai procurar também viver de acordo com esta vontade.
Imitadores de Paulo e de Jesus estão cada vez mais raros.
Até mesmo líderes religiosos mudam as palavras de Jesus, para que a bíblia fale o que eles querem dizer e não imitem a Cristo. Hoje, a grande maioria dos que se dizem cristãos, está longe de Jesus, tanto na pregação, quanto na música e no comportamento. E isto é muito triste.
As músicas e as pregações colocam o ser humano no centro e Jesus passou a ser um mero servição, que traz a bênção, a vitória, etc…

Ainda hoje, vi um vídeo de Leandro Karnal, historiador brilhante, que é ateu…

Como historiador ele precisa, obviamente, conhecer a história.
E como ateu…
Ateu de verdade, não esses estúpidos que acham que toda religião faz mal e por isso precisa ser apagada do mapa. O verdadeiro ateu compreende até o valor social das religiões, mesmo que ele não siga nenhuma.

Pois bem, o professor Karnal diz, em um de seus vídeos que está na internet:

É possível que nós estejamos em um dos momentos mais religiosos da história humana. Haja vista a grande quantidade de manifestações, associações, instituições, congressos, etc… É possível…
E é possível que uma parte desta nova religiosidade tenha a ver com a imersão de um homem líquido, que da muito pouca importância a algo que não lhe favoreça.
E eu diria, não sendo religioso, que o maior desafios dos religiosos hoje é cristianizar os cristãos. Esse é o grande desafio.
O desafio do século 15 era cristianizar indígenas… No 19 eram os asiáticos, os africanos, idólatras, liberais, ateus… Hoje o desafio é cristianizar os cristãos e parar de dizer: “Senhor, Senhor!” E começar a entender o desafio que significa uma opção. Uma opção de entrega. Então é este o grande desafio.
O campo é bom. Nós temos hoje um prestígio religioso maior do que nunca.
A influência política das religiões em 2015 no congresso é maior do que em 1950.
Como enfrentar um ambiente que formalmente é religioso e na prática é completamente egoísta, voltado pra si e totalmente alheio a quaisquer desafios religiosos possíveis?
Como falar de Deus pra quem tem Deus no carro, na casa, na camiseta, mas só não tem no coração e na atitude. Esse é um desafio e tanto… É o mesmo desafio de sempre: como falar da lei para os doutores da lei pra escribas e pra fariseus, aqueles que pagam o dízimo sobre o cominho e não entenderam o básico. Este é o desafio contemporâneo...”

Notem…
Estas palavras foram ditas por um ateu. Especialista em história.
Não são cristãos tristes com os rumos que a igreja está tomando.
É alguém de fora que olha e percebe que no discurso os cristãos de hoje são uma coisa, mas na prática, estão distantes de tudo que o Senhor Jesus ensinou.

Por isso as palavras de Paulo são tão importantes: “sejam meus imitadores”.
Você, pai, pode olhar seus filhos e dizer: “imitem minhas atitudes”?
Você, mãe, pode olhar pra sua família e dizer: “façam como eu faço”?
Você, filho, pode dizer aos seus amigos : “imitem a minha vida”?
Tomara que sim.
Paulo nos diz: “Já disse isto muitas vezes e agora repito, chorando: existem muitos que, pela sua maneira de viver, se tornaram inimigos da mensagem da morte de Cristo na cruz.” (18)
Existem muitos que se chamam de cristãos hoje em dia, mas que “vão para a destruição no inferno porque o deus deles são os desejos do corpo. Eles têm orgulho daquilo que devia ser uma vergonha para eles e pensam somente nas coisas que são deste mundo.” (19)

Jesus deu a vida dele por nós.
Ele é mais do que nosso simples exemplo, apesar de também ser nosso exemplo.
A Palavra de Deus nos ensina o caminho a seguir. Conhecendo a Palavra de Deus, não há erro daquilo que o Pai espera de nós e daquilo que Jesus Cristo fez por nós.
Deus quer que vivamos em sua Palavra. Amando a Deus e ao próximo.
Sem mentiras ou meias verdades, sem desamor, sem rancor, sem brigas…
Ele quer que o sirvamos aqui na igreja, com as nossas vidas e nossas ofertas, com nosso trabalho e dedicação…
Ele quer que o sirvamos fora da igreja, ajudando nas tarefas da casa, por amor aos familiares…
Ajudando no trabalho, mesmo que não seja tarefa minha, para facilitar pra todo mundo…
Demonstrando amor nas pequenas e nas grandes atitudes. Consolando os que choram e orando por aqueles que nos perseguem.
Imitar Paulo é viver em Cristo.

E Cristo, que perdoa multidão de pecados, perdoará cada vez que falharmos e voltarmos arrependidos. Portanto, não tenham medo de amar sem medida…
Não tenham medo de falar da fé em Jesus Cristo. Muitas pessoas estão por aí, mesmo achando que são cristãs, desesperadas em igrejas que oferecem um deus falso, um salvador de mentira e um espírito que não existe.
Enquanto isso, nós temos servido ao verdadeiro Deus Pai, Filho e Espírito Santo e ele, por sua vez, nos protege neste mundo, enquanto caminhamos para a vida eterna.
Imitem os cristãos que foram exemplo.
Sejam exemplo cristão para o outro.
Acima de tudo, creia em Jesus Cristo, assim você terá a salvação e ajudará a salvar a muitos. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)