quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Concílio no Espírito Santo - 3



Alguns destaques da Palestra:

·         Este estudo visa prover uma motivação evangélica para o estudo e a educação continuada no ministério pastoral.
·         Teologia e vida não podem ser dissociadas.
·         (O pastor Breno Thomé cita sua própria história de vida para descrever sua formação teológica. ... Cita, também, Lutero e sua trajetória de vida. A teologia de Lutero, ágil e complexa, não é concebida como um sistema, mas como o resultado da sua vivência diária do evangelho).
·         “E cuide que não se canse, ou pense que já fez o suficiente quando leu, ouviu e falou uma ou duas vezes (o texto bíblico) e que já tem entendimento completo. Você nunca será um teólogo especialmente bom se o fizer, porque será como uma fruta temporã que cai no chão antes de maturar pela metade” (Lutero).
·         Lutero tem uma visão realista do mal, do mundo e de si próprio como pecador.
·         A vida e obra de Lutero “são perpassadas pela tentação provocada por esses inimigos e determinadas pela luta contra eles”. Mas ele proclama o nome de Cristo, o Emanuel, o Deus que está conosco “na lama e no trabalho...”
·         Em seu amor, o Deus crucificado suporta e supera o pecado, a morte e o inferno.
·         Porque o crucificado foi, como nós, tentado na visão de morte, pecado e inferno, podemos “encarar a morte na vida, o pecado na graça, o inferno no céu, vencer e viver, mesmo que morramos”.
·         Este Deus é aquele que perdoa os pecados (é gracioso).
·         Lutero: “Fui batizado [...] absolvido, insisto nisso até morrer [...] o que quer que questione isso: tentações e preocupações, essas coisas não me farão balançar de jeito nenhum. Pois aquele que disse ‘Quem crê e é batizado está salvo’ e ‘Tudo o que desligares na terra estará desligado no céu’ e ‘Isto é o meu corpo [...] o meu sangue, que foi derramado por vós para remissão dos pecados’, não é capaz de enganar nem mentir. Isso certamente é verdadeiro”.
·         O que fica bastante destacado é que não há Teologia sem Teólogo e nem Teólogo sem Teologia e que a experiência de vida levará o teólogo a firmar sua teologia. Por seus problemas, suas alegrias, as tentações, a meditação e tudo mais que envolve a vida de uma pessoa.

o   O Rev. Natalino Pieper, deu um exemplo prático, dizendo: “Quanto o pastor está preparando o seu sermão, seu estudo bíblico, ele está fazendo teologia.”