Pular para o conteúdo principal

Cálice e a cruz da paixão



CÁLICE E A CRUZ DA PAIXÃO

Um dos símbolos da Paixão de Cristo é a combinação do cálice e a cruz da Paixão. O cálice ou taça, neste caso não se refere ao cálice da Santa Ceia, mas à grande agonia que Jesus teve que enfrentar, à qual o Salvador se refere como "cálice".

O cálice com o conteúdo amargo de sofrimento e morte que Jesus deveria beber, foi mencionado anteriormente no Getsêmani. Quando, por meio de sua mãe, Tiago e João perguntaram sobre os assentos de honra e poder no reino de Cristo, o Mestre os prova "Por acaso vocês podem beber o cálice que eu vou beber?" (Mateus 20.22). A referência foi claramente à sua Paixão que se aproximava. O contorno do cálice recorda a oração de Jesus no Getsêmani: "Meu Pai, se é possível, afasta de mim este cálice de sofrimento! Porém que não seja feito o que eu quero, mas o que tu queres.".

A cruz da Paixão é desenhada como tendo pontas, que como espadas de tristeza e dor iriam penetrar na alma de Jesus durante a sua paixão. Sombras da cruz tinham cruzado o caminho de Jesus ao longo do seu ministério, começando com a manjedoura da infância. O venerável Simeão, no templo, predisse que Cristo seria rejeitado e que uma espada cortaria a alma de sua mãe.

Sabendo que teria que suportar sua própria Cruz no Calvário, nosso Senhor, muito antes alerta seus seguidores a negarem a si mesmos, pegar a sua cruz, e segui-lo. Para muitos dos seus discípulos ao longo dos séculos essa cruz foi como a cruz da Paixão de Jesus — com pontas em quinas.

O Cálice e a cruz também nos trazem bênçãos: perdão dos pecados, paz com Deus, vida eterna. Por causa de Jesus ter tomado o cálice de sofrimento e suportado a cruz, nosso "copo derrama" (Sl 23.5) e nossas cruzes foram tornadas leves.

Postagens mais visitadas deste blog

Culto Luterano - O culto litúrgico 1

II - O Culto Litúrgico - História e Teologia A. Definindo Termos Não é fácil falar e definir um assunto que é tão amplo como a história do próprio homem. Mas, precisamos fazê-lo de alguma forma, pois é importante entender o que estamos fazendo quando nos reunimos. James F. White nos serve de auxílio nessa grandiosa empreitada, mostrando como diferentes pensadores protestantes, católicos e luteranos usam o termo. Escrevendo a partir da tradição metodista, o professor Paul W. Hoon define a vida cristã como sendo uma vida litúrgica. O culto para ele está vinculado diretamente aos eventos da história da salvação. Para ele, o núcleo do culto é “Deus agindo para dar a sua vida ao ser humano e para levar o ser humano a participar dessa vida”. As palavras-chave na compreensão de Hoon sobre culto parecem ser “revelação” e “resposta”. Trata-se, portanto, de uma relação recíproca em que Deus toma a iniciativa em relação ao homem por meio de Jesus Cristo e nós, por meio de Jesus Cristo, respondemo…

A pedra de moinho

Leia aqui o texto bíblico de Marcos 9.38-50

17º Domingo após Pentecostes 6.622
Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a presença do Espírito Santo estejam com todos vocês! (2Co 13.13).

Queridos irmãos em Cristo.
A Paz do Senhor esteja com todos vocês.
O versículo escolhido para nortear nossa meditação é o 42, de Marcos 9, que diz: "Quanto a estes pequeninos que creem em mim, se alguém for culpado de um deles me abandonar, seria melhor para essa pessoa que ela fosse jogada no mar, com uma pedra grande amarrada no pescoço."
Vocês têm noção do tipo de pedra que Jesus está falando? É uma pedra de moinho. E existem muitos tipos de pedra de moinho. Por exemplo, existe o moinho manual, que pode ser girado facilmente com uma alavanca. Esta pedra pesa poucos quilos.
Se fosse essa pedra, de poucos quilos, presa ao pescoço com uma corrente, alguém conseguiria se livrar do afogamento? Não. Esta pedra, de poucos quilos já acabaria com a vida da pessoa que pulasse na água.
Mas a …

Culto Luterano - O culto litúrgico 2

B. Conhecendo a História É praticamente impossível compreender o culto luterano sem conhecer a história do culto litúrgico. A Igreja Luterana, por natureza, é conservadora teológica e liturgicamente. As igrejas reformadas do século XVI sustentavam que somente práticas ordenadas pelas Escrituras deveriam ser mantidas no culto público. Os reformadores luteranos adotaram um princípio mais conservador. Os luteranos estavam convencidos de que somente o que fosse proibido pela Escritura deveria ser abolido. Dessa forma, a Igreja Luterana não promoveu uma ruptura radical com a Igreja da pré-reforma, e sim, uma continuidade com tudo que aconteceu nos primeiros 1500 anos. Mais, os reformadores luteranos entenderam-se como herdeiros das práticas de culto do AT. As igrejas reformadas acreditavam ser possível retornar aos dias da simplicidade primitiva dos apóstolos. Os luteranos entendiam que isto era impossível, pois havia uma interveniência de 1500 anos de história. Os luteranos se reconheciam …