quarta-feira, 25 de maio de 2011

Creio na Ressurreição da Carne - 003

II. A FONTE DA VERDADE

biblia_003 Posso ter certeza sobre a vida após a morte? Onde posso encontrar a verdade? Os espíritas afirmam: Não há livro sagrado. A vida é um mistério. Temos revelações parciais de espíritos, médiuns e profetas. A Bíblia só contém parte da verdade. Afirmam que João Batista foi a reencarnação de Elias, etc. Por não terem compromisso com a palavra de Deus, eles extraem da Bíblia as doutrinas que querem.
A segunda linha são os evangélicos que afirmam: A Bíblia contém a palavra de Deus. Com isto abrem a porta a inúmeras teorias. Interpretam a Bíblia com sua razão. Eles jogam afirmações de um apóstolo contra outro apóstolo, ou afirmações do Antigo contra o Novo Testamento.
Ao lado deles temos os católicos que aceitam a Bíblia, mas não como a única palavra de Deus. Eles colocam a autoridade do Papa e dos Concílios ao lado da Bíblia. Ensinam, como os mórmons, que na eternidade ainda há a possibilidade de alguém remir-se de seus pecados (Purgatório). Lutero constatou: “Está provado que papas e concílios erram.” Com os católicos estão os pentecostais que colocam ao lado da Bíblia revelações especiais (subjetivismo), que frequentemente desinterpretam e até contradizem as afirmações da Bíblia.
Qual a posição bíblica? A Bíblia é palavra por palavra a única, inspirada, infalível, inerrante, clara e pura palavra de Deus. A Bíblia se interpreta a si mesma. Ela é a única autoridade em matéria de fé e de vida. Quem não a aceitar como tal e não a respeitar, não pode ter certeza de nada. Ao mesmo tempo é preciso lembrar que, quem não tiver esta convicção, com esta pessoa não podemos discutir religião. Pois quando argumentamos com a palavra de Deus, a pessoa, não tendo compromisso com a palavra de Deus, não aceitará os argumentos da palavra de Deus e contra argumentará com a razão ou a opinião de pessoas, da maioria ou com outras revelações, etc. A uma pessoa que não aceita a autoridade da palavra inspirada da Bíblia, só podemos proclamar a palavra de Deus para testemunho, na esperança de que ela dê lugar à palavra e ao Espírito Santo, “se converta de seu mau caminho e viva” (At 21.17).
Uma vez clarificada a fonte em que baseamos a certeza da doutrina da ressurreição, podemos contemplar esta tão consoladora doutrina.
Continua…
Horst R. Kuchenbecker