sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Dunga e Jesus

logo_cbf_novo400 Nesta quinta-feira a igreja lembra a Ascensão de Jesus. Mas as atenções estão mesmo em Dunga e nos 23 convocados que foram levados às alturas. Sem misturar nuvens com fumaça, dá para dizer que Jesus teve uma missão parecida – reuniu e preparou um grupo de pessoas e colocou-os em campo. A própria Bíblia diz que o cristão é um atleta que deve se esforçar nos treinos para conquistar a taça (1º Coríntios 9.25). E se alguns acham que futebol é “coisa do mundo”, ainda não entenderam o recado: “Por que vocês estão aí olhando para o céu?” (Atos 1.11). Se tudo fosse falta com cartão vermelho, Jesus levaria todo o time consigo para a concentração. Mas deixou a sua equipe com a bola rolando porque a copa da salvação é mundial e qualquer um pode ser escalado. E o campo não precisa ter o aval da Fifa. Gramado perfeito só lá em cima onde não nasce espinho nem capim. Assim, o gol do Evangelho pode acontecer também na várzea.
E se o Dunga não convocou aqueles que estavam na nossa lista, Jesus também tem critérios: “Não foram vocês que me escolheram; pelo contrário, fui eu que os escolhi” (João 15.16). Onde Jesus estava com a cabeça quando chamou os doze? Pois é, nesta hora todos são técnicos – querem ser Jesus. Eu mesmo já pensei que Deus foi incoerente em me convocar. Nunca me achei com cara de pastor. Mas, o cristão tem cara de cristão? Qual é o uniforme que ele usa? Qual a marca que carrega? Penso que nestes dois tempos antes do apito final, há muito simulação para enganar o juiz. Coisa que a torcida logo percebe e vaia, porque jogo limpo é o que interessa.
E quando o técnico brasileiro é criticado por montar um time sem estrelas, outro fato para dizer que cristianismo não é espetáculo, mas resultado. Pode não agradar na hora, mas no final aparece a diferença. Aqui a comparação é duvidosa, mas o texto sagrado lembra que no jogo da fé em Cristo a vitória é certa (1º João 5.4). Algo que precisa ser dito quando o nome “Jesus” virou sinônimo de glória terrena e instantânea. Por isto o apóstolo passa a bola e avisa: “Nós não prestamos atenção nas coisas que se veem” (2º Coríntios 4.18). Até porque aquele que despareceu do estádio, prometeu: Eu estou com vocês todos os dias até o fim dos 90 minutos (Mateus 28.20).
Marcos Schmidt
pastor luterano
Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo-RS
13 de maio de 2010