segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Racismo

Além de ser chamado de “macaco” dentro do avião, o músico Dudu Nobre diz que sofreu agressão física e o caso foi parar na polícia. A acusação de discriminação racial pelos próprios comissários de um vôo dos Estados Unidos para o Brasil, nesta última segunda-feira, merece reflexão onde o preconceito racial é sutil e disfarçado, e por vezes grosseiro como neste episódio. Hoje é o Dia da Consciência Negra em nosso país, inspirado na morte do negro Zumbi em 20 de novembro de 1695. O tema tem importância na Bíblia, que descreve a discriminação como um pecado que bate em cheio contra o amor universal de Deus. O apóstolo Paulo lembra que não existe diferença entre as raças, porque Deus é o mesmo Senhor de todos e abençoa indistintamente os que lhe pedem ajuda (Romanos 10.12). No entanto, a própria Bíblia é usada erroneamente para se afirmar que a cor negra da pele é um castigo divino. Dizem que Cão, filho de Noé, ficou negro ao ser amaldiçoado (Gênesis 9.22). Ora, fico imaginando se um dia este tipo de religioso encontrar-se com um Jesus preto no Juízo Final. Se “maldição” é compreendida desta forma, então o que dizer da minha pele branquela, pré-disposta ao câncer e ao envelhecimento precoce sob os efeitos do sol? Em todo o caso, estas heresias andam soltas por aí, a exemplo de Satanás que inverteu o sentido das palavras de Deus na tentação contra Jesus (Mateus 4.1-11).
Racismo é um escândalo (escândalo vem do grego e significa “separação”) que diabolicamente (diabo significa “aquele que separa”) traz divisão na própria igreja cristã. Um péssimo exemplo vem dos Estados Unidos onde existem igrejas de brancos e igrejas de negros. E agora o grande desafio para este país da “Ku klux klan” — organização que tem a própria cruz como símbolo para defender a “supremacia da raça branca” — será proteger Barak Obama contra racistas fundamentalistas, os mesmos que mataram Martin Luther King. Mas isto é um mal globalizado, que provoca divisões e injustiças pelo mundo afora nesta Babel de arrogância.
Não podemos e nem queremos mudar a cor da nossa pele, nem a raiz de costumes e culturas. Mas quando estas coisas criam diferenças presunçosas de tratamento com as pessoas, isto ofende o Criador que ama a todos indistintamente, e estraga a grande missão da igreja. A Bíblia diz com todas as letras:
“Meus irmãos, vocês que crêem no nosso Senhor Jesus Cristo, nunca tratem as pessoas de modo diferente por causa da aparência” (Tiago 2.1).
O teólogo luterano Gottfried Brakemeier escreve que Deus criou um mundo multiforme, em que cada “peça” tem sua característica inconfundível. Que o propósito de Deus nesta diversidade é a complementação de uns pelos outros e no serviço mútuo, usando cada qual o dom que recebeu. “Discriminação racial equivale a desprezo ao Deus Criador, que moldou a criação assim como a fez, e que por amor a ela deu o seu Filho Unigênito”.

Marcos Schmidt
Pastor luterano
Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS
20 de novembro de 2008