sábado, 17 de setembro de 2011

Reino dos Céus é um reino da Graça

 

Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Sl 27.1-9 / Is 55.6-9 / Fp 1.12-14,19-30 / Mt 20.1-16

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Queridos irmãos.

O ser humano vive se comparando com os outros. E nessa comparação ele, normalmente, espera ser o melhor e espera o reconhecimento de todos. O ser humano quer ser o mais bonito, o mais forte, o mais inteligente, o que joga melhor...

Na igreja: “eu venho mais do que os outros, eu sou mais consagrado, eu oferto mais, eu faço mais do que os outros”...

E assim, nós seres humanos, concluímos: se eu trabalho mais, meu salário será maior. Se eu venho mais à igreja eu tenho mais direitos do que os outros, o pastor tem que me dar mais atenção do que aos outros”. Esse é um pensamento lógico e humano.

Os discípulos pensavam assim quando Jesus contou a parábola que está registrada em Mt 20.1-16. Eles queriam saber quem era o mais importante: “Naquele momento os discípulos chegaram perto de Jesus e perguntaram: — Quem é o mais importante no Reino do Céu?” (Mt 18.1).

Apesar de terem sido atraídos pelo amor de Jesus, os discípulos ainda não estavam livres do farisaísmo. Ainda trabalhavam com o pensamento de merecer recompensa proporcional ao seu trabalho. Nutriam um espírito de exaltação e faziam distinções entre si. Se algum deles falhava em coisas pequenas, os outros se achavam superiores. Então Jesus conta a parábola da Vinha.

Nesta parábola fica claro que o Reino dos Céus é um reino de Graça. Pois ela mostra que ninguém merece a salvação. Ninguém de nós merece ter fé em Jesus Cristo, mas Deus, em sua imensa graça e amor nos “chamou pelo Evangelho, iluminou com seus dons”, deu e conservou na fé até hoje.

Contudo nos faz achar que merecemos a salvação por nós mesmos e nossas obras. Mas não merecemos.

O Reino dos Céus é um reino de Graça. E Por graça somos chamados à vinha. A vinha é o trabalho neste mundo e é por amor que Deus confia seu trabalho a nós. Pecadores.

Assim como acontece na parábola, nosso Deus nos chama várias vezes em nossa vida. No caso da parábola é bom destacar que as horas judaicas eram divididas em turnos de três horas, começando perto das 6 horas da manhã. O Dono da vinha deu uma volta pela praça às 6 da manhã e chamou trabalhadores. Depois foi às 9 e fez outro convite. Depois voltou ao meio-dia e às 3 da tarde para chamar mais trabalhadores. Por fim, perto das cinco da tarde, ele chamou mais pessoas que estavam na praça. A chance foi oferecida a todos desde o primeiro momento do dia. Mas alguns preferiram ficar na praça. Alguns rejeitaram o convite do dono da vinha. Mesmo às cinco da tarde alguns devem ter recusado o convite ao trabalho.

Mas o dono da vinha convida até o último instante, assim como Deus trata conosco. Ele sempre nos convida ao trabalho. Às vezes nós respondemos às 6 da manhã (batismo). Às vezes nós paramos de impedir o trabalho do Espírito Santo somente às 17 horas, ou na hora da nossa morte.

Não importa o tempo, o fato é que Deus convida para estarmos junto dele. Deus convida para viver uma vida consagrada. Deus convida a nos arrependermos dos nossos pecados. Mas nós não merecemos nada disso. Assim como Abraão, um dos pais da fé, também não mereceu: “Então o que é que podemos dizer de Abraão, o antepassado de nossa raça? O que foi que ele conseguiu? Se foi por causa das coisas que ele fez que Deus o aceitou, então ele teria motivo para se orgulhar, mas não para se orgulhar diante de Deus. Pois o que é que as Escrituras Sagradas dizem? Elas dizem: “Abraão creu em Deus, e por isso Deus o aceitou”.’

Nós queremos ser os mais bem pagos, os melhores, os maiores. Mas diante de Deus este nosso desejo cai por terra. Porque O Reino dos Céus é um reino de Graça. E é por Graça que nós somos chamados à vinha. E é por graça também que nós seremos recompensados.

Uma das nossas maiores dificuldades no texto de Mt 20.1-16 é exatamente o fato de que aqueles que chegaram por último receberam o mesmo pagamento que aqueles que chegaram primeiro. Para nós isto é injusto. E provavelmente nós diríamos: “Se eu soubesse só ia vir trabalhar às 17 horas. Assim eu não me cansaria e ganharia a mesma coisa que os outros.”

É este pensamento que atrapalha o funcionamento da igreja. Nós não olhamos para a obra de Cristo. Nós queremos é fazer menos e aparecer mais. Isso é justiça de fariseu. Os fariseus seguiam todos os preceitos da lei e se achavam melhores do que os outros. E para eles Jesus diz: “Pois eu afirmo a vocês que só entrarão no Reino do Céu se forem mais fiéis em fazer a vontade de Deus do que os mestres da Lei e os fariseus.” (Mt 5.20).

Fidelidade não é uma questão de quanto eu faço para a igreja ou pelo Evangelho de Jesus. É uma questão do motivo pelo qual eu faço essas cosias. Eu posso vir à igreja todos os dias e estar indo para o inferno, se eu penso que por vir à igreja serei salvo. Eu posso ajudar todas as entidades da cidade e estar condenado eternamente, se eu penso que por causa da minha ajuda Deus vai ficar bonzinho comigo.

Deus não vai ficar bonzinho conosco por causa disto ou daquilo que fazemos. Deus é misericordiosíssimo conosco por causa de sua graça. Porque O reino dos Céus é um reino de graça. E o Salário é o mesmo: a salvação. Daí nossa natureza humana pensa: “Bom, se o salário é o mesmo, vou deixar para me preocupar com Deus mais tarde. Primeiro vou curtir minha adolescência, minha juventude, minha namorada, meus filhos e aí eu mexo com esse negócio de igreja. Por enquanto eu posso me virar sozinho.” Pra esse pensamento Jesus tem outra Parábola: “Seu tolo! Esta noite você vai morrer; aí quem ficará com tudo o que você guardou?” (Lc 12.20).

Outro pensamento que pode vir: “se a recompensa é a mesma, então eu vou fazer o mínimo”. Será que isso é crer em Cristo. Estar satisfeito com fazer o mínimo? “Portanto, a fé é assim: se não vier acompanhada de ações, pe coisa morta.” (Tg 2.17).

O Reino dos Céus é um reino da Graça. Porque Por graça somos chamados à vinha. E Por graça seremos recompensados.

Deus é justo e quer recompensar a todos que forem fiéis a ele. E recompensará tanto àqueles que chegaram primeiro e foram fiéis na dificuldade e na alegria, quanto àqueles que chegaram no último instante de sua vida.

Este é o Deus que enviou Jesus Cristo que diz que “o salário do pecado é a morte, mas o presente gratuito de Deus é a vida eterna, que temos em união com Cristo Jesus, o nosso Senhor.” (Rm 6.23).

Vamos procurar nos lembrar das promessas feitas no batismo: “Serei fiel”, Na confirmação “Serei fiel”. Na ceia: “Serei fiel”. E Nesta intenção de sermos fiéis estejamos também seguros que “Deus, que começou esse bom trabalho na vida de vocês, vai continuá-lo até que ele esteja completo no Dia de Cristo Jesus.” (Fp 1.6).

“Pois pela graça de Deus vocês são salvos por meio da fé. Isso não vem de vocês, mas é um presente dado por Deus. A salvação não é o resultado dos esforços de vocês: portanto, ninguém pode se orgulhar de tê-la.” Ef 2.8-9

Por que O Reino dos Céus é um reino de Graça.

Por graça somos chamados à vinha celestial.

Por graça seremos recompensados. Quando Jesus voltar. Amém.

E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus. Amém. (Fp 4.7)

Pastor Jarbas Hoffimann – Nova Venécia-ES

Soli Deo Gloria