quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Concílio no Espírito Santo - 15



A teologia bíblica é a teologia da Cruz
Com todas as suas implicações.
Dietrich Bonhoeffer: “Com sua encarnação, Cristo colocou-se entre mim e as relações com o mundo... Não se coloca apenas entre mim e Deus, mas está igualmente entre mim e o mundo, entre mim e os outros homens e coisas... Ele é o único Mediador do mundo inteiro”. (pg. 50).
Jesus é o mediador entre:
·         Eu e Deus
·         Eu e o Próximo
·         Marido e a esposa
·         Esposa e marido
·         Pais e Filhos
·         Filhos e Pais
·         Eu e as minhas finanças
·         Eu e meus bens (casa, carro, etc...)
·         Eu e o mundo

Marido e Esposa
Ef 5.21-33

Esposa
22Esposa, obedeça ao seu marido, como você obedece ao Senhor. 23Pois o marido tem autoridade sobre a esposa, assim como Cristo tem autoridade sobre a Igreja. E o próprio Cristo é o Salvador da Igreja, que é o seu corpo. 24Portanto, assim como a Igreja é obediente a Cristo, assim também a esposa deve obedecer em tudo ao seu marido.
Neste relacionamento o mediador é Jesus: “Esposa obedeça ao seu marido, como você obedece ao Senhor.”

·         A esposa cristã primeiramente se submete ao senhorio de Jesus e, no mesmo espírito que se submete a Jesus, permite que o marido seja o cabeça do lar, seja o chefe do lar.
·         E isto, visto nesta perspectiva, não diminui a mulher e não a humilha, pois ela não é humilhada por ter a Jesus como seu Senhor, pelo contrário, isto lhe dá segurança e honra, isto a dignifica. O mesmo ela terá se, em Cristo, obedecer ao seu marido.
·         O fato de Jesus ser o Mediador no relacionamento conjugal dá as condições para que a mulher se submeta ao seu marido, mesmo quando ele não mereça a sua submissão. Ela verá seu marido na ótica de Cristo e servirá a Cristo através do seu marido. E o amor de Cristo é incondicional e não espera nada em troca.

Marido
25Marido, ame a sua esposa, assim como Cristo amou a Igreja e deu a sua vida por ela.
Neste relacionamento o mediador é Jesus: “Marido, ame a sua esposa, assim como Cristo amou a Igreja e deu a sua vida por ela.”

·         O marido cristão primeiramente é convidado a estar em comunhão com Jesus, desfrutando do seu grande amor, amor que o levou a morrer na cruz pela sua Igreja, para então amar a sua esposa assim como Cristo amou a Igreja.
·         Desta forma, o marido não vai explorar nem humilhar sua mulher, mas vai se entregar a ela, e por ela, para fazê-la feliz e dar-lhe a proteção e a segurança que ela tanto precisa neste mundo.
·         O fato de Jesus ser o Mediador no relacionamento conjugal dá as condições para que o marido ame a sua esposa, mesmo quando ela não mereça. Ele a amará por amor a Jesus, pois ele é digno e merecedor de todas as coisas. Tendo Jesus como Mediador, o marido verá sua mulher na ótica de Cristo, e servirá a Cristo amando a sua esposa com amor incondicional.

O equilíbrio do casamento está no relacionamento com Jesus.

Pais e filhos
Ef 6.1-4
1Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo. 2Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), 3para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra. 4E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.
Jesus é também o mediador entre pais e filhos: “E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.”
·         O fato de Jesus ser o Mediador do relacionamento entre pais e filhos dá as condições para que os pais amem seus filhos, mesmo quando eles não mereçam. Eles os amarão por amor a Jesus, pois ele é digno e merecedor de todas as coisas. Também neste caso os pais verão os filhos na ótica de Cristo, e servirão a Cristo criando os filhos na disciplina e admoestação do Senhor. Seu amor pelos filhos, por causa de Cristo, será incondicional e não esperará nada em troca.
Jesus é também o mediador entre filhos e pais: “Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo.”
·         O fato de Jesus ser o Mediador do relacionamento entre filhos e pais dá as condições para que os filhos amem e obedeçam a seus pais, mesmo quando eles não mereçam. Eles os amarão com amor incondicional e os obedecerão por amor a Jesus, pois ele é digno e merecedor de todas as coisas. Os filhos também verão seus pais na ótica de Cristo e os obedecerão por amor a Jesus.
·         Vemos, portanto, que Jesus é o centro de todas as nossas relações, inclusive, e principalmente, na família.
·         Por isso é tão importante a realização de momentos devocionais no lar: DIARIAMENTE.
·         Participar ativamente dos cultos e demais atividades da igreja.
·         Orar juntos e sempre.
Lembremos que agora a comunhão não é mais como era no paraíso, pautada pela “imagem divina”, isto é, na perfeição, na glória de Deus. Hoje nossa comunhão está fundamentada no Deus que se fez homem e assumiu as nossas fraquezas, os nossos pecados, e os pagou na cruz do Calvário. E se ela está fundamentada em Jesus, então ela pressupõe a cruz com todas as suas implicações – pecado: fraquezas, defeitos, distúrbios, traições, temores, etc. É muito importante que isto fique sempre bem claro em nossas mentes, pois nos fará cientes de que em nossos relacionamentos temos que estar sempre dispostos a administrar problemas e dificuldades.
·         Há muitos que dizem que o casamento e a família são instituições falidas. Sem Jesus elas sempre foram falidas. Com Jesus, sendo o Mediador entre os integrantes da família e Deus, e dos integrantes da família entre si, o casamento e a família são o que de melhor existe neste mundo.
Parafraseando Lutero, podemos dizer que sem Jesus o lar pode ser um pedacinho do inferno. Com Jesus, é um pedacinho do céu.
E é nosso sagrado dever, como pastores e chefes de famílias, fazer do nosso lar uma antessala do céu. Para o bem da nossa família e das famílias que atentamente olham para as famílias pastorais para se espelharem nelas. E a receita para isto é permitir que Jesus efetivamente ocupe o centro de todas as nossas relações.
Lembrou o palestrante que a nossa família pastoral é um modelo para as demais famílias.
Não há como fugir disso, mas também é um sagrado privilégio.
E concluiu a palestra com um vídeo sobre a família, que é abençoada com a presença de Deus e, na qual, tudo vale a pena.
E fez o comentário que o tempo que temos para viver com a nossa família é limitado. E que é preciso aproveitar este tempo, para viver bem com a nossa família, pois depois que ele passar, quem ficar precisa olhar pra trás.
Terminando assim, seu estudo, às 14h28, passando a palavra ao Sr. Renato Bauermann, que passou a tratar do tema: