quinta-feira, 4 de junho de 2009

Cálice e a cruz da paixão


CÁLICE E A CRUZ DA PAIXÃO

Um dos símbolos da Paixão de Cristo é a combinação do cálice e a cruz da Paixão. O cálice ou taça, neste caso não se refere ao cálice da Santa Ceia, mas à grande agonia que Jesus teve que enfrentar, à qual o Salvador se refere como "cálice".

O cálice com o conteúdo amargo de sofrimento e morte que Jesus deveria beber, foi mencionado anteriormente no Getsêmani. Quando, por meio de sua mãe, Tiago e João perguntaram sobre os assentos de honra e poder no reino de Cristo, o Mestre os prova "Por acaso vocês podem beber o cálice que eu vou beber?" (Mateus 20.22). A referência foi claramente à sua Paixão que se aproximava. O contorno do cálice recorda a oração de Jesus no Getsêmani: "Meu Pai, se é possível, afasta de mim este cálice de sofrimento! Porém que não seja feito o que eu quero, mas o que tu queres.".

A cruz da Paixão é desenhada como tendo pontas, que como espadas de tristeza e dor iriam penetrar na alma de Jesus durante a sua paixão. Sombras da cruz tinham cruzado o caminho de Jesus ao longo do seu ministério, começando com a manjedoura da infância. O venerável Simeão, no templo, predisse que Cristo seria rejeitado e que uma espada cortaria a alma de sua mãe.

Sabendo que teria que suportar sua própria Cruz no Calvário, nosso Senhor, muito antes alerta seus seguidores a negarem a si mesmos, pegar a sua cruz, e segui-lo. Para muitos dos seus discípulos ao longo dos séculos essa cruz foi como a cruz da Paixão de Jesus — com pontas em quinas.

O Cálice e a cruz também nos trazem bênçãos: perdão dos pecados, paz com Deus, vida eterna. Por causa de Jesus ter tomado o cálice de sofrimento e suportado a cruz, nosso "copo derrama" (Sl 23.5) e nossas cruzes foram tornadas leves.