terça-feira, 5 de julho de 2011

Se Deus quiser

vulcão em erupção No meio do caminho sempre aparece um Eyjafjallajoekull. E nem precisa ser grande, cuspidor de fogo, de nome complicado, para manter alguém preso no aeroporto. Pode ser uma simples cratera no pneu do carro. Se juntássemos todos os “vulcãozinhos” neste confuso formigueiro planetário, de gente indo e vindo, iríamos descobrir que a cada instante, em meio a milhões de craterinhas, tem alguém que não consegue ir adiante, que precisa esperar ou mudar de rumo. É claro, quando uma única erupção atinge meio mundo ao mesmo tempo, então o problema chama a atenção.
Pois este dragão do gelo faz a gente pensar na fragilidade da nossa agenda. Porque, se o vulcão adormeceu duzentos anos para acordar sob os lençóis brancos da neve e estragar os planos do homem dominado pela máquina, então a gente finalmente se dá conta que é a natureza que manda na máquina, e que manda no homem. Mas quem manda na natureza? Isto a gente sabe pela Bíblia: “Agora escutem, vocês que dizem: ‘Hoje ou amanhã iremos a tal cidade e ali ficaremos um ano fazendo negócios e ganhando muito dinheiro!’ Vocês não sabem como será a sua vida amanhã, pois vocês são como uma neblina passageira, que aparece por algum tempo e logo depois desaparece. O que vocês deveriam dizer é isto: ‘Se Deus quiser, estaremos vivos e faremos isto ou aquilo.’” (Tiago 4.13-15).
vulcão 2 A verdade é esta: estamos sob o poder da máquina, máquina que está sob o poder da natureza, natureza que está sob o poder de Deus. Estamos lá no fim da fila, no último lugarzinho. Esquecemos isto. Por isto, é hora de baixar as orelhas e ouvir o que segue: “Porém vocês são orgulhosos e vivem se gabando. Todo esse orgulho é mau” (Tiago 4.16). É duro, mas com as malas e aviões estacionados debaixo das cinzas, feliz é aquele que consegue deixar a raiva de lado, e em humildade ouvir a voz do dono do vulcão.
E nestas horas de “agora o que eu faço?”, podemos então marcar na agenda uma horinha com o Senhor do gelo e do fogo. Porque “as pessoas podem fazer seus planos, porém é o Senhor Deus quem dá a última palavra” (Provérbios 16.1). E no final descobrir que é só pedir a Deus que abençoe os planos, e eles darão certo (Provérbios 16.3).
Marcos Schmidt
pastor luterano
Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo-RS
22 de abril de 2010