quarta-feira, 14 de novembro de 2018

O preço do perdão

      Ressentimentos. Repetição de um sentimento ruim. De mágoa, raiva, ódio. Motivos não faltam, afinal, a maldade anda mais solta que os bandidos. Mas, ressentimento é tomar veneno e esperar que a pessoa detestada morra. O jeito, portanto, é perdoar.
      Perdonare, diz o latim.  Per – total. Donare – doar. Ato que vem da razão, não da emoção. Não é esquecer. É não mais cobrar. Coisa que o coração não faz. Coisa que o Pedro perguntou:
“Senhor, quantas vezes devo perdoar o meu irmão que peca contra mim? Sete vezes?”. “Você não deve perdoar sete vezes, mas setenta e sete vezes”.
      Coisa de maluco. Mas, e a loucura da cruz? Interessante que o termo “perdão” tem vários irmãos gêmeos nas páginas da Bíblia. Nasa, kaphar, salach na língua hebraica, aphesis, aphíemi, charizomai, apolúo, paresis, dikaio, katalasso na língua grega. É um monte de palavras complicadas na pronúncia assim como o próprio perdão na prática, mas que carregam o mesmo significado fácil e simples de entender: apagar, deixar de lado, expiar, doar, presentear.
      O perdão não é facultativo. É regra primordial de convivência onde todos se ofendem. Além do mais, é a primeira obra do amor cristão. Tanto que, se o perdão não vier lá de cima, nunca haverá chance aqui em baixo. Mas, Jesus lembrou:
“Se não perdoarem (...), o Pai de vocês também não perdoará as ofensas de vocês” (Mateus 6.15).
      É causa e efeito. É fé e ação. Deus me perdoa e eu perdoo. Eu não perdoo e o perdão divino congestiona. Foi o problema do credor incompassivo (Mateus 18). Na parábola, o empregado livre de milhões não anistiou seu colega que lhe devia cem, e o incalculável indulto do patrão retornou ao vermelho. “Perdoa as nossas dívidas”, ensinou Jesus, “assim como nós também perdoamos aos nossos devedores”.
      “Quem ama não guarda mágoas” (1Coríntios 13.5), sublinha o hino do amor. Não é fácil. Para Deus custou a vida do seu único Filho. E para mim?

Marcos Schmidt
pastor luterano
Novo Hamburgo, RS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente... Compartilhe...