quinta-feira, 28 de abril de 2011

Olhar para o alto

Um famoso e conhecido artista, observando como os homens, numa grande e movimentada cidade, se agitavam de um lado para o outro, cheios de preocupação e ansiedade, resolveu pintar um quadro que representasse a cena.
No quadro que pintou aparecia uma grande multidão de pessoas que se deslocavam numa movimentada rua da cidade, todos com a cabeça inclinada para baixo, olhando para a calçada. E por baixo do quadro se lia: “Já quase ninguém mais olha para cima!”.

Não é preciso dizer o impacto que esse quadro causou na mente das pessoas, pois o artista acertara em cheio no problema. O homem moderno, rodeado pela floresta de aço e concreto, perdeu a capacidade de olhar para cima.
Para ele não há mais beleza nas montanhas que falam do Criador, não há mais colinas de cujas cristas distantes esteja a promessa de um mundo melhor; mas apenas calçadas, asfalto, tijolos e edifícios.
Por isso não é de se admirar que o homem de hoje seja tão consumido pela neurose, tendo sempre os nervos à flor da pele; e é tão vitimado pelo enfarto do coração e pelo derrame cerebral. São conseqüências diretas do seu olhar para baixo, para o asfalto, para dentro de si, para os seus problemas.
O que o homem de nossos dias precisa é fugir das paredes sufocantes que circundam sua vida e olhar para fora, para cima, para o alto e contemplar o panorama da graça de Deus.
Certa vez Pedro viu Jesus andando sobre as ondas do mar. Pedro achou muito interessante isso: ter o poder de caminhar sobre o mar. Aí ele pediu a Jesus que lhe desse também esse poder. Jesus falou: “Vem”.
E Pedro fez o que Jesus lhe pediu: saiu do barco e começou a caminhar sobre as águas. Enquanto ele olhava para cima, para Jesus, ele conseguiu andar sobre as águas. Mas na hora em que ele começou a olhar para baixo, para as ondas do mar, para o perigo, ele começou a afundar. Se Jesus não tivesse pegado ele pelas mãos ele teria morrido afogado.
Diz o texto bíblico:
Respondendo-lhe Pedro, disse: Se és tu, Senhor, manda-me ir ter contigo por sobre as águas. E ele disse: Vem! E Pedro, descendo do barco, andou por sobre as águas e foi ter com Jesus. Reparando, porém, na força do vento, teve medo; e, começando a submergir, gritou: Salva-me, Senhor! E, prontamente, Jesus, estendendo a mão, tomou-o e lhe disse: Homem de pequena fé, por que duvidaste? Subindo ambos para o barco, cessou o vento. E os que estavam no barco o adoraram, dizendo: Verdadeiramente és Filho de Deus! (Mateus 14.28-32).

Assim é com a nossa vida. Se ficarmos olhando apenas para os problemas, para as dificuldades que a vida nos oferece, nós vamos afundar, fracassando nos nossos objetivos.
A solução é sempre olhar para cima, para o alto, para o Autor e Consumador da nossa fé, que é Jesus, conforme recomenda o autor da Carta aos Hebreus, no capítulo 12:
“Deixemos de lado tudo o que nos atrapalha e conservemos os nossos olhos fixos em Jesus, o Autor e Consumador da fé; o qual em troca da alegria que lhe estava proposta, não se importou com a humilhação de morrer na cruz, e agora está assentado do lado direito do trono de Deus”.

Jesus deve ser o nosso exemplo. Ele enfrentou muitas dificuldades, como a pobreza, o ódio, a inveja, a perseguição e a própria morte. Mas ele venceu. Hoje ele está assentado à direita de Deus, governando o mundo.
O rei Davi aprendeu o segredo de olhar para cima, pois descobriu que havia força espiritual em olhar para o alto. Diz ele:
“Elevo os meus olhos para os montes: de onde me virá o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra” (Salmo 121).

Olhar para os montes significa olhar para cima, para o alto, para Deus. Foi nos montes que Deus se manifestou várias vezes: no monte Sinai, no monte Horebe, no monte Carmelo e, sobretudo, no monte Calvário, onde Cristo deu a sua vida por nós, para nos salvar de todos os pecados. Monte é, pois, símbolo da presença e da misericórdia de Deus.
Olhar para cima sempre. Esse deve ser o grande objetivo da nossa vida. Há pessoas que só olham para cima quando estão em grandes dificuldades.
Isso aconteceu com a mulher Cananéia, com os discípulos na tempestade, com o carcereiro de Filipos, com o filho Pródigo. E acontece ainda hoje na vida de muitas pessoas. Só olham para cima nos momentos de extrema necessidade.
E sabedor disso, Deus, às vezes, permite que aconteçam certas coisas na sua vida – também na nossa – para que tirem os olhos do mundo e olhem para ele. Um exemplo disso é o povo de Israel.
Os israelitas estavam certa vez num beco sem saída. Eles haviam sido libertados da terra do Egito e estavam fugindo da ira do rei Faraó. De repente, quando se encontram diante do Mar Vermelho, eles vêem atrás de si o exército inimigo. Eles então tentam fugir.
Mas, para onde? Na frente está o mar, à direita as montanhas, à esquerda o deserto e atrás os inimigos. Não havia salvação do ponto de vista humano. Eles então se lembram de olhar para cima, para Deus. Clamam por socorro. E Deus faz o mar se abrir. Eles o atravessam em terra enxuta, enquanto que os inimigos morrem afogados.

Quem sabe, você não esteja neste momento passando por grandes dificuldades, num beco sem saída, sem saber o que fazer. Pois olhe para cima, clame a Deus, que ele o atenderá. Diz ele na sua Palavra:
“Invoca-me no dia da angústia, eu te livrarei e tu me glorificarás” (Salmo 50.15).

Sim, tiremos os nossos olhos desse mundo de pecados e de miséria e olhemos para Deus. Olhemos para Deus, para o alto, pois só ele pode nos socorrer.
Ele nos enviou o seu Filho Jesus para nos livrar de todos os pecados. Diz a palavra de Deus:
“Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 8.31,37).

Olhemos, pois, firmemente para Jesus, o Autor e Consumador da nossa fé, do qual depende a nossa salvação, bem como a força para chegar à pátria celestial. Em nome de Jesus. Amém.

Pastor Lindolfo Pieper
Jaru-RO – Brasil
Igreja Evangélica Luterana do Brasil