quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Talvez...

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

A paz do Senhor esteja com todos vocês.

Talvez...

Queridos irmãos em Cristo.
A paz do Senhor seja com todos vocês.

Em Is 6.1-13, que é um dos textos lidos no período de Quaresma, Deus chama o profeta para sua missão. Junto com o chamado, Deus dá a mensagem a ser pregada.
Se vocês bem lembram, a mensagem era dura: “‘Vocês podem escutar o quanto quiserem, mas não enxergarão nada.’ Isaías, faça com que esse povo fique com a mente fechada, com os ouvidos surdos e com os olhos cegos, a fim de que não possam ver, nem ouvir, nem entender.” (Is 6.9-10).
A função de Isaías era ser o profeta anunciando o castigo. Não um castigo do qual ainda houvesse escapatória, mas o castigo iminente.
Essa mensagem foi dada cerca de 750 anos a.C. E depois dessa mensagem, Israel caiu. O país foi destruído.
Primeiro o Reino do Norte, caiu diante dos Assírios, em 721 a.C. E Isaías viu a queda.
130 anos depois, caiu também o reino do sul. Judá foi conquistada pela Babilônia.
Cumpriam-se assim as profecias de que o povo perderia sua terra. Pois esse povo tinha quebrado a aliança com Deus. E mesmo Deus enviando profeta após profeta, o povo resistiu e não voltou para Deus.

E hoje, queremos estudar o texto de Joel, capítulo 2, versículos 12 a 19. Um texto que se passa em outro período. Cerca de 400 anos a.C. Mais ou menos 300 anos depois de Isaías.
Judá voltava do exílio e muitos trabalhavam na reconstrução to Templo, e de tudo mais que tinha sido destruído. Pouco a pouco as pessoas voltaram. Reconstruíram o país e suas vidas.
A mensagem de Joel vem quando o povo já estava há um bom tempo de volta. E pelas palavras do profeta se pode perceber que o povo já estava se afastando de Deus novamente.
Parece que já tinham esquecido o tempo de exílio. O tempo em que tinham saudades do templo e de andar pela sua própria terra. Agora, de volta, pelo poder de Deus, o povo esquece do passado e, em meio à alegria de estar em casa, se afasta do Senhor novamente.
Então a missão de Joel é anunciar que o povo se arrependa. Pois se eles voltarem para o Senhor, o castigo, que já começou, será terminado.
Notem a diferença entre Joel e Isaías.
Isaías anunciou um castigo iminente, enquanto Joel diz que ainda há salvação. Pois se o povo voltar à aliança com o Senhor, o Senhor o abençoará novamente.
E Joel traz uma mensagem de chamado ao arrependimento e ao compromisso com Deus: “voltem para mim com todo o coração” (v. 12).
E o profeta ainda lembra: “Voltem para o Senhor, nosso Deus, pois ele é bondoso e misericordioso; é paciente e muito amoroso e está sempre pronto a mudar de ideia e não castigar.” (v. 13).

É muito importante meditarmos com este texto. Uma vez que acabamos de passar pelo Carnaval e agora estamos no período de Quaresma.
Para muitos o Carnaval é a oportunidade de colocar máscaras e se esconder na multidão. Não é aquele Carnaval do sambódromo, onde as pessoas fazem de tudo para aparecer e conseguir alguma fama.
Para muitos o Carnaval é oportunidade de colocar uma máscara e se entregar ao pecado. Mesmo que a máscara seja apenas uma viagem para onde ninguém nos conhece.
A máscara tem o intuito de esconder a pessoa. Bandidos usam máscaras. Ou agem no escuro, para não serem vistos. Muitos cristãos, mascaram o coração, pensando poder se esconder de Jesus. Assim como fez Jonas, que para fugir da tarefa de Deus, escondeu-se num navio que ia justamente para o lado contrário, de onde Deus o mandou ir pregar arrependimento.
Quantas vezes queremos fugir de Deus para não ouvir que somos pecadores! Quantas vezes queremos mascarar nossos corações! Quantas vezes, em silêncio, deixamos o pecado nos dominar!...
Muitas.
E se persistimos no pecado, estamos quebrando a aliança com Deus. Não a Antiga Aliança, firmada na promessa do Messias, mas a Nova Aliança, firmada no Sangue do Messias.
O chamado de Joel não é apenas para os Judeus. É especialmente para nós. E nada é mais importante que o chamado a Deus.
Vejam quanta ênfase o Senhor apresenta a Joel, para que ele diga ao povo:
“rasguem o coração”, não apenas as roupas. É uma mudança interna, não apenas externa, como fazem muitos, fingindo arrepender-se.
“Toquem as trombetas no monte Sião” ... “convoquem o povo para se reunir no Templo!” (v. 15) É pra todo mundo saber e todo mundo está convocado, não simplesmente convidado. Não é hora de falso arrependimento. Aliás, aquele onde habita o Espírito Santo, não pode ter falso arrependimento.
O chamado é tão importante, que todos devem vir:
“Reúnam todo o povo... Que venham todos, velhos e crianças e até criancinhas de peito! Que os recém-casados saiam de casa.” (v. 16) Ninguém deve ficar de fora, nem mesmo quem tenha alguma dificuldade, seja ela velhice, casamento, ou pouca idade. Todos devem se apresentar.
E o chamado mais duro é aos sacerdotes. Eles intercederão em favor de todo o povo. Assim, o Senhor, “talvez” (v. 14) mude de ideia e não mande mais o castigo.

Num primeiro momento a palavra “talvez” pode causar estranheza. Afinal pra que Deus pede arrependimento se ele, só “talvez” vai mudar de ideia?
É que o povo estava tão contaminado, que esta pode ser a última mensagem antes do castigo pior. Pois já havia castigo nas colheitas e na vida cotidiana. Se o povo se arrepender e voltar ao Senhor, “talvez” ele desista do castigo.

Se pode parecer duro este “talvez”, por outro lado, vemos quão grande é a misericórdia do Senhor. Pois o povo tinha voltado do Exílio. Tinha reconstruído o país, e, em vez de fidelidade, eles dão as costas para Deus, indo atrás de outros deuses.
O que esse povo merece? Castigo.
Mas não...
Deus ainda manda os profetas e diz o que fazer para que o castigo pare. E, ouvindo o chamado de Joel, o povo volta ao Senhor.
Então entendemos a grande misericórdia do Senhor, pois nosso texto, lido hoje, termina assim: “Então o Senhor mostrou o seu grande amor para com a sua terra e teve pena do seu povo. E respondeu: ‘Agora, vou lhes dar cereais, vinho e azeite; assim vocês comerão e ficarão satisfeitos. Nunca mais deixarei que os outros povos caçoem de vocês.” (vv. 18-19)
E quanto a nós!
O que é preciso acontecer para que andemos sempre com o Senhor?
Ele está chamando: voltem do seu pecado, corrijam a vida e andem no meu caminho.
Creiam em Jesus Cristo, que se sacrificou para que vocês tenham a salvação e ressuscitou para que tenham a vida eterna.
E para isso ele enviou o Espírito Santo, como prometido pelo próprio profeta Joel:
“eu derramarei o meu Espírito sobre todas as pessoas: os filhos e as filhas de vocês anunciarão a minha mensagem; os velhos sonharão, e os moços terão visões. Até sobre os escravos e as escravas eu derramarei o meu Espírito naqueles dias.” (vv. 28-29).
E isso tudo se cumpriu quando o Senhor Jesus veio ao mundo.
Portanto, queridos irmãos, não se afastem do Senhor, pois todos que creem em Cristo receberam o Espírito Santo. E as obras de arrependimento que o Senhor espera de nós, são guiadas pelo Espírito.
Rasguem o coração e voltem para Deus.
Pois assim o Senhor, não apenas “talvez” lhe dará a salvação, mas a salvação já é de todo aquele que crê em Jesus Cristo, nosso salvador. Amém.



E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)