segunda-feira, 18 de julho de 2011

Insônia

A preocupação com a atual crise na economia está roubando o sono de muita gente. Conforme pesquisa realizada na Inglaterra, 20% dos entrevistados têm dormido menos do que cinco horas por noite, enquanto 25% chegam a levantar três vezes da cama. Mas a insônia não vem de agora, é um problema comum no mundo ocidental dos últimos tempos. No Brasil, mais de 35 milhões de pessoas sofrem deste distúrbio. A agitação do dia-a-dia, as inúmeras obrigações, e as dificuldades financeiras são as principais causas, dizem os especialistas, e as conseqüências estão aí, na cara de gente mal humorada.
“Não consigo dormir” (Salmo 102.7)
já reclamava Davi. Ele tinha motivos, era o rei de Israel com inimigos dentro e fora dos muros de Jerusalém.
“A minha vida é como as sombras do anoitecer”,
lamenta este homem aflito, que inicia com uma súplica:
“Ó Senhor, ouve a minha oração e escuta o meu grito pedindo socorro”.
Confesso que já busquei orientação nestas palavras num momento de tristeza e insônia. E tive resposta ao meditar nos versos seguintes:
“A terra e o céu se gastarão como roupas. Tu os trocarás como se troca de roupa, e eles serão jogados fora. Mas tu és sempre o mesmo e a tua vida não tem fim”.
Tais palavras são lembradas no Novo Testamento (Hebreus 1.11,12), onde o autor explica que elas falam de Jesus:
“Ele sustenta o Universo com a sua palavra poderosa. E, depois de ter purificado os seres humanos dos seus pecados, sentou-se no céu, do lado direito de Deus, o Todo-Poderoso” (Hebreus 1.3).
Ora, se dizem que o mal da insônia são as preocupações, este Jesus à direita de Deus — que pede ao Pai em nosso favor (Romanos 8.34), ele mesmo sugere:
“Não fiquem preocupados com o dia de manhã, pois o dia de amanhã trará as suas próprias preocupações. Para cada dia bastam as suas próprias dificuldades” (Mateus 6.34).
E por que tamanha confiança? Paulo explica:
“Se Deus nos deu o seu Filho, será que não nos dará também todas as coisas?” (Romanos 8.32)
Foi esta certeza devolvida ao angustiado coração, que fez o rei Davi confessar:
“Em paz me deito e logo pego no sono, porque, Senhor, só tu me fazes repousar seguro” (Salmo 4.8).
O rei Salomão, filho de Davi, já calejado na vida questiona:
“O que a pessoa ganha com todo o trabalho?”
Pois neste mundo onde as pessoas vivem para trabalhar em vez de trabalhar para viver, ele descobre no desfrute do poder e da riqueza que
“tudo é ilusão” (Eclesiastes 4.4).
E conclui:
“O trabalhador pode ter pouco ou muito para comer, mas pelo menos dorme bem à noite. Porém o rico se preocupa tanto com as coisas que possui, que nem consegue dormir” (Eclesiastes 5.12).
Na verdade, o problema do sono não é o tamanho da conta bancária nem das dificuldades, mas o tamanho da fé. Por isto a recomendação:
“Confie no Senhor de todo o coração (...) Quando se deitar, não terá medo, e o seu sono será tranqüilo a noite inteira” (Provérbios 3.5,24).
Marcos Schmidt
Pastor luterano
Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo-RS
16 de outubro de 2008